Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!


Deixe um comentário

955- MCB (SP) recebe Duo Paccola-Fiori, Duo Camará (com & Trio Saracuteia Fulô) e Quartier Latin

O público que acompanha as apresentações musicais que o Museu da Casa Brasileira (MCB) promove em São Paulo aos domingos, sempre a partir das 11 horas, poderá apreciar três shows de diferentes vertentes nas próximas rodadas do projeto, todos com entrada franca, mas sujeita à lotação do terraço nos quais transcorrerão. Para o espetáculo de 28 de maio, o Duo Paccola-Fiori selecionou as faixas gravadas no álbum de estreia e que mescla composições próprias com sucessos regionais de várias partes do Brasil, arranjados com nova roupagem. Sem fugir às características dos instrumentos que toca, por meio deste repertório eclético a dupla constituída pelos virtuoses Thiago Paccola (viola caipira) e Jonecir Fiori (acordeon) promete levar ao palco inovação e musicalidade jovial.

Duo Camará e o Trio Saracuteia Fulô (Foto: Sté Mendes)

Um inédito encontro entre o Duo Camará e o Trio Saracuteia Fulô está programado para 4 de junho. Victor Cremasco (voz) e Raphael Amoroso (violão) apresentarão acompanhados por Roberto Federicci (sanfona e teclados), Ruiz Mattos (bateria) e Jorginho da Silva (contrabaixo) canções que trazem influências do samba, bossa nova e outras vertentes, base dos dois álbuns que assinam. Já Ana de Mag, Jessica Dias e Babi Pacini , revezando-se nas vozes e na percussão, mostrarão criações autorais e do compositor Pedro Ribeirão.

O Quartier Latin é formado por Julia King (voz), Daniel Doctors (contrabaixo e ukulele), Rodrigo Scarcello (teclado e acordeon) e Camilo Zorilla (voz e bateria)

A inusitada mistura entre sonoridades do Brasil e da França será a atração do MCB em 11 de junho, data reservada ao Quartier Latin, formado por Julia King (voz), Daniel Doctors (contrabaixo e ukulele), Rodrigo Scarcello (teclado e acordeon) e Camilo Zorilla (voz e bateria). A plateia ouvirá tanto clássicos de Edith Piaf, Jacques Brel e Serge Gainsbourg, quanto músicas contemporâneas com a quais nomes como Zaz, Bem l’Oncle Soule e Stromae, em arranjos com tempero latino, têm embalado Paris. O programa do Quartier Latin ainda destaca o forró de Dominguinhos, o samba-rock de Simonal e versões francesas de Chico Buarque e Mutantes.

Com edições contínuas entre março e dezembro, o projeto Música no MCB acolhe a cada novo domingo perto de 400 pessoas e desde 1999 já beneficiou mais de 240 mil com acesso gratuito a shows de grupos como Pau Brasil, Zimbo Trio, Projeto Coisa Fina, Orquestra Bachiana Jovem, Grupo Aum, Mawaca e Traditional Jazz Band, entre outros. O prédio fica na avenida Brigadeiro Faria Lima, 2.705, Jardim Paulistano, distrito do bairro Pinheiros, a uma caminhada leve da estação Faria Lima da linha 4/Amarela do Metrô. O terraço é contíguo a uma agradável área verde que acolhe pessoas de várias faixas etárias e ao restaurante que explora refinados serviços de gastronomia, lanches e cafés. Cobra pelo estacionamento interno, mas como estimula o uso de transporte alternativo oferece bicicletário com cadeados gratuitos à disposição para até 42 ciclistas. Para mais informações, há o telefone (11) 3032-3727.

