1157 – Baixe do blogue GPS Sonoro coleção de quatro álbuns com o melhor do flamenco

Discos gravados entre 2003 e 2007 reúnem  uma amostra do melhor deste gênero de todos os tempos, do clássico ao contemporâneo, nas vozes de expoentes como Paco de Lúcia, Camarón de la Isla, Tomatito e Niña Pastori

O Barulho d’água Música traz nesta atualização aos amigos e seguidores a dica para visitarem, conhecer e baixar do blogue GPS Sonoro a fantástica coleção de quatro álbuns Pa Saber de Flamenco, gravada entre 2003 e 2007 com  64 músicas (16 faixas por disco) que revelam uma amostra do melhor deste gênero de todos os tempos, do clássico ao contemporâneo. A obra também é uma boa seleção, acessível e de qualidade, dos diferentes modos de flamenco, de modo que o ouvinte compreenda como por meio desta manifestação cultural muito comum na Espanha, mas já universalizada, é possível se expressar dançando e cantando tristezas e alegrias, como se estivesse ora chorando, ora se regozijando. 

Continue Lendo “1157 – Baixe do blogue GPS Sonoro coleção de quatro álbuns com o melhor do flamenco”

1156 – Quando além de entreter, a música é bandeira de resistência e de resgate

Barulho d’água Música reproduzirá na íntegra nesta atualização mais uma  matéria de conteúdo relacionados à música publicadas pela Revista E (em versões impressa e digital). A revista é mantida pelo SESC para divulgação da agenda cultural e de eventos de recreação e de lazer programados a cada mês nas unidades que a entidade mantém tanto na Capital, quanto em diversas cidades do estado de São Paulo. As matérias das variadas sessões trazem pautas relativas a temas do universo das artes e de suas personagens, agentes e autores — do cinema ao grafite, da literatura ao teatro –,  uma sessão de poesias, crônicas e muito mais para uma agradável e enriquecedora leitura.  

Nesta  atualização a escolhida pela nossa redação foi Refúgios Sonoros postada em 21/12/2018 para a edição de janeiro da Revista E.  Confira toda a edição de janeiro da Revista E, números anteriores e  a de fevereiro em sescsp.org.br/revistae

Refúgios Sonoros (1)

Uma canção pode contar histórias de guerra e de paz ou acalentar saudades de quem está a milhares de quilômetros de casa. Ela também é capaz de reunir pessoas de diferentes idiomas e credos. Foi a música que deu um novo sentido ao cotidiano de imigrantes que se refugiaram no Brasil para se salvar de conflitos armados em seus países de origem. A exemplo da cantora palestina Oula Al-Saghir, do cantor congolês Leonardo Matumona e dos angolanos Amarilis Américo, Isabella D’Leon, Jacob Cachinga, Mila Cussama, Manuela Reis, Prudêncio Santiago, Rui Kelson e Wilson Madeira, que formam o coral Vozes de Angola.

Nascida na Síria, Oula Al-Saghir teve sua casa destruída pela guerra e chegou ao Brasil em 2015, acompanhada pelo marido, dois filhos e uma mala de canções árabes e poesias de resistência palestina. “Fico muito feliz quando represento minha cultura. Não precisa entender as palavras, mas sentir a melodia.

“A música é minha língua no Brasil”, prosseguiu  a cantora, que faz parte da Orquestra Mundana Refugi. Idealizada pelo multi-instrumentista Carlinhos Antunes e pela assistente social Cléo Miranda, a orquestra nasceu do projeto Refugi no Sesc Consolação, que oferecia oficinas musicais gratuitas para imigrantes e pessoas em situação de refúgio, somada à vontade de Antunes de dar seguimento a uma ação com foco nos novos imigrantes de São Paulo. No álbum de estreia, gravado em 2017 e lançado ano passado pelo Selo Sesc, a voz de Oula se une a outras vozes e instrumentistas do Congo, Guiné, Irã, França, Tunísia, Cuba, Haiti e China.

Grupo Vozes de Angola

Participei da primeira reunião quando a orquestra ainda era um projeto e sou muito feliz por fazer parte”, recordou Oula, que cresceu num meio musical, encorajada pelo pai, que tocava alaúde. “Sempre que estou no palco, esqueço meus problemas. Canto para meu pai, meu país e para mim.”

