1136 – Claudette Soares e Alaíde Costa rememoram 60 anos de Bossa Nova em álbum imperdível da Kuarup

Antologia produzida por Thiago Marques Luiz reúne 25 músicas, revisitadas em 18 faixas emblemáticas, do movimento até hoje é respeitado no mundo inteiro

Está rolando hoje aqui no cafofo do Barulho d’água Música na aprazível, mas abafada São Roque (SP), em mais uma audição matinal de sábado, o extraordinário e gostoso álbum 60 Anos de Bossa Nova, gravado em março no luxuoso Teatro Itália, em São Paulo, pelas divas Claudette Soares e Alaíde Costa. Mais uma joia do catálogo da gravadora Kuarup, o exemplar do álbum que está na vitrolinha nos foi cedido, gentilmente, pelos amigos Beto e Moisés, da Tambores Comunicações, aos quais mais uma vez somos gratos; estendemos nossa gratidão também a Rodolfo Zanke, que à frente da gravadora vem promovendo lançamentos e resgates que passam longe dos mais comuns que infestam o mercadão e com os quais certos programadores e agentes adoram torturar nossos ouvidos.  Então fica a dica: para quem ainda não conhece 60 Anos de Bossa Nova, corra atrás, aproveite a época de festas, peça ao ou presentei o amigo oculto com esta maravilha que pode ser curtida pelo linque abaixo.

Continue Lendo “1136 – Claudette Soares e Alaíde Costa rememoram 60 anos de Bossa Nova em álbum imperdível da Kuarup”

Anúncios

1030 – Consuelo de Paula homenageia Dia Internacional da Mulher com Bibianas, no Teatro da Rotina (SP)

A cantora, compositora e poetisa Consuelo de Paula (MG) estará de volta ao aconchegante Teatro da Rotina em 9 de março, quando, a partir das 21 horas, apresentará Bibianas, show com o qual marcará a passagem do mês dedicado ao gênero e o Dia Internacional da Mulher, que transcorrerá na véspera, em 8 de março. Bibianas será, ainda, o terceiro concerto da série que Consuelo batizou como Movimentos do amor e de lutaO primeiro ato, Movimentos do amor e da luta, e o segundo, Chamamento, também tiveram como palco o teatro paulistano situado na rua Augusta, 912 (veja Serviço).

Bibianas é um encontro entre Consuelo de Paula e parceiras de composição, algumas das quais convidará para acompanhá-la. Voz, violão e instrumentos de percussão compõem a tríade mágica e completam o canto pleno, personalizado e profundo que possibilitam à mineira de Pratápolis envolver o público a cada nova canção. Neste show, além de canções autorais e algumas interpretações de outros autores que farão a ponte entre uma parceria e outra – incluindo a recente Valsa para Mathilde, com Adoniran Barbosa e Copinha — estarão em destaque muitos ritmos brasileiros.

Continue Lendo “1030 – Consuelo de Paula homenageia Dia Internacional da Mulher com Bibianas, no Teatro da Rotina (SP)”

761 – Não perca a apresentação do Sr.Brasil na quarta-feira, 16, com Gonzaga Leal (PE) e Consuelo de Paula (MG)

tela

Quem perdeu a primeira apresentação na manhã de domingo, 13, poderá assistir a partir das 2 horas da quarta-feira, 16 de dezembro, como foram as passagens pelo palco do programa Sr. Brasil dos cantores e compositores Gonzaga Leal e Consuelo de Paula ; perdendo também esta oportunidade, depois, só aguardando os vídeos ficarem disponíveis na internet! Gonzaga Leal, natural de Serra Talhada, mas residente em Recife, ambas cidades de Pernambuco, o primeiro a ser recebido por Rolando Boldrin, cantou Quem sabe (Antônio Carlos Gomes); Deu Saudade (Roberto Mendes e Herculano Neto), além de Última estrofe (Cândido das Neves), esta em duo com o anfitrião.