28 de maio: Duo Paccola-Fiori

1. Apanhei-te Cavaquinho (Ernesto Nazareth e Ubaldo)/2. Pagode Doido (Thiago Paccola)/3. Tristeza do Jeca/Mercedita (A. de Oliveira / R. S. Rilo)/4. Encontros (Jocenir Fiori)/5. Baião de 5 (Gabriel Levy)/6. Desvairada (Garoto)/7. Wave (Tom Jobim)/8. Saudades de Matão (Jorge Galati & Raul Torres)/9. Chalana (Luis Carlos Borges e Apparicio S. Rilo)/10. Feira de Mangaio (Sivuca)/11. Lamento Sertanejo (Dominguinhos)/12. Um tom para Jobim (Sivuca e Oswaldinho do Acordeon)/13. O Rio de Piracicaba (Tião Carreiro e Pardinho)/14. Libertango (Astor Piazzola)

 4 de junho,  Duo Camará e Trio Saracuteia Fulô

1.Bonsai (Raphael Amoroso)/2. Tanta Gente (Pedro Ribeirão)/3. Correnteza (Tom Jobim)/4. Samba do Chá (Victor Cremasco e Roberto Federicci)/5. A hora do Samba (Jéssica Dias e Paulo da Rosa)/6. Contramão (Pedro Ribeirão)/7. Tempo de Amor (Vinícius de Moraes e Baden Powell)/8. A Palmeira (Pedro Ribeirão)/9. Sabiá da gaiola (Domínio Público)/10. Chão (Victor Cremasco)/11. Valsa Pra Lua (Raphael Amoroso)/12. Nos bailes da vida (Milton Nascimento)/13. Há Braço (Victor Cremasco)/14. Teimoso (Pedro Ribeirão)/15. Maria Rosa (Victor Cremasco e Raphael Amoroso)/16. A do Feijão (Pedro Ribeirão)/17. Samba de Amanhã (Victor Cremasco e Raphael Amoroso)/18. Ponteio (Edu Lobo)

 11 de junho, Quartier Latin

1.Dans mon ile (Henri Salvador)/2. Couleur Café (Serge Gaisnbourg)/3. Mon manege a moi (Edith Piaf)/4. Belleville Rendez vous (Beatrice Bonifassi)/5. La foule (Edith Piaf)/6. Je ne veux pas travailler (Pink Martini)/7. Tu veux ou tu veux pas (Brigitte Bardot)/8. Joana Francesa (Chico Buarque)/9. La lune (Zaz)/10. J’ai deux amours (Madeleine Peyroux)/11. Je veux (Zaz)/12. La vie en rose (Edith Piaf)/13. Douce France (Charles Trenet)/14. Fibre de Verre (Paris Combo)/15. Ni oui ni non (Zaz)/16. Les mots d’amour (Mayra Andrade)/17. Xodó (Dominguinhos – versão em francês)


Deixe um comentário

947 – Lulinha Alencar e Mestrinho tocam e lançam álbum para Dominguinhos em Sampa

A unidade Pompeia do Sesc da cidade de São Paulo receberá no sábado, 6 de maio, Lulinha Alencar e Mestrinho para lançamento do álbum que ambos gravaram em homenagem a Dominguinhos. ToCantE  reúne em dez faixas criações tanto do cantor e compositor pernambucano que morreu em 2013, como dos próprios Alencar e Mestrinho nas quais estes reverenciam outros mestres que os influenciaram: Chiquinho do Acordeon, Jackson do Pandeiro e Pixinguinha. Richard Galliano, renomado sanfoneiro francês, também subirá ao palco como convidado especial da apresentação, prevista para começar às 21 horas.

Continuar lendo


Deixe um comentário

943- Conheça Paulo Rubens Gimenes, escritor de Franca, autor de O Poeta e o Cantadô/Uma Odisseia Caipira

Minha cantiga é de cantar e alertar/é pelo prazer te ver dançar, voar no ar/(…) é dança antiga para chover/molhar o sertão, teu coração, e o chão (…) voltar ao ar ao ar, ao chão do teu lugar

Cantiga, faixa 2 de O Poeta e o Cantadô/Uma Odisseia Caipira, de Paulo Rubens Gimenes

