1221- Forte, mas sem perder a ternura: Com “Maryákoré”, Consuelo de Paula (MG/SP) volta a erguer a voz frente aos desafios dos nossos tempos*

Sétimo álbum autoral inaugura uma nova assinatura para a cantora, compositora e escritora mineira por meio de dois movimentos que, expressos em dez faixas, traduzem uma arte guerreira e simultaneamente amorosa, que se alimenta da força das brisas e das tempestades em meio às batalhas cotidianas pela vida e pela arte

*Com Verbena Comunicação (Eliane Verbena/João Pedro)

A cantora e compositora Consuelo de Paula está lançando o sétimo disco da carreira, Maryákoré: uma obra provocadora naquilo que tem de mais feminina, mais negra, mais indígena e mais reveladora de nós mesmos. O título pode ser entendido como uma nova assinatura de Consuelo de Paula: maryá (Maria é o primeiro nome de Consuelo), koré (flecha na língua paresi-haliti, família Aruak), oré (nós em tupi-guarani), yakoré (nome próprio africano). Um exemplar do disco de 10 faixas já está rolando aqui na vitrolinha do boteco do Barulho d’água Música, em São Roque, cidade do Interior de São Paulo, pelo qual agradecemos às queridas amigas Consuelo e Eliane Verbena, da Verbena Comunicação, estabelecida na cidade de São Paulo (SP).

Além de assinar letras e músicas – tendo apenas duas parcerias, uma com Déa Trancoso e outra com Rafael Altério -, Consuelo é responsável pela direção, pelos arranjos, por todos os violões e por algumas percussões de Maryákoré (caixa do divino, cincerro, unhas de lhama, entre outros). A harmonia entre Consuelo e sua música, sua poesia, sua expressão e a estética apresentada é nítida nesse novo trabalho. Ao interpretar letras carregadas de imagens e sensações, ao dedilhar os ritmos que passam por Minas Gerais e pelos sons dos diversos “brasis”, notamos a artista imersa em sua história: ela traz a vida e a arte integrada às canções.

Continue Lendo “1221- Forte, mas sem perder a ternura: Com “Maryákoré”, Consuelo de Paula (MG/SP) volta a erguer a voz frente aos desafios dos nossos tempos*”

1211 – Wallace Oliveira Trio abre turnê paulista com concerto gratuito na Casa de Cultura Ipiranga*

Proposta dos músicos  é apresentar a versatilidade da guitarra portuguesa, acompanhada por violão e percussões, com repertório que vai do rock à milonga, da world music ao baião em uma narrativa musical que une o tradicional ao contemporâneo, parte do repertório do álbum lançado em 2018 com concorridas apresentações além-mar

Com Eliane Verbena, da Verbena Comunicação

Após turnês de sucesso em Portugal, o Wallace Oliveira Trio traz a versatilidade da guitarra portuguesa, instrumento tradicional do fado, para espaços da cidade de São Paulo, em quatro concertos gratuitos neste mês e em agosto, e ao 19º Festival de Inverno de Paranapiacaba (FIP), em Santo André (SP). Formado por Wallace Oliveira (guitarra portuguesa), Sérgio Borges (violão de sete cordas) e Adriano Busko (percussão), o trio tocana Casa de Cultura Ipiranga, neste domingo, 21 de julho, às 16 horas. Duas apresentações no FIP estão previstas para uma semana depois, no dia 28 de julho: a partir das 15 horas, no Palco Mercado, e, depois acompanhada pela fadista luso-brasileira Ciça Marinho, no Palco Rua Direita, às 18 horas. Wallace, Borges e Busko regressarão à Capital para novas rodadas em 16 , 21 e 23 de agosto (ver a guia Serviços)

Continue Lendo “1211 – Wallace Oliveira Trio abre turnê paulista com concerto gratuito na Casa de Cultura Ipiranga*”

1134 – Luiz Ayrão comemora 50 anos de carreira com apresentação no Sesc Belenzinho (SP)*

Autor de consagrados sucessos que embalam várias gerações como Lencinho, Porta Aberta e Bola Dividida tem músicas gravadas por ícones da música como Roberto Carlos,  Bethânia, Diogo Nogueira e Nana Caymmi
*Com Eliane Verbena, Verbena Comunicações

O sambista carioca autor de clássicos da música brasileira Luiz Ayrão comemorará 50 anos de carreira protagonizando o Show de Sucessos nesta sexta-feira, 14 de dezembro, na unidade Belenzinho do Sesc da cidade de São Paulo.  A apresentação integra o projeto Salve Samba! e está programada para a Comedoria da Unidade, a partir das 21 horas. Aos 76 anos, Ayrão é um dos artistas mais importantes de sua geração: intérprete e autor de sambas memoráveis e clássicos românticos – gravados por Roberto Carlos, Maria Bethânia, Vanessa da Matta, Zeca Baleiro, Diogo Nogueira e Nana Caymmi -, o nome dele está ligado à história musical brasileira desde a década dos anos 1960.