Continue Lendo “761 – Não perca a apresentação do Sr.Brasil na quarta-feira, 16, com Gonzaga Leal (PE) e Consuelo de Paula (MG)”

755 – 2º Prêmio Grão de Música é entregue, com quatro atrações no palco, a 15 contemplados na Galeria Olido (SP)

Socorro Lira PGM1
Socorro Lira (Foto: Daniel Kersys)

Quinze expoentes com trabalhos de qualidade indubitável ligados à produção e à divulgação da música independente receberam na noite de sábado, 5 de dezembro, o 2º Prêmio Grão de Música, iniciativa da cantora, compositora e poetisa Socorro Lira (PB) com apoio de parceiros e de entidades culturais, em cerimônia que transcorreu na Galeria Olido, em São Paulo. Os contemplados representam diversas vertentes musicais e vieram de vários estados do Brasil e até de Portugal para receber o troféu: uma estatueta, em bronze, idealizada por Elifas Andreato, artista plástico consagrado e que prestigiou a festa complementada por apresentações de Thamires Tannous (MS); Luiz Felipe Gama e Ana Luiza (SP); Cláudio Lacerda (SP); e Luanda Cozetti e Norton Daiello (duo do Distrito Federal que reside em Lisboa e forma o Couple Coffee), todos premiados.

Continue Lendo “755 – 2º Prêmio Grão de Música é entregue, com quatro atrações no palco, a 15 contemplados na Galeria Olido (SP)”

749 -Comemore em Sampa, em show com entrada franca, os 80 anos de Alaíde Costa (RJ)!

alaide trio
Alaíde Costa chega aos 80 anos cantando, há 60, sucessos dela e de compositores e parceiros como Milton Nascimento e Consuelo de Paula (Foto: Divulgação)

No dia 8 de dezembro, a intérprete e compositora Alaíde Costa (Rio de Janeiro/RJ) completará 80 anos de vida, dos quais 60 inteiramente dedicados à música brasileira. Para marcar a data, Alaíde Costa protagonizará show gratuito neste domingo, 6 de dezembro, a partir das 19 horas, no Teatro Décio de Almeida Prado (São Paulo), acompanhada pelo parceiro de palco, o pianista e arranjador Giba Estebez. Em Alaíde Costa – 80 Anos, a aniversariante mostrará que o tempo não maculou a sua voz e o seu talento como intérprete, mas ao ouvi-la relembrar os momentos mais relevantes de sua carreira é a plateia quem ganhará o presente: estarão no repertório composições próprias como Você é Amor (parceria com Tom Jobim); Amigo Amado (com Vinícius de Moraes); Banzo ( com José Márcio Pereira); e Meu Sonho (com Johnny Alf), entre outras músicas de autores consagrados.

Alaíde Costa, aliás, há alguns dias já nos dera o presente ao lançar Porcelana, álbum em parceria com Gonzaga Leal  (Serra Talhada/PE) que entre releituras de canções de Caetano Veloso e Orlando Morais (Divinamente Nua, a Lua), Alceu Valença (Solidão), Capiba (Quando Se Vai um Amor), Fim do Ano (Zé Miguel Wisnik e Swami Jr.),  do português Zeca Afonso (O Meu Menino é D’Oiro) traz maravilhas como Porcelana (Moisés Santana), Delicado (Socorro Lira) e de Consuelo de Paula Água Doce no Mar e Bem me Quer — esta uma parceria de Consuelo com o conterrâneo, Luiz Salgado, e o eterno mestre Rubens Nogueira. Porcelana vem arrancando merecidos elogios, como o do músico, maestro e arranjador Jaime Além que escreveu ter sentido uma “flecha certeira no peito”, pois”há muito tempo um disco não me impactava tanto”. As palavras de Consuelo de Paula, entretanto, sintetizam no encarte exatamente o que o álbum traz de bom para a música brasileira:

12274750_1516742688640491_1449912290569037612_n

Porcelana (Consuelo de Paula)

Houve um tempo em que eu só conseguia ler a poesia de Cora Coralina.
Era um tempo difícil e histórias como as do prato azul-pombinho salvavam o meu dia.
O prato era uma raridade, uma porcelana herdada pela família da então pequenina Cora
Eis que um dia a peça amanheceu quebrada e mesmo sem ser a autora, Coralina recebeu dura repreensão pelo acontecido.
Porcelana é palavra mesmo de histórias, é palavra de refinamento, é palavra de arte.
Porcelana esconde mistérios e revela o que tem que ser revelado.
Assim é o álbum que reúne Alaíde Costa e Gonzaga Leal entre canções amorosas, entre instrumentistas e arranjadores que sabem escrever notas sobre finas louças, entre poesias que expressam o visível e o invisível das linhas claras e coloridas pousadas sobre o branco.
Assim é o cd destes dois artistas que celebram a amizade com um presente: surpreendentes traços tingidos com duas vozes de diferentes gerações interpretando compositores também de várias gerações – um ciclo onde na verdade não se sabe mais o que é anterior ou posterior, mas onde tudo parece nascer neste instante.
E como se Gonzaga enviasse um convite para Alaíde em forma de uma linda caixa florida amarrada com fitas azuis – dentro dela as mais raras porcelanas: oferendas pelos oitenta anos da nossa diva – e Alaíde respondesse apenas com o que mais fez e quer fazer em sua vida: cantar!
E desta vez cantar ao lado de outro artista que também dedica sua vida à música e faz agora, em nome de todos nós, esta festa de comemoração: uma reunião como se estivéssemos sempre juntos, além do espaço e do tempo.
A beleza deste encontro é tanta que milagrosamente refaz os desenhos existentes no prato azul-pombinho da Cora Coralina, pois o que importa é a beleza que guardamos em nossos olhos, em nosso coração e alma.
E ouvir o encontro entre Alaíde Costa e Gonzaga Leal é sentir o pássaro do divino pousando sobre nós.