O Barulho d´água Música voltou às páginas do blogue Terra Brasilis, de Daniel Lamounier, para de lá trazer e compartilhar com amigos e seguidores a dica para baixar e conhecer O Poeta e o Cantadô/Uma Odisseia Caipira, o mais recente álbum do escritor e músico Paulo Rubens Gimenes. Este ótimo disco de 15 faixas é daqueles que exigem “dar um tempo nesta vida louca” (para ser ouvido mais e mais, sem pressa, permitindo-se o encantamento,  saboreando um bom gole de café que lambuza a boca ou como quem ouve prosa boa de compadre, como Paulo Rubens Gimenes bem ensina logo na primeira música, Simples Composto) e acompanha livro de 37 contos e poemas do paulista de Franca, cidade onde nasceu e mora, formou-se em Comunicação Social pela Unifran, cria jingles publicitários e ainda atua como microempresário do ramo de produtos para calçados. Os dois “troncos da mesma raiz”repetem com idêntico sucesso o formato do primeiro combo — o livro de poesias Poemas para Cantar, Músicas para Ler (2010), que também traz encartado um disco, lançado no Centro Médico de França em outubro de 2010 após ser contemplado (depois de muitas tentativas do autor) pelo Programa de Ação Cultural do Governo do Estado de São Paulo (ProAc) e que contou ainda para ir ao prelo e ao estúdio com iniciativas da FM Editorial, situada em São Paulo.

Continuar lendo


1 comentário

897 – Fiel às raízes, Zé Paulo Medeiros (MG) canta valores como a simplicidade caipira no projeto Imagens do Brasil Profundo*

*Com dados informados pelo artista e extraídos do blogue Em Canto Sagrado da Terra e do Dicionário Cravo Albin da Música Brasileira

O cantor e compositor  Zé Paulo Medeiros, mineiro do distrito de São José dos Lopes, nascido ao pé da Serra de Ibitipoca, em Lima Duarte, hoje radicado em São Paulo, é a próxima atração do Imagens do Brasil Profundo, projeto que tem curadoria do professor de Sociologia Jair Marcatti e vem sendo promovido já em sua terceira temporada na Biblioteca Mário de Andrade, situada em São Paulo. Marcatti receberá o artista para a apresentação do show A Cara do Sertão a partir das 20 horas, na quarta-feira, 13, sem cobrança de ingressos. A autenticidade decorrente da fidelidade às raízes, o respeito a valores como simplicidade e sua postura autônoma, de quem não se verga aos ditames do mercado, podem ser apontados como principais valores do seu perfil, tanto artístico, quanto humano.

“Fui criado na roça, onde há festas todos os anos, e tive contatos com a música regional e muita moda de viola, costumes que me influenciaram”, conta Zé Paulo Medeiros. “Neste ambiente peguei pela primeira vez a viola caipira para começar a desenvolver melodias e criar um som ao meu estilo”, emendou. “Depois, com o violão, estudei música alguns anos”, complementa, observando, entretanto, que apenas de maneira informal, pois é formado em Engenharia Topográfica — carreira que não exerce. “Deu no que deu e hoje tenho um projeto mais maduro, com influências do que tivemos tempos atrás.”  

Para Zé Paulo Medeiros o gênero regional é o que mais guarda intimidade com a sonoridade das dez cordas e o que melhor traduz as tradições culturais do caboclo, mas sua formação em busca de uma visão própria para compor encontra suporte, ainda, em ídolos como Geraldo Vandré e Chico Buarque, por exemplo, que permitiram em suas próprias palavras “fazer minha música mais eclética”. Tanto que em suas cantorias ele gosta de deixar a plateia sabendo que ouvirá da moda de viola ao blues à medida em que revisita obras de luminares como Tião Carreiro a Bob Dylan, entre outros.

“Faço parte de um perfil de artistas que buscam a preservação da cultura regional. Minha obra é totalmente voltada ao homem do campo, que substituiu sua pouca cultura pela sabedoria aprimorada, sem perder sua característica principal que é a simplicidade”.

