1455- Heraldo do Monte (PE) ganha publicação com sua história, obras em partituras e coletânea em disco

#MPB #Violão #ViolãoInstrumental #Viola #QuartetoNovo #Recife #InstitutoÇare

O músico pernambucano Heraldo do Monte tem uma carreira tão extensa quanto importante para a história da música popular brasileira instrumental.  Aos 85 anos, o músico ganha agora uma publicação dedicada à sua obra: As cordas livres de Heraldo do Monte. O livro traz a sua história e a maneira como ela se confunde com a própria história da guitarra elétrica no Brasil. Traz também o conjunto completo de sua obra em partituras, além de um álbum coletânea que esboça sua trajetória musical. A publicação é a primeira da série Brasil de Dentro, criada pelo Instituto Çarê para sistematizar, editar e difundir obras de compositores brasileiros, e conta com a parceria da editora Contraponto. 

Continuar lendo

1421 – Canções de Elomar Figueira Mello serão interpretadas em concerto ao vivo na Casa Museu Ema Klabin(SP)*

#MPB #CulturaPopular #Elomar #MúsicaRegional #CasaMuseuEmaKlabin #SãoPaulo #SP

*Com Cristina Aguilera

Tiago Fusco e Verlucia Nogueira abordam a obra do compositor no show Estradar. O CD homônimo da dupla contou com a direção artística de João Omar, filho e parceiro musical de Elomar

Neste sábado, 7 de agosto, a partir das 16h30, a Casa Museu Ema Klabin, situada na cidade de São Paulo, terá como atração do programa #TardesMusicaisEmCasa o duo Tiago Fusco e Verlucia Nogueira. Direto da Casa Museu, com transmissão pelo seu canal do YouTube, a dupla apresentará Estradar,  um concerto que promove um mergulho investigativo e criativo na música do poeta e compositor Elomar Figueira Mello.

Tiago Fusco e Verlucia Nogueira, que lançaram recentemente pelo selo SESC um álbum com canções de Elomar homônimo ao concerto, abordam a obra do compositor a partir de uma formação inédita para este cancioneiro: o piano e a voz feminina. No repertório, eles brindam os admiradores do baiano com clássicos como Bespa, Cavaleiro Do São Joaquim, A Pergunta , Curvas Do Rio, O Pidido, Clariô, História De Vaqueiros, Cantada , Função , Campo Branco , Retirada, Incelença Pro Amor Retirante e Na Quadrada Das Águas Perdidas.

Continuar lendo

1272 – Selo Sesc lança “Estradar”, disco de Verlucia Nogueira e Tiago Fusco com releituras da obra de Elomar (BA)

A voz firme e natural da cantora cearense se alia ao piano nítido e preciso do paulista para, juntos, construírem novas interpretações e diálogos com a obra catingueira do sertanez, promovendo fascinante viagem camerística pelo cancioneiro do baiano e suas canções de amor, lamentos de retirantes, histórias de vaqueiros, festas, bênçãos, lugares perdidos

O Selo Sesc está vendendo nas lojas físicas de suas unidades e também pela virtual o álbum Estradar, disco no qual a cantora cearense de Juazeiro do Norte, Verlucia Nogueira, e o pianista paulista de Leme, Tiago Fusco, interpretam 13 canções de Elomar Figueira Mello, com direção artística de João Omar, filho do cantor e compositor sertanez de Vitória da Conquista (BA) e um dos mais geniais artistas da cultura popular brasileira de todos os tempos. Em outubro, por ocasião do lançamento de Estradar, o Sesc publicou em sua seção online Conteudoteca a matéria que seguirá abaixo e em cujo corpo as músicas podem ser apreciadas. O disco também está disponível nas plataformas digitais e pode ser baixado, em versão MP3, do blogue Terra Brasilis.

Continuar lendo

1191 – Titane (MG) apresenta no Tusp, em curta temporada, álbum gravado para celebrar a obra de Elomar (BA)

Mineira se embrenha nas estradas do menestrel que nos levam ao sertão profundo e inova mais uma vez ao se dedicar de forma inédita a gravar repertório de um único compositor

A audição matinal de todos os sábados aqui no boteco do Barulho d’água Música começou neste dia 18/5 com Titane canta Elomar – Na Estrada Das Areias De Ouro, que a cantora e intérprete mineira de São João Del Rey lançou para celebrar a obra do menestrel baiano Elomar Figueira Mello e cujo repertório ela apresentará em curta temporada a partir de 30 de maio, no Teatro da Universidade de São Paulo (Tusp). O disco tem (apenas!) 10 faixas e ao final dele fica um gostinho de “quero mais”, bate a vontade de não mais se desplugar de uma das plataformas de streaming nas quais está disponível (Spotify, Deezer, Amazon, Apple Music, Youtube, Napster, Claro Música, Google Play). E ter o álbum físico em mãos é ainda melhor, pois é como tocar em uma moeda rara de rico tesouro, adornado por um primoroso encarte.