12109321_1501803030134457_2521418997465335248_n
Alaíde Costa com Gonzaga Leal, parceiro de Porcelana (Foto: Divulgação)

Mais sobre Alaíde Costa, por Deborah e Eliane Verbena

Nascida no Rio de Janeiro em 8 de dezembro de 1935, Alaíde Costa iniciou sua carreira profissional em 1955, como crooner, no Rio de Janeiro. Em 1959, levada por João Gilberto, conheceu os compositores da bossa nova, quando gravou seu primeiro LP. Participou do programa o Fino da Bossa (TV Record/SP), interpretando Onde Está Você (Oscar Castro Neves e Luverci Fiorini), canção que se tornou emblemática em sua carreira. Em 1965, lançou o LP Alaíde Costa e, em 1972, gravou em dueto com Milton Nascimento a faixa Me Deixa em Paz (Airton Amorim e Monsueto), incluída no LP Clube da Esquina. Em 1988, lançou Amiga de Verdade, com participações de Paulinho da Viola, Milton Nascimento, Ivan Lins e Egberto Gismonti; e em 1995, o  Alaíde Costa & João Carlos Assis Brasil.

A discografia ainda conta com Falando de Amor (2000) gravado em Paris, tendo no repertório as canções Amor é Outra Liberdade (Sueli Costa e Abel Silva) e Tudo se Transformou (Paulinho da Viola), além da faixa-título (Tom Jobim e Vinicius de Moraes). Em 2003, apresentou-se em Londres com Johnny Alf, no London Jazz Festival. Dois anos depois, lançou, no Theatro São Pedro (SP), Tudo Que o Tempo me Deixou, produzido por Antônio Carlos Vidigal e que marcou os seus 50 anos de carreira. No mesmo ano, foi contemplada com o Prêmio Rival Petrobras da Música como Melhor Cantora, e ainda participou, ao lado de Elza Soares e Jair Rodrigues, do show Brasil Brasileiro, apresentado em Paris e Toulouse no encerramento do Ano do Brasil na França. Em agosto de 2006, retornou à Europa para apresentações do mesmo espetáculo na Espanha, Áustria, Alemanha e Inglaterra.

Em 2007, veio volume II da parceria da cantora com João Carlos Assis Brasil e, dois nos depois novo CD em homenagem ao amigo e parceiro Milton Nascimento. Já  em 2012 gravou disco dedicado ao também amigo e parceiro Johnny Alf; em 2013 reverenciou o centenário de nascimento de Vinícius de Moraes com o show Alaíde Canta Vinícius, apresentando-se em teatros do Sesi e interpretando a obra do “poetinha” musicada por alguns dos seus célebres parceiros, entre eles a própria Alaíde Costa. Em 2014, lançou o álbum Canções de Alaíde, o primeiro da carreira formado somente por composições próprias, algumas em parceria com importantes nomes como Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Geraldo Vandré, Johnny Alf, João Magalhães, Hermínio Bello de Carvalho, Paulo Alberto Ventura e José Márcio Pereira. Alaíde acabou de gravar em São Paulo um DVD em comemoração aos seus 80 anos; e, juntamente com o violonista Toninho Horta, lançou Alegria É Guardada Em Cofres Catedrais.