Continue Lendo “1134 – Luiz Ayrão comemora 50 anos de carreira com apresentação no Sesc Belenzinho (SP)*”

1130 – Ednardo (CE) rememora “Romance do Pavão Mysterioso” em duas rodadas, no Sesc Belenzinho (SP)*

Cantor e compositor que já conta com 45 anos de trajetória volta à São Paulo para apresentar com sua banda repertório do seu mais famoso disco, cuja faixa-título é inspirada em um clássico folhetim da literatura de cordel
* Com Eliene Verbena, Verbena Comunicações

A unidade Belenzinho do Sesc da cidade de São Paulo reservou o palco de seu teatro para as apresentações de Ednardo, um dos mais aclamados cantores e compositores do país. Natural de Fortaleza (CE), Ednardo e a banda de sete músicos que o acompanham – entre os quais o violeiro Manassés de Sousa, que participou da gravação do disco e assina trabalhos importantes da música brasileira desde a década dos anos 1970 — serão atração nos dias 1º e 2 de dezembro para relembrarem, na íntegra, as músicas do primeiro e mais famoso disco dele, Romance do Pavão Mysteriozo (veja detalhes na guia Serviços). Os shows integram o projeto Álbum da unidade, pelo qual o Sesc visa a remontar a memória da música brasileira por meio de registros fonográficos.

Continue Lendo “1130 – Ednardo (CE) rememora “Romance do Pavão Mysterioso” em duas rodadas, no Sesc Belenzinho (SP)*”

1123- Zé Guilherme lança “Alumia”, álbum com sonoridade acústica e músicas autorais

O cantor e compositor cearense radicado em São Paulo chega ao quarto álbum e comemora o amadurecimento artístico aos 20 anos de carreira *

* Com Eliane Verbena

Após lançar, em 2015, um disco em homenagem ao “cantor das multidões”,  Orlando Silva, o cantor Zé Guilherme  deixou de lado o viés confortável de ser “apenas” intérprete para lançar Alumia,  seu quarto álbum, com repertório em sua maioria de músicas autorais. Cearense radicado em São Paulo, Zé Guilherme conta: “Nunca tive pretensões de ser um compositor, pois meu ofício maior é o de cantor. A poesia é um exercício que me acompanha desde a adolescência, mas só agora, depois de 20 anos de dedicação à música, eu me sinto mais à vontade para mostrar também o meu lado autoral.”

Continue Lendo “1123- Zé Guilherme lança “Alumia”, álbum com sonoridade acústica e músicas autorais”

1112 – Bernardo Pellegrini (PR) lança em São Paulo “Outros Planos”, com Alzira E e Edvaldo Santana*

O álbum revela o manancial criativo do cantor e compositor e um cancionista maduro e intenso, que redefine afro-brasilidades, jazz e ritmos latinos, consolidando sua assinatura musical e sua estética autoral

O cantor e compositor Bernardo Pellegrini (PR) será atração nesta sexta-feira, 28, da unidade paulistana Belenzinho do Sesc, onde ocupará o palco a partir das 21 horas para lançamento de Outros Planos, sexto álbum da carreira. Com seu violão, Pellegrini cantará acompanhado pelo Bando do Cão Sem Dono, formado por Edu Batistella (bateria e vocal), Hermano Pellegrini (guitarra e vocal), Filipe Barthem (contrabaixo e trompete), Sofia Pellegrini (sax e vocal) e Emilio Mizão (guitarra e violão). Como convidados para abrilhantar a apresentação, ele receberá Alzira E. e Edvaldo Santana (ver a guia Serviços).

