1225 – Instituto CPFL e produtora Kuarup lançam selo dedicado à música contemporânea brasileira 

Catálogo conversa com obra e conceitos do modernista Mário de Andrade e reúne gravações com André Mehmari, Renato Braz, Marília Vargas, Thibault Delor e Quarteto Camargo Guarnieri, entre outros expoentes da moderna música que o país e músicos estrangeiros vêm produzindo

O Instituto CPFL, ligado ao grupo CPFL Energia (Companhia Paulista de Força e Luz), em parceria com a Kuarup — premiada produtora cultural independente que tem em seu acervo obras de, entre outros, Villa-Lobos, Baden Powell, Renato Teixeira, Paulo Moura e Xangai está lançando um novo selo, dedicado à música contemporânea brasileira. Disponível nas plataformas digitais, o catálogo do selo Instituto CPFL & Kuarup possui, ao todo, 12 álbuns de concertos realizados no programa Música Contemporânea, única série brasileira regular de concertos que contemplam a música do nosso tempo, sempre aos sábados, na Sala Umuarama do Instituto CPFL, em Campinas, disponibilizados no sítio eletrônico e transmitidos aos domingos pela Rádio Cultura FM de São Paulo (FM 103,3 MHz).

Os álbuns reúnem apresentações de grandes intérpretes da música brasileira e mundial tais como os pianistas Paulo Henrique Almeida e André Mehmari, a soprano Marília Vargas, o contrabaixista Thibault Delor, o cantor Renato Braz e grupos como o Quinta Essentia Quarteto, o Quarteto Camargo Guarnieri, o Quaternaglia e a Camerata Latino-Americana. As gravações são de 2015.

Em mais de 16 anos de atividades, o Instituto CPFL, através de seu programa Música Contemporânea, promoveu diversos concertos e estreias mundiais de alguns dos maiores intérpretes da música de nosso tempo“, disse Mário Mazzilli, diretor-superintendente do Instituto CPFL. “Surgiu assim um dos raros e mais longevos programas regulares de música contemporânea, um espaço de experimentação e ampliação da experiência sensorial que só a canção é capaz de produzir”, emendou Mazzilli . Nada mais justo que o resultado de parte desses encontros, sempre gratuitos em nossa sede em Campinas, seja agora disponibilizado a todos nas plataformas de streaming.” 

Sobre os Álbuns:

Engenho Novo – Marília Vargas e André Mehmari

Gravado em 09/05/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL. 

Marília Vargas: soprano, André Mehmari: piano. 

Em sua busca incessante pela essência da música brasileira, Mário de Andrade pesquisou os sons do país de Norte a Sul, construiu um arcabouço teórico justificando a opção nacionalista em arte e, em seu caso, sobretudo na música de invenção. Passados 70 anos da morte de Andrade, esta apresentação se debruçou sobre a realidade musical brasileira atual a partir de suas reflexões, mostrando a produção dos compositores que seguiram a cartilha do autor de Macunaíma. André Mehmari recria o texto musical dos acompanhamentos de canções muito conhecidas. O primado é da voz meta perseguida por Mário de Andrade, determinado a estabelecer as bases do canto em português.

Solista da Camerata Latino-Americana – Thibault Delor

Gravado em 12/09/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL

Thibault Delor: contrabaixo 

Um concerto solo de piano ou mesmo de violino, seria usual. Entretanto, a proposta de um concerto solo para contrabaixo é inusitada. Neste contexto, Thibault Delor, um francês apaixonado pela música brasileira, conduz os ouvintes pelas praias nacionalistas por onde caminham Francisco Mignone e Claudio Santoro até chegar em John Contrate. Villa-Lobos e Fernando Pessoa são os anfitriões desta programação.

Canela: as Músicas da América Latina – Renato Braz e Quarteto de Violões Maogani

Gravado em 10/10/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Renato Braz: voz, violões: Carlos Chaves, Marcos Alves, Paulo Aragão e Sergio Valdeos 

A música popular da América Latina foi construída com ingredientes de diversas procedências, que misturados às cores e ao jeito de cada povo fizeram surgir uma infinidade de ritmos e gêneros. Um roteiro musical que sai do Brasil e passa pela Argentina, Chile, Paraguai, Peru, Colômbia, Venezuela e Cuba muitas destas canções e melodias constituem produtos das matrizes que encantaram Mário de Andrade, em seu ideário de construção de uma música nacional brasileira a partir da realidade latino-americano, distanciando-se das matrizes europeias.

Música Para Sopros de Nielsen – Quinteto de Sopros de São Paulo

Gravado em 14/03/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL

Alexandre Silvério: fagote, Joel Gisiger: oboé, José Ananias Souza Lopes: flauta, Nikolay Alipiev: trompa, Sergio Burgani: clarinete.