Vozes do além-mar

O cantor congolês Leonardo Matumona também investiu na música como forma de se comunicar e dar início a uma nova vida no Brasil, onde chegou em 2013 e fundou Os Escolhidos, junto a três jovens da República Democrática do Congo, que vivem em situação de refúgio no Brasil. “Quando cheguei, tinha esta vontade de fazer um grupo que representasse o que eu fazia lá. Trabalhar com música é minha paixão, e os brasileiros são curiosos para ouvir e assistir. Dessa forma, isso me faz ter um contato direto com eles”, declarou

Da mesma forma, os oito integrantes do coral Vozes de Angola, que se apresentou na 2ª Mostra Refúgios Culturais, em dezembro passado no Sesc Vila Mariana, creditam à expressão musical uma outra forma de linguagem e resistência. Chegaram ao país há 17 anos, ainda crianças, depois de terem sofrido com a guerra civil na terra natal, de onde saíram deficientes visuais. As canções que sabiam os nutriram para enfrentar preconceitos e saudades dos familiares.

“Nossa música transmite paz, amor e alegria: acho que é disso que o mundo está precisando, destacou Amarilis Américo. E, para isso, Mila Cussama acredita que é desnecessário dominar outros idiomas. “A música para nós é a linguagem da alma, porque podemos nos comunicar com pessoas de diferentes línguas”, constata. Conhecido em diversas cidades do país, o grupo segue apostando na carreira que semeou por aqui.

Superadas as dificuldades dos primeiros anos, todos os oito conseguiram estudar e fazer uma faculdade. “É muito gratificante ver as pessoas dizerem que somos inspiração. Por isso, a gente não pode desistir das coisas. Senão, não estaríamos aqui divulgando nossa cultura afro”, conclui Isabella D’Leon.


Refugiados no mundo e no Brasil*

Em meio às notícias quase diárias da entrada no Brasil de venezuelanos que fogem das precárias condições de vida no país vizinho – e às vésperas da divulgação no programa Fantástico, da Globo, que foi descoberta uma nova rota de entrada pelo país de cubanos que buscam chegar ao Uruguai – e da maciça caravana de hondurenhos e guatemaltecos, entre outros povos centro-americanos  que tentam entrar no xenófobo Estados Unidos da era Donald Trump, o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) divulgou em 19 de junho, véspera do Dia Mundial do Refugiado, que pedidos de estrangeiros à procura de proteção no Brasil aumentou de 35.464 em 2016 para 85.746 em 2017, representando um incremento de 118%. Os dados constam do relatório Tendências Globais – Deslocamentos forçados 2017, elaborado pelo Acnur. Segundo este órgão, os números brasileiros acompanham um movimento global: em todo o mundo, o número de refugiados e deslocados internos chegou a 68,5 milhões em 2017, nível recorde pelo quinto ano consecutivo.

De posse deste levantamento, o Acnur atualizou os números relativos ao Brasil até aquela data: 10.264 refugiados reconhecidos e quase 86 mil solicitantes, contingente que somado ao de estrangeiros que receberam outro tipo de proteção – como a permissão temporária de residência, por exemplo, somavam quase 150 mil pessoas. E  os venezuelanos, com 17.900 pedidos, ocupavam o primeiro lugar na lista de nacionalidades que pediram refúgio em terras brasileiras. Em seguida estão cubanos (2373), haitianos (2362) e angolanos (2036).

O número de refugiados pelo mundo tem aumentado ao longo dos anos. Segundo o Acnur, em 1950, 2 milhões de pessoas se deslocaram pelo mundo. Já em 2015 foram 53 milhões. Atualmente, de acordo com o mesmo organismo, 65,6 milhões de pessoas são consideradas refugiadas, o que possui um impacto em todo planeta.

Quem são os refugiados?

Refugiado é aquele que deixa seu país de origem e teme voltar ali por causa de suas opiniões políticas, religiosas ou por pertencer a um grupo social perseguido. Neste sentido, o refugiado é diferente do imigrante que, geralmente, abandona seu país natal por motivos econômicos ou desastres naturais. Por isso, dizemos que todo refugiado é um imigrante, mas nem todo imigrante é refugiado.