Caminhante e a Cara do Sertão, de 2001 e de 2003, são os álbuns mais conhecidos de Zé Paulo Medeiros — que no entanto estreara em 1982 lançando o álbum em vinil Sei Lá. Em mais de 30 anos de carreira, também produziu Cine Mazzaroppi (indicado ao Prêmio da Música Brasileira, em 2009), além da trilogia Casulo (caixa com três discos individuais com canções representativas da trajetória de três décadas, completada em 2012) e As Aventuras de Pepita (projeto cantado e contado que traz temas e histórias com mensagens de preservação da Natureza). “O Caminhante caracteriza bem a minha influência por esse povo de sutil sabedoria, que é o povo caboclo e caipira, e nas 16 faixas busquei resgatar o valor dessa gente mais humilde, pela qual tenho muito respeito. O título é uma metáfora, talvez de procurar ou de passar em lugares para aprender novas coisas”.

 

Zé Paulo Medeiros atua sempre de modo a preservar a independência pessoal e artística, postura que permite vantagens como direcionar a obra para onde se quer, sem incorrer em riscos inerentes ao da assinatura de contratos viciados por caprichos patronais que obrigam o subordinado a seguir regras de mercado e metas lucrativas discrepantes com a liberdade de criação. “Há muitos esquemas ‘jabalísticos’ em gravadoras que pagam para tocar seus artistas com exclusividade, e como não abraçamos estes ‘esquemas’, acabamos por aparecer pouco, salvo em rádios que tocam nossa música e mostram nosso trabalho. Então o importante não é quantidade de público a ser atingido, nem quantidade de meios de comunicações, mas sim a qualidade deles.”

(Jabalístico vem de “Jabá”, apelido pelas quais são conhecidos os “agrados” que beneficiam como moedas de troca e “molham as mãos” de jornalistas, agentes ou programadores culturais que atendem interesses de determinadas fontes, nem sempre éticos)

Apesar de ao longo da carreira sempre precisar esgrimir contra estas barreiras, Zé Paulo Medeiros já conta com o respeito e acumula prestígio entre os amigos e admiradores dos meios caipira e regional. Para se ter uma ideia do valor de sua obra, basta mencionar que já em 1976 a Campanha da Fraternidade da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) se desenvolveu com base em uma das música dele, Caminhar juntos. Além dos discos, também musicou peças de teatro como O Espantalho e  teve Yanomami incluída na trilha sonora do filme Zezinho, o menino mentiroso“. Em 1999, Jogo de cartas foi a escolhida pelo Grupo Ponteio para o álbum alusivo ao 25º Festival Nacional MPB de Ilha Solteira. Boiadeiro, faixa de A cara do sertão, recebeu 42 prêmios em diferentes festivais de música Este disco contou com a participação especial de Tinoco, da dupla Tonico e Tinoco, homenageado na faixa Viola.

Mergulho no Brasil de dentro

Dedos de prosa, boa conversa, música, imagens, artesanato e cultura popular. Essa é a receita de Imagens do Brasil Profundoprojeto que desde 2014 oferece ao público da Biblioteca Mário de Andrade shows, debates, bate papos musicais e ações para crianças, quinzenalmente sempre às quartas-feiras, com entrada franca sob a batuta do historiador e sociólogo Jair Marcatti. A ideia é mostrar e trazer à luz manifestações populares e objetos que revelam o Brasil por dentro, aquele país que nas palavras do mestre Ariano Suassuna vive escondido em rincões considerados profundos, mas é muito vivo. Ao invés de promover abordagens tradicionais, Marcatti prefere convidar músicos, documentaristas, diretores de cinema, ativistas culturais e pesquisadores da cultura popular que em comum nutrem um modo de olhar aprofundado e amplo sobre o país e trabalhos de pesquisa e resgate das nossas mais entranhadas tradições.

Com cada um dos participantes, Marcatti aborda aspectos do universo cultural e musical  brasileiro, de nossas trajetórias, continuidades e rupturas; daquilo que, sem nenhuma pretensão definidora, poderíamos chamar de identidades brasileiras, no plural, com a vantagem dos exemplos serem pontuados no calor da prosa, ao vivo, pelo som dos instrumentos, muitos artesanais, e pela apresentação de outras formas de expressão cultural.