Um concerto construído em torno da obra camerística mais famosa, e ainda assim raramente tocada, de Carl Nielsen: o seu quinteto de sopros, criação da sua plena maturidade. As demais obras gravitam no universo da música da primeira metade do século 20. Como as variações Sérias do carioca Ronaldo Miranda sobre uma melodia de Anacleto de Medeiros, o divertido Scherzo do francês Eugene Bozza, especialista na escrita para sopros ou as igualmente bem-humorada Three shanties do britânico Malcolm Arnold. Uma pequena gema do italiano Nino Rota, mundialmente conhecido pelas trilhas de cinema para Federico Fellini, antecede as duas peças finais assinadas por Nielsen: primeiro a encantadora Children are playing para flauta solo; e em seguida o quinteto, obra-prima da música para sopros no século 20.

Falando Brasileiro – Quinta Essentia Quarteto

Gravado em 24/10/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Flauta doce: Felipe Araújo, Fernanda de Castro, Gustavo de Francisco e Renata Pereira

Fazer música de câmara com flautas doces é transitar no velho e no novo mundo das expressões musicais. No Brasil, a relação com o antigo nos fascina pelo risco criativo que corremos em nossas interpretações de um texto musical: esta é a profissão de fé artística do Quinta Essentia. Em Falando Brasileiro há muitas criações originais para flautas doces e arranjos de melodias consagradas que fazem parte do imaginário popular brasileiro. Esta mistura entre a matriz europeia e as cores dos sons nacionais espalhados pelo país reflete-se nas suítes e quartetos do argentino Eduardo Escalante, que veio para São Paulo aos 12 anos, em 1949 e naturalizou-se brasileiro, sendo aqui aluno de Camargo Guarnieri; do gaúcho Bruno Kiefer; e do petropolitano César Guerra-Peixe, que transitou pela vanguarda experimental e também pelo nacionalismo preconizado por Mário de Andrade. 

Músicas do Brasil Para Quarteto de Sopros – Ensemble Brasileiro de Música Moderna

Gravado em 14/11/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Filipe de Castro: flautas, Eduardo Freitas: clarinetes, Douglas Braga: saxofones, Osvanilson Castro: fagote. 

Flauta, clarinete, saxofone e fagote são instrumentos que integram a orquestra sinfônica à europeia, mas também as bandinhas espalhadas pelos coretos dos quatro cantos do Brasil. É este Brasil multicolorido, filtrado pela criação de grandes compositores, de ontem e de hoje, que compõe o programa deste concerto. Entre os do passado, Heitor Villa-Lobos, o criador que mais personificou o ideal artístico perseguido por Mário de Andrade. A seu lado, César Guerra-Peixe, que num gesto corajoso mergulhou nas músicas populares do Recife (PE) e de lá saiu com uma nova agenda estética, a do nacionalismo tal como pregado por Mário de Andrade. Entre os criadores atuais, o saxofonista Douglas Braga, integrante do Ensemble Brasileiro de Música Moderna, assina duas composições de sabor bem brasileiro.

O Quaternaglia: solos de violão para o orixá da justiça, do trovão, dos raios e do fogo.  Foto: Gal Opido

Xangô – Quaternaglia

Gravado em 28/11/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Chrystian Dozza: (violão Sérgio Abreu, 2012, nº 621), Fábio Ramazzini: (violão Sérgio Abreu, 2002, nº 474), Thiago Abdalla: (violão Sérgio Abreu, 2002, nº 463), Sidney Molina: (violão 7 cordas Sérgio Abreu, 1997, nº 359). 

Um grande arco histórico da criação brasileira em sentido amplo, em arranjos especiais para quarteto de violões. O concerto Brasileira, em arranjo de João Luiz, e as Bachianas Brasileiras nº 9, arranjadas por Thiago Tavares e o Quaternaglia. A suíte de Ronaldo Miranda, Canção sem fim, de Sérgio, irmão de Sidney Molina, uma peça de um dos integrantes do quarteto, Chrystian Dozza (Sobre um tema de Egberto Gismonti), três criações de João Luiz dedicadas ao grupo e Maracatu da Pipa, de Paulo Bellinati, completam a apresentação de um dos mais destacados quartetos de violões brasileiros, com intensa atuação no exterior. Xangô remete a uma obra de Almeida Prado, um dos artistas mais interessantes da música clássica brasileira na segunda metade do século 20. Almeida Prado compôs Xangô para piano e utiliza o Canto de Xangô, breve tema transcrito por Mário de Andrade no Ensaio sobre a música brasileira. Na tradição iorubá, xangô é o orixá da justiça, do trovão, dos raios e do fogo. 