Em 1951, uma convenção das Nações Unidas sobre o tema determinou que os refugiados não poderiam ser devolvidos ao seu lugar de origem. Então, para garantir este direito, os Estados que recebessem refugiados deveriam assegurar a possibilidade do refugiado solicitar o direito de asilo. Por isso, deve providenciar condições de comida, assistência médica e escola para as crianças. No entanto, esta mesma convenção não determinou nenhuma sanção caso o país de acolhida não cumprisse estas normas. A realidade é bem diferente: os refugiados muitas vezes são confinados em centros de detenção que se assemelham às prisões. Alguns têm a sorte de serem atendidos por Organizações não-governamentais (ONG) ou ordens religiosas que tentam integrá-los ao novo país.

Origem dos refugiados

Os refugiados vêm, sobretudo, de regiões que estão em guerra ou em situação de pobreza extrema. Contudo podem pertencer a um grupo populacional que seja perseguido especificamente como é o caso dos curdos. Já a Guerra da Síria é a responsável pelo maior deslocamento de contingente populacional, atualmente, e nações da África subsaariana também inspiram cuidados, especialmente o Sudão do Sul. Considerada a mais nova nação do mundo, o país enfrenta uma guerra civil que deixa milhares de pessoas sem lar.

Destino dos refugiados

Ao contrário do que muitas vezes se pensa, a maior parte dos refugiados realiza deslocamentos dentro do seu próprio país ou para nações vizinhas. Apesar dos países desenvolvidos serem o grande chamariz para quem deseja mudar de vida, a maioria acaba permanecendo em países próximos ao seu continente.

Deste modo, segundo o Acnur, os países que mais acolhem refugiados são:

Turquia 3,5 milhões
Uganda 1,4 milhões
Líbia 1 milhão
Irã 979 000

 

Refugiados na Europa

A União Europeia vem se mostrando cada vez menos generosa na hora de acolher os refugiados. Em 2017 foram concedidos 538 000 solicitações de asilo, 25% menos se comparado ao ano de 2016. Os países que mais acolhem são Alemanha, França, Suécia e Itália. No entanto, devido a mudanças no governo italiano, o país tem rejeitado um número cada vez maior de solicitações de asilo.

O bloco europeu propôs que os países dividissem os refugiados entre si, de acordo com a população e a capacidade de cada um. Contudo, a sugestão foi duramente criticada pela Polônia e República Checa, que simplesmente não aceitam mais de 15 refugiados por milhão de habitantes.

Refugiados no Brasil

O Brasil é um país tradicionalmente aberto aos refugiados e projeta uma imagem de país tolerante no mundo. Por isso, tem se tornado um destino de acolhida para vários refugiados que se veem obrigados a deixar seu país. Apesar disso, esses novos habitantes só representam 0,05% da população.

Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) publicados em 2017, os maiores contingentes de solicitantes de asilo no Brasil são:

Sírios ( O Brasil já acolheu cerca de 2.500 sírios desde o começo da guerra naquele país em 2010) 22,7%
Angolanos 14%
Colombianos 10,9%
Congoleses 10,4%
Libaneses 5,1%

 

Venezuelanos no Brasil

crise econômica e social na Venezuela fez a população daquele país buscar a vida nos países vizinhos. Dados da Organização Internacional para Migrações (OIM) – Agência das Nações Unidas para Migrações – revelam que o Brasil recebeu cerca de 30 mil venezuelanos nos anos de 2015 a 2018. Grande parte dos venezuelanos, porém, não é considerada como de refugiados, mas de imigrante. Aproximadamente 8.231 venezuelanos pediram asilo no ano de 2017, conforme o Ministério da Justiça. Como o Brasil atravessa sua própria crise política e econômica, teme-se que a xenofobia cresça no país.

1) Texto originalmente publicado na Revista E do Sesc São Paulo, edição de janeiro/2019

2) *Com Lu Sudré, do portal Brasil de Fato, São Paulo (SP)  e Juliana Bezerra, professora de História, do portal Toda Matéria

Leia também no Barulho d’água Música:

864 – Abraço Cultural abriga em São Paulo 2º Sarau pró refugiados com filmes, música e dança
1061 – Orquestra de refugiados é atração especial do MCB (SP) para Dia das Mães

 

 

751-Escolas ocupadas em São Paulo terão Virada Cultural com Criolo, Paulo Miklos, Maria Gadú e outros

criolo
O rapper Criolo vai cantar na Virada Ocupação em apoio aos estudantes que protestam contra o projeto de “reorganização” (Foto: Divulgação)