A Biblioteca Mário de Andrade fica na Rua da Consolação, 94, entre as estações República e Anhangabaú da linha 3 Vermelha do Metrô e para mais informações disponibiliza o número de telefone 11 3775-0002.

 

ninguém está vendo


Deixe um comentário

863 – Morre Fernando Faro, timoneiro e criador do “Ensaio”, programa intimista dedicado à música brasileira

O programa Ensaio ficou sem seu timoneiro e idealizador Fernando Faro, que morreu na noite de domingo, 24 de abril, vítima de infecção pulmonar, aos 88 anos, em São Paulo. Jornalista, produtor musical e diretor também conhecido por Baixo, Fernando Faro dera entrada há três meses acometido por desidratação no hospital onde veio a óbito. O velório se estenderá até por volta das 17 horas quando o corpo deverá ser sepultado no Cemitério do Araçá. De acordo com nota publicada em redes sociais assinada pela produção do programa, o Ensaio começou em 1969, na extinta TV Tupi. Entre 1972 e 1975, virou MPB Especial e passou a preencher a grade da TV Cultura. Ainda nesta canal da Fundação Padre Anchieta, em 1990, retomou o nome original e desde então pôs no ar pelo menos 700 edições. 

Continuar lendo


Deixe um comentário

858 – Fica pronto segundo DVD da Orquestra de Violeiros Terra da Uva (SP), com participações de Rodrigo Delage e João Araújo (MG)

O Barulho d’água Música recebeu  na noite de sexta-feira, 15 de abril, quando havia récem saído do forno e ainda queimava nas mãos, o DVD e o álbum que a Orquestra de Violeiros Terra da Uva (OVTU), de Jundiaí, gravou em 15 de agosto de 2015, no tradicional Teatro Polytheama e contou com as participações dos músicos de Minas Gerais Rodrigo Delage e João Araújo. O repertório das obras, como frisou o regente da OVTU e professor de viola  Daniel Franciscão no início da gravação, permite um passeio por vários estados brasileiros por meio de composições consagradas pelo público de autores como Almir Sater, José Gomes e Paulo Simões; Xavantinho; Luiz Gonzaga e Hervê Clodovil, Patativa do Assaré; Milton Nascimento e Chico Buarque; Ivan Lins e Vitor Martins; Marcos Valle e Paulo Sérgio Valle; Sirlan e Paulo César Pinheiro; Dory Caymmi; Tião Carreiro, Piraci e Lourival dos Santos

Continuar lendo


2 Comentários

857 – Galeria do Sr. Brasil entroniza Dércio Marques (MG) ao lado de músicos notáveis como Noel Rosa e Tom Jobim

Estandarte com a imagem de Dércio Marques foi entronizado ao lado de outros de expoentes da música brasileira de qualidade que decoram as paredes laterais à plateia e ao palco do teatro do Sesc Pompeia, situado em São Paulo, no qual transcorrem as gravações do programa Sr. Brasil, capitaneado por Rolando Boldrin. O querido apresentador sempre gosta de contar ao público antes de começar a receber os convidados a razão pela qual — em trabalho conjunto com sua produção, que tem à frente a esposa, Patrícia Maia, e ainda o sobrinho, Lenir Boldrin — decora o ambiente com as bandeirolas remissivas às congêneres de festas santificadas e relembra fatos e dados sobre a biografia dos homenageado. Boldrin comenta que alguns daqueles artistas que formam o altar póstumo “partiram antes do combinado”, salienta que todos deixaram lacunas e que todos, independentemente do estilo ou vertente musical que representavam, contribuíram de forma irrefutável à cultura popular e à preservação de tradições brasileiras. E antes de dar o “ok” para que entre a primeira atração da noite, pede humildemente aos ídolos que abençoe os trabalhos e todos os envolvidos.

Continuar lendo