Continue Lendo “1112 – Bernardo Pellegrini (PR) lança em São Paulo “Outros Planos”, com Alzira E e Edvaldo Santana*”

749 -Comemore em Sampa, em show com entrada franca, os 80 anos de Alaíde Costa (RJ)!

alaide trio
Alaíde Costa chega aos 80 anos cantando, há 60, sucessos dela e de compositores e parceiros como Milton Nascimento e Consuelo de Paula (Foto: Divulgação)

No dia 8 de dezembro, a intérprete e compositora Alaíde Costa (Rio de Janeiro/RJ) completará 80 anos de vida, dos quais 60 inteiramente dedicados à música brasileira. Para marcar a data, Alaíde Costa protagonizará show gratuito neste domingo, 6 de dezembro, a partir das 19 horas, no Teatro Décio de Almeida Prado (São Paulo), acompanhada pelo parceiro de palco, o pianista e arranjador Giba Estebez. Em Alaíde Costa – 80 Anos, a aniversariante mostrará que o tempo não maculou a sua voz e o seu talento como intérprete, mas ao ouvi-la relembrar os momentos mais relevantes de sua carreira é a plateia quem ganhará o presente: estarão no repertório composições próprias como Você é Amor (parceria com Tom Jobim); Amigo Amado (com Vinícius de Moraes); Banzo ( com José Márcio Pereira); e Meu Sonho (com Johnny Alf), entre outras músicas de autores consagrados.

Alaíde Costa, aliás, há alguns dias já nos dera o presente ao lançar Porcelana, álbum em parceria com Gonzaga Leal  (Serra Talhada/PE) que entre releituras de canções de Caetano Veloso e Orlando Morais (Divinamente Nua, a Lua), Alceu Valença (Solidão), Capiba (Quando Se Vai um Amor), Fim do Ano (Zé Miguel Wisnik e Swami Jr.),  do português Zeca Afonso (O Meu Menino é D’Oiro) traz maravilhas como Porcelana (Moisés Santana), Delicado (Socorro Lira) e de Consuelo de Paula Água Doce no Mar e Bem me Quer — esta uma parceria de Consuelo com o conterrâneo, Luiz Salgado, e o eterno mestre Rubens Nogueira. Porcelana vem arrancando merecidos elogios, como o do músico, maestro e arranjador Jaime Além que escreveu ter sentido uma “flecha certeira no peito”, pois”há muito tempo um disco não me impactava tanto”. As palavras de Consuelo de Paula, entretanto, sintetizam no encarte exatamente o que o álbum traz de bom para a música brasileira:

12274750_1516742688640491_1449912290569037612_n

Porcelana (Consuelo de Paula)

Houve um tempo em que eu só conseguia ler a poesia de Cora Coralina.
Era um tempo difícil e histórias como as do prato azul-pombinho salvavam o meu dia.
O prato era uma raridade, uma porcelana herdada pela família da então pequenina Cora
Eis que um dia a peça amanheceu quebrada e mesmo sem ser a autora, Coralina recebeu dura repreensão pelo acontecido.
Porcelana é palavra mesmo de histórias, é palavra de refinamento, é palavra de arte.
Porcelana esconde mistérios e revela o que tem que ser revelado.
Assim é o álbum que reúne Alaíde Costa e Gonzaga Leal entre canções amorosas, entre instrumentistas e arranjadores que sabem escrever notas sobre finas louças, entre poesias que expressam o visível e o invisível das linhas claras e coloridas pousadas sobre o branco.
Assim é o cd destes dois artistas que celebram a amizade com um presente: surpreendentes traços tingidos com duas vozes de diferentes gerações interpretando compositores também de várias gerações – um ciclo onde na verdade não se sabe mais o que é anterior ou posterior, mas onde tudo parece nascer neste instante.
E como se Gonzaga enviasse um convite para Alaíde em forma de uma linda caixa florida amarrada com fitas azuis – dentro dela as mais raras porcelanas: oferendas pelos oitenta anos da nossa diva – e Alaíde respondesse apenas com o que mais fez e quer fazer em sua vida: cantar!
E desta vez cantar ao lado de outro artista que também dedica sua vida à música e faz agora, em nome de todos nós, esta festa de comemoração: uma reunião como se estivéssemos sempre juntos, além do espaço e do tempo.
A beleza deste encontro é tanta que milagrosamente refaz os desenhos existentes no prato azul-pombinho da Cora Coralina, pois o que importa é a beleza que guardamos em nossos olhos, em nosso coração e alma.
E ouvir o encontro entre Alaíde Costa e Gonzaga Leal é sentir o pássaro do divino pousando sobre nós.