Serviço

Show: Alaíde Costa – 80 Anos
Dia 6 de dezembro. Domingo, às 19h
Teatro Décio de Almeida Prado
Rua Cojuba, 45 – B. Itaim Bibi/SP. Tel: (11) 3079-3438
Grátis – ingressos na bilheteria 1 hora antes do show de 60′ e classificação livre

soups

747 – Grupo Moxuara, do Espírito Santo, vem a São Paulo receber estatueta do 2º Prêmio Grão de Música

moxuaran
O Moxuara protagoniza uma musicalidade que extrapola exigências de mercado e encanta públicos de quaisquer idade ou origem, mostrando uma visão artística que se funde com mensagens alusivas à preservação da vida (Foto: Divulgação)

O grupo capixaba Moxuara estará entre os 15 contemplados que neste sábado, 5, receberão na Galeria Olido, em São Paulo, a estatueta do 2º Prêmio Grão de Música, idealizado pela cantora, compositora e poetisa Socorro Lira (PB). A cerimônia que ainda prevê um show, ambos sem cobrança de ingressos, começará às 19 horas. Ao subirem ao palco os integrantes do Moxuara receberão reconhecimento por um sólido trabalho nascido em 1991 com o propósito de produzir música capaz de transpassar o tempo, as gerações e as fronteiras. Para sustentar este compromisso sem concessões e torná-lo fértil, vem empreendendo esforços permanentes que têm sido mantido ao cantar a história de sua gente com suas tradições, sentimentos, hábitos e valores. O lema permanente desde os primeiros dias de atividades do Grupo Moxuara é a tentativa de prover elos entre a tradição e a modernidade para valorizar, divulgar e popularizar uma música que retrate a alma do povo brasileiro e reproduza todo o encantamento das cidades do interior.

Continue Lendo “747 – Grupo Moxuara, do Espírito Santo, vem a São Paulo receber estatueta do 2º Prêmio Grão de Música”

743 – Anchieta Dali (PE), músico com “sotaque refinado de poética social apurada”, receberá 2º Prêmio Grão de Música

anchietadali1

Anchieta Dali, cantor e compositor pernambucano, é um dos contemplados deste ano entre os artistas que receberão na Galeria Olido, em São Paulo, em 5 de dezembro, a estatueta do 2º Prêmio Grão de Música, iniciativa da cantora e compositora Socorro Lira (PB) com o intuito de promover a valorização da música brasileira de todas as regiões do país e, especialmente, dos artistas que a representam, referendando trajetórias e obras artísticas. Anchieta Dali, de acordo com texto que ele mesmo assina e que poderá ser lido no blogue Quadrada dos Canturis, do qual poderá ser baixada parte de sua discografia, é um cantador nordestino que aborda o ser humano e a natureza num vasto cordel de emoções musicais. “Lírico, rústico, com sotaque refinado de poética social apurada, navega entre suor e chuva aguando leirões de rimas e audácia numa fina sertania forrozeira”, observa.

A obra de Anchieta Dali soma mais de uma centena de músicas, muitas gravadas por vozes como as de Elba Ramalho, Flávio José, Jorge de Altinho, Maciel Melo, Santanna, Alcymar Monteiro, Amelinha, Xangai, Cristina Amaral, Geraldinho Lins, Irah Caldeira, Flávio Leandro, Nádia Maia, Paulinho Leite, Josildo Sá, Bia Marinho, Paulo Matricó, Chico Balla, Carlos Villela, Edigar Mão Branca, entre muitos e importantes nomes do nosso nobre cancioneiro. As composições se enveredam por variedades rítmicas que incluem xote, xaxado e baião, além de tantos outros “fuleios”; o poeta Dali alinha-se ao senso crítico do romance tropical nordestino, mas criou seu próprio estilo: alternando-se pelos gêneros Forró e Cantoria, realiza shows por todo Brasil, dando ênfase à região Nordeste.

Como herança do pai, Mestre Conrado, seresteiro aboiador e de tantos outros vates, Anchieta Dali conta que carrega em sua verve musical “um semblante de doces melodias e originalidade no verso, decantando suas raízes culturais num formato filosófico e charmoso”.  A influência arguida em seu trabalho é a derivação inspiradora de gênios como Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Elomar, Xangai, Vital Farias, Alceu Valença, Geraldo Azevedo, entre outros “iluminados que habitam nosso planeta”.

Além da estatueta do 2º PGM, um belo troféu desenhado pelo artista plástico Elifas Andreato, todos os contemplados participarão da terceira coletânea Grão de Música, cujo álbum também ficará disponibilizado no site do PGM para audição e download gratuitos. As duas primeiras edições em disco saíram em 2009 e 2014, respectivamente. A escolha dos artistas, feita por convite da comissão organizadora, passou por critérios delineados por esta comissão que, embora de caráter subjetivo, buscaram garantir que se cumprissem os objetivos principais desta iniciativa, obedecendo ao regulamento básico disponível no  sítio www.premiograodemusica.com.br .  A lista inclui junto com Anchieta Dali: Gonzaga Leal; Thamires Tannous; Luís Felipe Gama e Ana Luiza; Antônio Madureira; Giovanna Farias; Mariana Baltar; Anchieta Dali; Vates e Violas; Susie Mathias; Couple Coffee; Makely Ka; Escurinho, Moxuara; Cláudio Lacerda e Ninah Jo. Quatro deles protagonizarão o show que complementará a cerimônia, para a qual não será cobrado ingresso. As atrações serão Thamires Tannous; Luís Felipe Gama e Ana Luiza; Cláudio Lacerda; e Couple Coffee.