A Música Para Violino e Piano de Nielsen e Sibelius – Maria Fernanda Krug e Karin Fernandes

Gravado em 28/03/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL

Maria Fernanda Krug: violino, Karin Fernandes: piano.

Sibelius, Nielsen e Richard Strauss são conhecidos por suas obras  sinfônicas. São raras as chances de se ouvir suas obras camerísticas. Sibelius gostaria de ter sido violinista; não se firmou como instrumentista, mas transformou o violino numa de suas preferências. Além de um belo concerto, ele compôs obras como esta densa sonatina. Já Nielsen era violista de profissão, conhecia profundamente as cordas. E sua escrita revela essa intimidade com o instrumento. Já a sonata de Richard Strauss, de 1888, foi uma espécie de adeus à música de câmara. Uma sonata de ambições orquestrais.

As Vozes Íntimas de Jean Sibelius – Quarteto Camargo Guarnieri

Gravado em 25/04/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Violinos: Elisa Fukuda e Ricardo Takahashi, Silvio Catto: viola, Joel de Souza: violoncelo. 

O quarteto Vozes Íntimas é a única obra de música de câmara de grandes ambições da maturidade de Sibelius. O Adagio di molto é seu centro de gravidade. Ele escreveu, sobre três acordes pianíssimo em mi menor, a expressão latina voces intimae, daí o título, confirmado em carta: “Estas vozes íntimas transportam para o além”. Seu biógrafo Tawaststjerna fala em longínquos murmúrios de um mundo remoto. De fato, Sibelius parece fazer um corpo-a-corpo no limite do silêncio.  O adagio também é o tempo escolhido por Anton Webern para o movimento de quarteto escrito em 1905, quando ele era aluno de Schoenberg. O quarteto número 2 de Guarnieri é um exemplo de sua maestria no gênero. 

O Piano de Carl Nielsen – Paulo Henrique Almeida

Gravado em 11/04/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL

Paulo Henrique Almeida: piano

O dinamarquês Carl Nielsen era pianista amador. Fez sua fama como sinfonista, mestre das grandes formas. Mas, embora pequena, sua produção para piano é bastante significativa. A Chacona, o Tema e variações e a Suíte foram compostos entre 1916 e 1919; e as três peças, nove anos depois. São, portanto, peças da maturidade. O pesquisador francês Guy Sacre qualificou as três primeiras como “obras-primas da música para piano do século 20”. Até onde se sabe, não há notícia de que tenham sido publicamente tocadas no Brasil antes desta noite.

Câmara da Camerata Latino-Americana Convida Duo Palheta ao Piano – Jairo Wilkens e Clenice Ortigara

Gravado em 27/06/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Jairo Wilkens: clarinete, Clenice Ortigara: piano. 

O clarinete é um instrumento que está no ponto de fusão entre a música popular e erudita no Brasil. Desde a época dos chorões a figura do clarinetista impactou como instrumentista e liderança musical a produção da música erudita brasileiro, tornando-se um dos grandes divulgadores de novos compositores. Recentemente o pesquisador brasileiro Ricardo Dourado Freire publicou uma tese onde apontou o desenvolvimento da identidade do clarinetista brasileiro a partir da visão de Mário de Andrade. Na visão de Mário de Andrade, a música de uma sociedade é desenvolvida passando por três estágios: música universal (música religiosa), música internacional (música de concerto) e música nacional (música de influência popular e folclórica). Ricardo Dourado Freire aponta o papel fundamental que o clarinetista, como instrumentista e como liderança musical teve na etapa brasileira da formação da música nacional. O presente concerto aborda obras de compositores brasileiros que escrevem para clarinete dialogando sob esta influência da fusão popular e erudita.

Camerata Latino-Americana (Suite Contemporânea Brasileira) – Camerata Latino-Americana

Gravado em 13/06/2015 na Sala Umuarama, Instituto CPFL 

Simone Menezes: direção artística e regência. Violinos: Pablo de Léon, Ana de Oliveira, Maria Fernanda Krug e Pedro Della Rolle. Violas: Gabriel Marin e Wallas Pena. Violoncelos: Raïff Dantas Barreto e Moisés Ferreira. Thibault Delor: contrabaixo. Sarah Hornsby: flauta. Jairo Wilkens: clarinete. Peter Apps: oboé. Matthew Taylor: fagote. Rogério Zaghi: piano.