12109321_1501803030134457_2521418997465335248_n
Alaíde Costa com Gonzaga Leal, parceiro de Porcelana (Foto: Divulgação)

Mais sobre Alaíde Costa, por Deborah e Eliane Verbena

Nascida no Rio de Janeiro em 8 de dezembro de 1935, Alaíde Costa iniciou sua carreira profissional em 1955, como crooner, no Rio de Janeiro. Em 1959, levada por João Gilberto, conheceu os compositores da bossa nova, quando gravou seu primeiro LP. Participou do programa o Fino da Bossa (TV Record/SP), interpretando Onde Está Você (Oscar Castro Neves e Luverci Fiorini), canção que se tornou emblemática em sua carreira. Em 1965, lançou o LP Alaíde Costa e, em 1972, gravou em dueto com Milton Nascimento a faixa Me Deixa em Paz (Airton Amorim e Monsueto), incluída no LP Clube da Esquina. Em 1988, lançou Amiga de Verdade, com participações de Paulinho da Viola, Milton Nascimento, Ivan Lins e Egberto Gismonti; e em 1995, o  Alaíde Costa & João Carlos Assis Brasil.

A discografia ainda conta com Falando de Amor (2000) gravado em Paris, tendo no repertório as canções Amor é Outra Liberdade (Sueli Costa e Abel Silva) e Tudo se Transformou (Paulinho da Viola), além da faixa-título (Tom Jobim e Vinicius de Moraes). Em 2003, apresentou-se em Londres com Johnny Alf, no London Jazz Festival. Dois anos depois, lançou, no Theatro São Pedro (SP), Tudo Que o Tempo me Deixou, produzido por Antônio Carlos Vidigal e que marcou os seus 50 anos de carreira. No mesmo ano, foi contemplada com o Prêmio Rival Petrobras da Música como Melhor Cantora, e ainda participou, ao lado de Elza Soares e Jair Rodrigues, do show Brasil Brasileiro, apresentado em Paris e Toulouse no encerramento do Ano do Brasil na França. Em agosto de 2006, retornou à Europa para apresentações do mesmo espetáculo na Espanha, Áustria, Alemanha e Inglaterra.

Em 2007, veio volume II da parceria da cantora com João Carlos Assis Brasil e, dois nos depois novo CD em homenagem ao amigo e parceiro Milton Nascimento. Já  em 2012 gravou disco dedicado ao também amigo e parceiro Johnny Alf; em 2013 reverenciou o centenário de nascimento de Vinícius de Moraes com o show Alaíde Canta Vinícius, apresentando-se em teatros do Sesi e interpretando a obra do “poetinha” musicada por alguns dos seus célebres parceiros, entre eles a própria Alaíde Costa. Em 2014, lançou o álbum Canções de Alaíde, o primeiro da carreira formado somente por composições próprias, algumas em parceria com importantes nomes como Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Geraldo Vandré, Johnny Alf, João Magalhães, Hermínio Bello de Carvalho, Paulo Alberto Ventura e José Márcio Pereira. Alaíde acabou de gravar em São Paulo um DVD em comemoração aos seus 80 anos; e, juntamente com o violonista Toninho Horta, lançou Alegria É Guardada Em Cofres Catedrais.

Serviço

Show: Alaíde Costa – 80 Anos
Dia 6 de dezembro. Domingo, às 19h
Teatro Décio de Almeida Prado
Rua Cojuba, 45 – B. Itaim Bibi/SP. Tel: (11) 3079-3438
Grátis – ingressos na bilheteria 1 hora antes do show de 60′ e classificação livre

soups

614 – Fred Martins lança na Sala Funarte (RJ) “Para Além do Muro do Meu Quintal”, gravado em Portugal

fred martins

A Sala Funarte Sidney Miller, localizada no Centro do Rio de Janeiro, será o palco para o cantor e compositor Fred Martins lançar Para Além do Muro do Meu Quintal, em show marcado para a quinta-feira, 20 de agosto, a partir das  19 horas, com ingressos a preços populares. Fred Martins vai se apresentar acompanhado pelo violoncelista Lui Coimbra, além do saxofonista Marcelo Martins. Para Além do Muro do Meu Quintal foi  gravado em Lisboa, Portugal, com produção musical do pianista e arranjador açoriano Paulo Borges e participações especial dos cantores Renato Braz e da cabo-verdiana Nancy Vieira . O título remete a um verso de Alberto Caeiro, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, extraído do poema  Noite de São João

Continue Lendo “614 – Fred Martins lança na Sala Funarte (RJ) “Para Além do Muro do Meu Quintal”, gravado em Portugal”