Continuar lendo

1085 – Canção do Amor Distante, de Ana Salvagni e Eduardo Lobo, celebra os sentimentos presentes na saudade

Disco gravado em 2016 rememora canções clássicas de autores como Tom Jobim, Dominguinhos & Anastácia, Paulo César Pinheiro, Adoniran e Elomar
Marcelino Lima

A redação do Barulho d’água Música, caso fosse o estúdio de uma emissora de rádio, só tocaria boa música, pois, diariamente, baixam em nosso boteco, enviados de várias partes do Brasil, álbuns excelentes. O mais recente e que estamos tocando agora é Canção do Amor Distante, que Ana Salvagni e Eduardo Lobo lançaram em 2016. O amor ausente deixa saudade e melancolia e é tema universal e atemporal encontrado em todas as formas de criação artística. A nostalgia, o amor e a tristeza presentes na “saudade” são elementos propulsores para o artista que, por meio de sua criação, pode dar forma e vazão a estes sentimentos que o atormentam, ainda que, muitas vezes, a canção gerada não seja, necessariamente, triste. Na canção popular brasileira o amor distante é cantado desde sempre, vestido de roupagem diversa, tantas vezes com leveza, despojamento, lirismo e refinamento. Além disso, o tema é valorizado pela grande riqueza melódica, rítmica e harmônica das composições, ao longo de todo esse tempo.

Continuar lendo

1031 – Visite o blogue Eu Ovo, baixe grátis cem discos e conheça os dois ótimos trabalhos do Sertanília (BA)

Grupo de Salvador fundado há oito anos é um dos destaques do Barulho d’água entre os álbuns disponibilizados para downloads no site que traz expoentes da música nacional e muita gente boa “fora da caixinha” 

Marcelino Lima

O blogue Eu Ovo publicou em fevereiro uma retrospectiva de 100 álbuns disponibilizados para serem baixados “no vasco” por cantores, duplas e bandas, a maioria situada fora do quadradinho e se criando pelas próprias pernas, longe dos palcos que formam o circuito considerado top — o que poderíamos aqui tratar por jet set, aquele meiozinho calhorda e sacana no qual distribuir e receber jabá é mais antigo que a Ave Maria. A sexta lista anual do veículo que resiste na blogosfera desde 2006, traz, também, entre tantas e ótimas opções, nomes que já começam a merecer mais atenção e estão saindo do ostracismo como Juçara Marçal, que contribui com Sambas do Absurdo, coproduzido com o compositor Rodrigo Campos e o produtor Gui Amabis. Com canções de Campos a partir de letras de Nuno Ramos, o coordenador do Eu Ovo destaca que Sambas do Absurdo “já pode ser considerado como novo clássico da música brasileira”. Alberto Salgado, vencedor no ano passado do 28º Prêmio da Música Brasileira com Cabaça d’água (melhor disco da categoria Regional) também está presente, ao lado de outros candangos da hora como Túlio Borges (Cutuca Meu Peito Incutucável) e Nathália Lima (Flor do Tempo). Continuar lendo

Pedro Antônio recebe João Bá e Levi Ramiro no Teatro Rondon Pacheco, em Uberlândia (MG)

arte levi e joão bá

Levi Ramiro e João Bá: talento, alegria e músicas que retratam as belezas do sertão e do universo caipira em Uberlândia/MG (Fotos: Marcelino Lima)

Em mais uma edição de seu projeto de encontro com expoentes da música regional brasileira no Teatro Rondon Pacheco (Uberlândia/MG) o cantor e compositor Pedro Antônio receberá a partir das 20 horas da noite de sábado, 18 de junho, um de seus grandes mestres, com o qual aprendeu a arte de compor tendo como principal instrumento a natureza e sua infinidade de sons: o poeta João Bá (Crisópolis/BA). Para tornar  ainda mais iluminada esta cantoria, o anfitrião receberá, também, o talentosíssimo artesão Levi Ramiro (Uru/SP), um dos maiores nomes da viola em nosso país. Parceiros de cantigas, afinados na vida e na arte com carinho e admiração mútua, o trio apresentará uma sintonia que escancara essa amizade entre mestres e discípulos no palco que fica na Avenida Santos Dumont, 157, Centro.

Continuar lendo