Mário de Andrade, embora um vanguardista, cunhava suas pesquisas não na erudição como um fim em si, mas tratava a vanguarda como uma forma necessária de expor suas novas descobertas, que estavam ligadas a pesquisas folclóricas e conexões com o povo. Assim, embora um vanguardista, ele não era um erudito desconectado em sua comunicação com o homem leigo. O concerto tem como obra central as Danças Características Africanas de Heitor Villa-Lobos, obra que prenuncia as ideias vanguardistas de Mário de Andrade e da Semana de Arte Moderna de 1922. A partir daí orbitam em torno deste centro estético obras de Pitombeira, Piccolotto, uma obra de juventude de Flô Menezes e uma estreia do compositor pernambucano Beetholven Cunha.

 Sobre o Instituto CPFL

Com 16 anos de atividades, o Instituto CPFL é a plataforma de investimento social privado do Grupo CPFL Energia, que tem sede em Campinas. A missão do Instituto CPFL é integrar os programas culturais, sociais e esportivos da companhia em uma única rede, transformando por meio do conhecimento as comunidades onde atua. Por meio do Circuito CPFL, o Instituto CPFL promove gratuitamente em diversas cidades sessões de cinema, concertos, corridas e passeios ciclísticos, além de ações sociais voltadas ao fortalecimento da cidadania. Em 2019, estão previstas iniciativas em cerca de 100 localidades, alcançando um público presencial estimado de milhares pessoas. O Instituto CPFL é responsável também pela difusão do conhecimento por meio das transmissões e do acervo online dos encontros do Café Filosófico CPFL, tradicional programa de debates que pode ser acompanhado pelo público no Youtube, no sítio eletrônico, no app institutocpflplay, no Facebook e na TV aberta. O programa editado é exibido aos domingos, às 21h, na TV Cultura.

Sobre o Grupo CPFL

O Grupo CPFL, ​​​​​​​​​​​​​​​com mais de 100 anos de história e atuação, tornou-se uma empresa de energia completa, com negócios em distribuição, geração, comercialização de energia elétrica e serviços, hoje considerado uma das maiores empresas do setor elétrico brasileiro. Leva energia a 9,6 milhões de clientes por meio de quatro distribuidoras¹ que abrangem cerca de 700 municípios dos estados de São PauloMinas Gerais, Rio Grande do Sul, e Paraná  e ao longo dos anos firmou-se entre as líderes no segmento de energias renováveis no Brasil com uma matriz diversificada: com atuação em fontes hidrelétricas, solar, eólica e biomassa. 

Mas não é apenas manter esta posição de liderança que estimula o grupo. “Nós sabemos, por exemplo, do papel. crucial que o setor energético desempenhará em relação ao futuro do planeta”, informa a CPFL em nota no portal da empresa. “Por isso, enquanto todos esperam que uma empresa de energia cumpra o seu papel, nós buscamos fazer mais do que isso: desenvolvemos programas de conservação e conscientização sobre o uso eficiente da energia elétrica, investimos em redes inteligentes, mobilidade urbana elétrica e muito mais. No ramo de geração, possui capacidade instalada no setor de 3.297 MW, sendo 95,6% de fontes renováveis

Sobre a Kuarup

Especializada em música brasileira de alta qualidade, o seu acervo concentra a maior coleção de Villa-Lobos em catálogo no país, além dos principais e mais importantes trabalhos de choro, música nordestina, caipira e sertaneja, MPB, samba e música instrumental em geral, com artistas como Baden Powell, Renato Teixeira, Ney Matogrosso, Wagner Tiso, Rolando Boldrin, Paulo Moura, Raphael Rabello, Geraldo Azevedo, Vital Farias, Elomar, Pena Branca & Xavantinho e Arthur Moreira Lima, entre outros.

Kuarup Música/Rádio, Imprensa e TV/www.kuarup.com.br

Telefones: (11) 2389-8920 e (11) 99136-0577 Rodolfo Zanke rodolfo@kuarup.com.br

¹ CPFL Paulista, CPFL Piratininga, CPFL Santa Cruz e RGE

Anúncios

970 – Patrícia Lopes leva ao Jazz B show inspirado em poemas de amor e dedicados ao universo feminino, de Fernando Pessoa

A pianista e compositora Patrícia Lopes protagoniza O Feminino em Pessoa, espetáculo que aborda a paixão amorosa por meio de músicas inspiradas em poemas do consagrado português Fernando Pessoa que poderá ser apreciado em 11 de julho, a partir das 21 horas, no palco do Jazz B, em São Paulo. Sem contar os próprios textos de um dos mais admirados poetas de todos os tempos, o autor que viveu entre 1888 e 1935 destaca-se na literatura universal pela construção de heterônimos aos quais deu vida tal qual o trio Alberto Caeiro, Álvaro de Campos e Ricardo Reis, dotados de personalidades e estilos distintos. A síntese da obra do lisboeta e deste conjunto de notáveis múltiplos dele é qualificada por rara sensibilidade e faz soarem vozes e modos diversos de percepção do mundo que trazem à tona o que pode haver de mais recôndito na alma humana — sentimentos, desejos, emoções e temas entre os quais o amor e as peculiaridades femininas são dos mais recorrentes. No show, Patrícia Lopes também mostrará composições inéditas, feitas especialmente para esta apresentação e contará com as participações da portuguesa Sofia Vitória (que vem ao Brasil para breve temporada, recitando poemas), de Ana Luiza (vocais), de Paula Pires (clarinete) e de Sebastian Ruiz (viola de arco).