Baixe do blogue Quadrada dos Canturis os álbuns abaixo de Anchieta Dali (Cativante, de 2000, e Segundos e Eras, de 2015, não está disponível). O músico pernambucano receberá o 2º PGM a partir das 19 horas na Galeria Olido, cujo endereço é Avenida São João, 473 – Centro, São Paulo – SP

[1996] Terras do Amor
[1998] Frugal – Ao Vivo
[2003] Estradar
[2005] Forró na Cor do Chão
[2008] Canturis da Cor do Chão
[2010] Na Dança da Vida

12279155_497705110390203_5813129908068246198_n

742 – Quinze contemplados recebem estatueta do 2º Prêmio Grão de Música na Galeria Olido (SP); show terá quatro atrações

socorro lira pgm
Socorro Lira, idealizadora do Prêmio Grão de Música, além de cantora e compositora é poetisa. Quatro dias antes da cerimônia na Galeria Olido, ela lançará livro, com direito a show de bolso, na Casa das Rosas (Foto: Marcelino Lima/Arquivo Barulho d’água Música)

Está programada para a noite de 5 de dezembro e transcorrerá na Galeria Olido, em São Paulo, a partir das 18 horas, a cerimônia de entrega do 2º Prêmio Grão de Música (PGM), idealizado pela cantora e compositora Socorro Lira (PB) com o intuito de promover a valorização da música brasileira de todas as regiões do país e, especialmente, dos artistas que a representam, referendando trajetórias e obras artísticas. O PGM teve em novembro de 2014 a primeira edição em Salvador (BA) e será realizado anualmente como celebração à diversidade musical do Brasil, distinguindo os ganhadores com um troféu, fundido em bronze, criado pelo artista plástico Elifas Andreato. Além da estatueta, todos participarão da terceira coletânea Grão de Música, cujo álbum também ficará disponibilizado no site do PGM para audição e download gratuitos. As duas primeiras edições em disco saíram em 2009 e 2014, respectivamente.

Continue Lendo “742 – Quinze contemplados recebem estatueta do 2º Prêmio Grão de Música na Galeria Olido (SP); show terá quatro atrações”

680 – Colabore com o projeto de Déa Trancoso (MG) para lançamento de Líricas Breves para a Construção de uma Alma

vinde a mim, ó flor da noite!
reluza flor da noite. exale a fragrância inodora. cesse os sentidos e transcenda a alma em silêncio absoluto. reluza ó flor da noite. entoe o canto que nenhum ouvido ouve. transforme as dez mil reuniões em silêncio oco, em cabeça oca, em oco desconhecido. reluza flor da noite. reluza e lave os meus olhos no rastro potente de tua luz. reluza minha escuridão! refaça-me em luz e flor, ó flor da noite. vinde a mim. atraia-me. reintegre-me. seja eu. Déa Trancoso

Nova Imagem
Foto: Lori Figueiró

Está em andamento campanha de financiamento coletivo para arrecadação de contribuições de amigos e admiradores ao projeto Líricas Breves para a Construção de uma Alma, estreia editorial da cantora Déa Trancoso (Almenara/MG) por meio da qual a autora aborda caminhos e descaminhos, sonhos e realidades, buscas incessantes e mergulhos profundos em si mesma discorrendo sobre temas que ainda são tabus sociais e pessoais (como a morte, por exemplo), os quais marcam a trajetória de um ser humano que pretende construir uma alma enquanto está encarnado. As colaborações à obra dão direito a recompensas, estão sendo recolhidas pela Agência de Comunicação e Produtora Cultural Variável 5 (V5) e partem de R$ 10,00.

(Uma sugestão apresentada por um amigo de Déa Trancoso é comprar o livro de presente antecipado de Natal para repassá-lo para quem se quer bem: a recompensa que dará direito ao exemplar, autografado, é de 50,00, valor que já inclui a despesa com frete, para todo o Brasil, além de uma carta de agradecimento, escrita à mão).

Continue Lendo “680 – Colabore com o projeto de Déa Trancoso (MG) para lançamento de Líricas Breves para a Construção de uma Alma”