Artistas conhecidos do público e voluntários se uniram em prol dos estudantes das 200 escolas ocupadas contra a reorganização escolar da gestão  Geraldo Alckmin (PSDB). Dessa união, encabeçada pela ONG Minha Sampa, nascerá a Virada Ocupação, uma espécie de Virada Cultural que vai tomar conta das unidades educacionais nos dias 6 e 7 e talvez no dia 8 de dezembro. Dentre os nomes que vão se apresentar figuram Paulo Miklos (vocalista do Titãs), Criolo, Maria Gadú, Edgar Scandurra (guitarrista da banda Ira!), Céu, Arnaldo Antunes, Chico César, Lucas Santtana e Tiê. Os shows devem transcorrer em duas escolas cujos endereços só serão divulgadas à véspera , por segurança dos alunos. Para saber o endereço é necessário se cadastrar no site (clique aqui).

Continue Lendo “751-Escolas ocupadas em São Paulo terão Virada Cultural com Criolo, Paulo Miklos, Maria Gadú e outros”

738 – I Virada Cultural de Osasco teve poema, canção e bandeira branca por Rio Doce e pela paz

Entre os dias 21 e 22 de novembro Osasco, cidade da Grande São Paulo, promoveu a I Virada Cultural de Osasco por meio da qual ofereceu ao público 145 atrações que incluíram música, artes cênicas, dança e gastronomia em parceria da Prefeitura com o Ministério da Cultura e o Sesc.  Entre os shows, o público pode curtir apresentações dos grupos Ira!, O Teatro Mágico e Demônios da Garoa, e dos cantores Pereira da Viola, Zé Geraldo e Oswaldo Montenegro como destaques de um cardápio que teve, ainda, cantores, interpretes e grupos locais como a banda Euphúria, Bilo Mariano e Cecília Camaroto. De acordo com a Prefeitura de Osasco, 82% dos artistas incluídos na programação são do município.

Residente em um bairro identificado como um dos mais ativos redutos culturais de Osasco, o jardim Santo Antônio, Cecília Camaroto tem um rico histórico de participações em bares noturnos e casas de espetáculo e em saraus e festivais tradicionais como o Canto de Julho, que sempre revela bons artistas, cantores e compositores. Desde pequena, Cecília já demonstrava interesse por música, apurava os ouvidos e não resistia à atração que sofria pelas canções de autores consagrados ao ouvir em casa o pai (que tinha uma orquestra e tocava pistom) promover com os amigos rodadas animadas com choros, sambas e composições de baluartes  tais quais Ataulfo Alves  e Noel Rosa a clássicos da música raiz, entre outros ritmos nacionais.

“As meninas como eu, àquela época, iam todas brincar nos quintais, mas eu ficava lá, encantada, ao lado do meu pai e dos músicos e não arredava pé enquanto eles estivessem reunidos”, contou Cecília Camaroto ao blogue. “Trago de lá tudo o que ouvia e hoje gosto tanto de cantar que digo: viver sem música é como ficar sem respirar”.

Apesar desta paixão e do talento que sempre renderam pedidos e convites dos amigos mais chegados para continuar sempre em atividade, por compromissos familiares Cecília Camaroto precisou ficar dois anos longe do microfone. A volta, entretanto, ocorreu em grande estilo: (muito bem) acompanhada pelo maestro e tecladista Hanilton Messias, brindou no domingo, 22, a plateia do palco Nivaldo Santana da Escola de Artes Cesar Salvi com um repertório de primeira.

Logo de saída, Cecília Camaroto propôs uma oração pelo bom entendimento no mundo oferecendo A Paz (João Donato, mas mais conhecida na voz de Gilberto Gil). Depois, até encerrar com Tristeza (de Vinícius de Moraes, consagrada por Jair Rodrigues e interpretada, ainda, por Beth Carvalho) passou por Olha (Roberto Carlos; Chico Buarque e Maria Bethânia também gravaram esta canção), Tocando em Frente (Almir Sater e Renato Teixeira) e Desde que o samba é samba (Caetano Veloso/Gilberto Gil).