Continue Lendo “970 – Patrícia Lopes leva ao Jazz B show inspirado em poemas de amor e dedicados ao universo feminino, de Fernando Pessoa”

889 – Jean e Joana Garfunkel cantam e interpretam poemas de Mário de Andrade no Imagens do Brasil Profundo (SP)

Em nova rodada da terceira temporada do  Imagens do Brasil Profundo, o curador Jair Marcatti receberá nesta quarta-feira, 15 de junho, a partir das 20 horas, Jean e Joana Garfunkel. Pai e filha conduzirão a plateia por uma viagem pela obra do patrono do projeto, o poeta e escritor Mário de Andrade a partir do palco do auditório Rubens Borba de Moraes da da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. A ida pelo universo do modernista se dará por meio da declamação e interpretação de poemas como Eu sou trezentos e outros textos  consagrados do autor de Paulicéia Desvairada.

 

Jean e Joana Garfunkel juntos coordenam o projeto Canto Livro desde 2006. Ele é poeta, escritor. letrista e compositor com obras gravadas por intérpretes como Elis Regina, Zizi Possi, Margareth Menezes e Maria Rita – foi convidado a cantar num projeto dedicado a Guimarães Rosa por conta de sua pesquisa e visitas à cidade Morro da Garça, próxima à terra natal do escritor, Cordisburgo (MG). Paralelamente ao trabalho com o Canto Livro, Jean Garfunkel tem quatro discos gravados em dupla com o irmão Paul, mais 13 Pares e Um Fado Solitário, no qual homenageia treze parceiros com os quais vem traçando sua trajetória musical.  Joana Garfunkel é narradora de histórias e psicóloga, autora de uma pesquisa acadêmica premiada sobre a obra Grande Sertão: Veredas. Trabalha desde 2005 com música e literatura, apresentando-se ao lado de artistas como Tavinho Moura, Natan Marques, Grupo Miguilins e Emiliano Castro.

Mergulho no Brasil de dentro

Dedos de prosa, boa conversa, música, imagens, artesanato e cultura popular. Essa é a receita de Imagens do Brasil Profundo projeto que desde 2014 oferece ao público da Biblioteca Mário de Andrade shows, debates, bate papos musicais e ações para crianças sempre às quartas-feiras, com entrada franca sob a batuta do historiador e sociólogo Jair Marcatti. A ideia é mostrar e trazer à luz manifestações populares e objetos que revelam o Brasil por dentro, aquele país que nas palavras do mestre Ariano Suassuna vive escondido em rincões considerados profundos, mas é muito vivo. Ao invés de promover abordagens tradicionais, Marcatti prefere convidar músicos, documentaristas, diretores de cinema, ativistas culturais e pesquisadores da cultura popular que em comum nutrem um modo de olhar aprofundado e amplo sobre o país e trabalhos de pesquisa e resgate das nossas mais entranhadas tradições.

Com cada um dos participantes, Marcatti aborda aspectos do universo cultural e musical  brasileiro, de nossas trajetórias, continuidades e rupturas; daquilo que, sem nenhuma pretensão definidora, poderíamos chamar de identidades brasileiras, no plural, com a vantagem dos exemplos serem pontuados no calor da prosa, ao vivo, pelo som dos instrumentos, muitos artesanais, e pela apresentação de outras formas de expressão cultural.

A Biblioteca Mário de Andrade fica na Rua da Consolação, 94, entre as estações República e Anhangabaú da linha 3 Vermelha do Metrô e para mais informações disponibiliza o número de telefone 11 3775-0002.

anuncio 26a

 

846 – “Alucinação”, álbum que fez de Belchior mais do que apenas um rapaz latino-americano, completa 40 anos

Belchior, um dos mais consagrados, inspirados e lúcidos cantores e compositores da música popular brasileira motivou o portal de notícias 247 a produzir, em 23 de maio do ano passado, uma matéria especial que teve por mote os 39 anos do álbum Alucinação, que hoje, portanto, já se aproxima dos 40.  A empreitada para escrever sobre o disco e o cearense de Sobral que ao vencer o IV Festival Universitário da Música Brasileira em agosto de 1971, concorrendo com Na Hora do Almoço, iniciou a trajetória que o firmaria entre as mais fulgurantes estrelas da constelação da música nacional foi confiada a um jornalista com nome de poeta. Khalil Gibran, então, começou recordando em seu texto no qual nos apoiaremos que Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, ou simplesmente Belchior, teve infância simples, de menino do interior. Porém, a Sobral da sua meninice era uma cidade repleta de sons, cores e poesia que iluminariam seu imaginário. Para ajudar, o contato com a música começou dentro da própria família: o pai tocava sax e flauta, enquanto a mãe cantava no coro da igreja local.

Continue Lendo “846 – “Alucinação”, álbum que fez de Belchior mais do que apenas um rapaz latino-americano, completa 40 anos”

701 -Embarque na Biblioteca Mário de Andrade (SP) e viaje com o Canto Livro para o mundo de Riobaldo e Diadorim

 

cntolivro
Foto de Guimarães Rosa no destaque: Acervo Fundo João Guimarães Rosa – IEB/USP

Em nova rodada do projeto Imagens do Brasil Profundo, o curador Jair Marcatti receberá nesta quarta-feira, 28, a partir das 20 horas, Jean e Joana Garfunkel. Pai e filha conduzirão a plateia por uma viagem pelo sertão de Guimarães Rosa a partir do palco do auditório da Biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. A ida pelo universo roseano se dará por meio dos atalhos da oralidade e da canção brasileira, conforme a proposta do grupo Canto Livro, protagonista do show O Sertão na Canção, baseado no romance Grande Sertão:Veredas, do escritor mineiro de Cordisburgo.

Idealizado pelos  Garfunkel, o Canto Livro propõe aproximar literatura e música para encurtar a distância entre o livro e o público, promovendo num contraponto dinâmico e divertido. Os convidados de Marcatti estarão acompanhados por Pratinha Saraiva (flautas e bandolim) e tocarão canções como Avenida São João, Cotumaz, Primeiro Encontro, São Gregório, Mar de Cavalos, Batalha Final, todas compostas por Jean (violão) em parceria com o irmão, Paul Garfunkel, com arranjos de Natan Marques e permeadas por narração de trechos da obra que apresenta Riobaldo e Diadorim.

O projeto Canto Livro existe desde 2006, quando Jean Garfunkel – poeta, escritor e compositor com obras gravadas por intérpretes como Elis Regina, Zizi Possi, Margareth Menezes e Maria Rita – foi convidado a cantar num projeto dedicado a Guimarães Rosa por conta de sua pesquisa e visitas à cidade Morro da Garça, próxima à terra natal do escritor. Joana também já nutria grande admiração pela obra do autor mineiro: em 2002, escrevera pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo a tese Sentido e Significado em Grande Sertão Veredas. Juntos, ambos teceram a ponte entre a saga do jagunço Riobaldo e canções compostas pelos irmãos, transportando a joia da nossa literatura para o palco. Hoje, o Canto Livro oferece cerca de 30 espetáculos que enfocam as obras de Manuel Bandeira, Jorge Amado, Carlos Drummond de Andrade, Clarice Lispector, Cora Coralina, Vinícius de Moraes, Manoel de Barros, Fernando Pessoa e Mia Couto, entre outros.

Paralelamente ao trabalho com o Canto Livro, Jean Garfunkel tem quatro discos gravados em dupla com Paul, mais 13 Pares e Um Fado Solitário, no qual homenageia treze parceiros com os quais vem traçando sua trajetória musical.  É poeta, ator, cantor, compositor e publicitário e durante mais de dez anos trabalhou como assistente de direção da atriz e diretora Myriam Muniz, além de compor trilhas para teatro. Integrante o grupo de estudos sobre a obra de Guimarães Rosa do Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo (USP) e realiza oficinas e palestras sobre música e literatura em bibliotecas, livrarias e espaços culturais. Como letrista tem parceiros ilustres como, Léa Freire, Sizão Machado, Mozart Terra, maestro Moacyr Santos, maestro Júlio Medáglia e o violonista Yamandú Costa.

Joana Garfunkel é narradora de histórias e psicóloga, autora de uma pesquisa acadêmica premiada sobre a obra Grande Sertão: Veredas. Trabalha desde 2005 com música e literatura, apresentando-se ao lado de artistas como Tavinho Moura, Natan Marques, Grupo Miguilins e Emiliano Castro.

Mergulho no Brasil de dentro

Dedos de prosa, boa conversa, música, imagens, artesanato e cultura popular. Essa é a receita de Imagens do Brasil Profundo – Um Olhar sobre a Diversidade Brasileira, projeto que envolve shows, debates, bate papos musicais e ações para crianças iniciado em abril e que se estenderá até dezembro, acolhido pela Biblioteca Mário de Andrade,  que ocorre quinzenalmente, sempre às quartas-feiras, sob a batuta do historiador e sociólogo Jair Marcatti, professor de Relações Internacionais e de Sociologia.

A ideia é mostrar e discutir por meio de músicas, filmes, manifestações populares e objetos o Brasil por dentro, aquele país que nas palavras do mestre Ariano Suassuna, escondido em rincões considerados profundos, é muito vivo. Ao invés de promover abordagens tradicionais, entretanto, Marcatti prefere convidar músicos, documentaristas, diretores de cinema, ativistas culturais e pesquisadores da cultura popular que em comum nutrem um modo de olhar aprofundado e amplo sobre o Brasil e trabalhos de pesquisa e resgate das nossas mais entranhadas tradições.

Com cada um dos participantes, Marcatti aborda aspectos do universo cultural e musical  brasileiro, de nossas trajetórias, continuidades e rupturas; daquilo que, sem nenhuma pretensão definidora, poderíamos chamar de identidades brasileiras, no plural, com a vantagem dos exemplos serem pontuados no calor da prosa, ao vivo, pelo som dos instrumentos, muitos artesanais, e pela apresentação de outras formas de expressão cultural.

As rodadas do Brasil Profundo começam sempre às 20 horas e não há cobrança de ingressos. Marcatti já recebeu neste ano Renata Mattar, da Companhia Cabelos de Maria, Magda Pucci, do grupo musical  e de pesquisas étnicas Mawaca, Cláudio Lacerda, Katya Teixeira e Cássia Maria, Benjamin Taubkin, Luiz Salgado, Paulo Dias, Galileu Garcia Júnior, Ivan Vilela, José Miguel Wisnick e João Arruda. Até dezembro haverá ainda sessões com Sidnei de Oliveira, em 4 de novembro, Consuelo de Paula, Trio José, Antônio Nóbrega e Conversa Ribeira.

A Biblioteca Mário de Andrade fica na Rua da Consolação, 94, e para mais informações disponibiliza o número de telefone 3775-0002.

 

614 – Fred Martins lança na Sala Funarte (RJ) “Para Além do Muro do Meu Quintal”, gravado em Portugal

fred martins

A Sala Funarte Sidney Miller, localizada no Centro do Rio de Janeiro, será o palco para o cantor e compositor Fred Martins lançar Para Além do Muro do Meu Quintal, em show marcado para a quinta-feira, 20 de agosto, a partir das  19 horas, com ingressos a preços populares. Fred Martins vai se apresentar acompanhado pelo violoncelista Lui Coimbra, além do saxofonista Marcelo Martins. Para Além do Muro do Meu Quintal foi  gravado em Lisboa, Portugal, com produção musical do pianista e arranjador açoriano Paulo Borges e participações especial dos cantores Renato Braz e da cabo-verdiana Nancy Vieira . O título remete a um verso de Alberto Caeiro, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, extraído do poema  Noite de São João

Continue Lendo “614 – Fred Martins lança na Sala Funarte (RJ) “Para Além do Muro do Meu Quintal”, gravado em Portugal”

Fabrício Conde abre porteiras e estabelece novos territórios culturais com seu recente disco, Fronteira

fconde
Fabrício Conde, compositor, escritor e contador de causos é conterrâneo de Murilo Mendes, leitor de Borges e de Guimarães Rosa, estudou com Ivan Vilela, aprendeu manhas e mandingas com a avó e Antônio Macário, curte cinema italiano e já agradou aos ouvidos da Rainha Elizabeth com suas composições repleta de raízes e de sonoridades universais

O Barulho d’água Música recebeu para o acervo do blog o novo álbum de Fabrício Conde (Juiz de Fora/MG), compositor e um dos vencedores do XIV Prêmio BDMG de Música, promovido em Beagá. Fronteira,  nome do trabalho, foi produzido com apoio da Prefeitura da cidade mineira situada na Zona da Mata, com incentivos da Lei Murilo Mendes, escritor que lá nasceu e residiu, com participações de Laura Delgado (voz), Márcio Hallack (piano) e Rodrigo Biss (rebeca). Fabrício Conde toca cuatro venezoelano, viola de cabaça (arte do luthier e violeiro paulista Levi Ramiro) e ronroco; para cada uma das 11 faixas faz um breve comentário revelando particularidades da composição. Samba Venezoelano, por exemplo, com a qual abre o concerto, foi composta nos aeroportos de Santiago, capital do Chile, e de Guarulhos (SP). “A ideia de compor este samba surgiu devido ao fato de alguns amigos, por brincadeira, chamarem o meu cuatro venezoelano de cavaquinho”, conta.

Corta!

Fabrício Conde não é compositor de viola caipira? Como, então, está fazendo samba, e, ainda mais com instrumento estranho a nossa cultura?

Continue Lendo “Fabrício Conde abre porteiras e estabelece novos territórios culturais com seu recente disco, Fronteira”

Canto Livro traz ao palco do Sesc Campo Limpo (SP) o universo roseano de Grande Sertão: Veredas

cnto livro arte
O coletivo Canto Livre apresenta espetáculos litero-musicais que destacam autores brasileiros, de Língua Portuguesa e latino-americanos consagrados, além de abordar em seus trabalhos o delicado universo feminino revisitando obras de escritoras como Clarice Lispector, Carolina de Jesus e Cora Coralina (Fotos: Marcelino Lima)

 

O Barulho d’Água Música acompanhou na noite de 15 de maio, no Sesc Campo Limpo (SP), a apresentação de Guimarães Rosa: O Sertão na Canção, espetáculo da Equipe Canto Livro, atração do projeto Em Canto e Prosa. O Sertão na Canção, concebido em 2006 e desde 2008 na estrada, com passagem inclusive por Cordisburgo (MG), terra natal do escritor, põe no palco pai e filha, Jean e Joana Garfunkel. Ambos apresentam canções inspiradas no fabuloso romance Grande Sertão: Veredas, compostas por Jean e o irmão Paul, permeadas por narração de trechos da obra que imortalizou entre outras personagens Riobaldo e Diadorim. É uma viagem pelo sertão roseano por meio dos atalhos da oralidade e da canção brasileira, traços essenciais de nossa identidade cultural.

Continue Lendo “Canto Livro traz ao palco do Sesc Campo Limpo (SP) o universo roseano de Grande Sertão: Veredas”

Susana Travassos, cantora de Lisboa, comemora aniversário hoje

1619597_10202529052043390_1752420509_n
Susana Travassos, nascida em Faro, Portugal, já gravou no Brasil com Chico Saraiva, Fagner, Katya Teixeira e Luiz Salgado, e canta em um dos seus álbuns músicas de Elis Regina

 

O Barulho d’água Música envia para além mar um abraço dos mais especiais, destinado à cantora e interprete Susana Travassos (Faro/Portugal), aniversariante de hoje. Susana Travassos reside em Lisboa e costumeiramente visita o Brasil para brindar amigos e fãs com shows nos quais apresenta músicas que vão do canto lírico ao jazz, além da popular brasileira, portuguesa e latino-americana. Em 2008, Susana Travassos gravou álbum com sucessos de Elis Regina, no qual fez questão de manter o sotaque nativo. Depois, em parceria com o compositor Chico Saraiva, colocou no mercado Tejo-Tietê, que intercala composições com clássicos de Portugal e Brasil e com poesias de Mário de Andrade e Fernando Pessoa. Susana Travassos também participa de 2 Mares, álbum de Katya Teixeira e Luiz Salgado indicado ao 25º Prêmio da Música Brasileira, e de Palavras Acesas, no qual canta com Fagner Noturno nº 2, disco que divulga a poesia do maranhense José Chagas.

Parabéns, Susana Travassos! Muita luz e sucesso para toda a vida!

500

Recitadores Urbanos estreiam show em que mesclam músicas e poesias próprias com textos dos Arnaldos Baptista e Antunes, Drummond e Quintana

Drops w
Walter Bini, Paulo Netho, Salatiel Silva e Vinícius Bini: poesia e música na veia, com efeitos colaterais imediatos, mesclando textos próprios do Drops com Arnaldos, Manoeis, Marios, Fernandos, Drummonds e Antônios: golaço em flamenco, baião, rock, blues, forró e outros ritmos (Fotos Marcelino Lima)

O Barulho d’água Música acompanhou na noite de sexta-feira, 23, a primeira apresentação, o show de estreia dos Recitadores Urbanos, quarteto que também está iniciando sua trajetória adotando o nome de Drops. Paulo Netho (voz e declamações), poeta e cronista, Salatiel Silva (violão), músico e compositor, Walter Bini (guitarra) e Vinícius Bini (baixo) integram o excelente grupo que esteve no Sesc do Campo Limpo, bairro da zona Sul paulistana, e vão repetir a dose neste mesmo palco no dia 30, a partir das 19 horas, com entrada franca.

Continue Lendo “Recitadores Urbanos estreiam show em que mesclam músicas e poesias próprias com textos dos Arnaldos Baptista e Antunes, Drummond e Quintana”