Sobre Hanilton Messias, para quem não sabe, basta dizer: tem formação tanto em instrumentos de sopro (como flauta transversal), quanto de cordas (como piano) e foi arranjador entre outros de Cauby Peixoto. O maestro, também parceiro de Bilo Mariano, outra estrela da 1ª Virada Cultural de Osasco, já está costurando um novo show para Cecília Camaroto retomar de vez as apresentações.

pviola

Pereira da Viola e Zé Geraldo, dois consagrados músicos mineiros, tocaram e cantaram também no domingo, 22, no palco Centro. O violeiro começou a cantoria rendendo homenagens ao Rio Doce por meio da canção-poema Lamento do Rio (interpreta pelo poeta Gonzaga Medeiros, que Pereira gravou em seu álbum Viola Cósmica). O Rio Doce, cujas águas e peixes abastecem populações de várias cidades de Minas Gerais e do Espírito Santo, ficou seriamente contaminado pelo metal que a lama tóxica oriunda da barragem que se rompeu em Mariana/MG, da Samarco/Vale, despejou em seu leito; especialistas dizem que o Rio Doce está “morto” e não conseguirá se recuperar em menos de dez anos. Pereira da Viola, como sempre bem humorado, também contou causos. E fez  tributo a Osasco lembrando, por exemplo, que a cidade é berço da primeira orquestra de violeiros do Brasil e por isso é conhecida como “a Capital da Viola”.

zgeraldo

Zé Geraldo e banda relembraram muitos dos  famosos rocks rurais do Bob Dylan das Alterosas como O Preço da Rosa, Senhorita, Galho Seco, Na barra do seu vestido (dele e de Zeca Baleiro), e Cidadão. Os fãs pediram, mas ele optou por não cantar Rio Doce: “Não vou cantar, mas vou falar: estou muito chateado com o descaso contra nossos rios e florestas e só me resta torcer para que o belo Rio Doce tenha forças para se recuperar”. Em seguida, Zé Geraldo fechou com Milho aos pombos, em cuja letra há versos emblemáticos que podem ser considerados como hino contra outras agressões à humanidade e atitudes tais quais as que levaram aos atentados praticados em Paris, no dia 13.  Após cantá-la, Zé Geraldo, visivelmente comovido, empunhou, agitou e ergueu um prosaico pano que pareceu a este blogueiro ser de secar pratos, mas que por ser branco ganhou o nobre status de bandeira da paz.

https://soundcloud.com/guilardo-veloso-lotado/lamento-do-rio-pereira-da

doe sangue

 

735 – Osasco (SP) oferece em 24 horas gratuitas de atrações shows com Demônios da Garoa, Ira! e Oswaldo Montenegro, entre outros

zgpv
Bilo Mariano, em foto do destaque, ao lado do título, vai dividir o palco com Zé Geraldo e Pereira da Viola, no Centro

Cidade situada a apenas 18 quilômetros de São Paulo no sentido Oeste, Osasco terá entre 21 e 22 de novembro um evento nos moldes da Virada Cultural que o Estado organiza, promovido pela Prefeitura do município em parceria com o Ministério da Cultura, com 145 atrações que incluem música, artes cênicas, dança e gastronomia e receberá apoio do Sesc, em cuja unidade Jardim das Flores também haverá atividades. Entre os shows estão previstos e o Barulho d’água Música destaca apresentações de Pereira da Viola, Zé Geraldo, Demônios da Garoa e Oswaldo Montenegro. Eles revezarão palco montado no Centro, a partir das 9 horas, com a Orquestra de Violeiros de Osasco e com o cantor e compositor local Bilo Mariano (82% dos artistas participantes são de Osasco, garante a Prefeitura). O Teatro Mágico e o Ira! também confirmaram presença e vão animar a plateia no palco Concha Acústica, situado ao lado da Fundação Instituto Tecnológico (Fito), no Jardim das Flores.

Continue Lendo “735 – Osasco (SP) oferece em 24 horas gratuitas de atrações shows com Demônios da Garoa, Ira! e Oswaldo Montenegro, entre outros”

Casa do Núcleo (SP) recebe Sahib Pashazadeh e Kyungso Park, atrações do Azerbaijão e da Coréia do Sul

sahib

Sahib Pashazadeh, músico do Azerbaijão  que toca Tar,  um instrumento tradicional da cultura do país asiático, vai fazer uma apresentação especial na Casa do Núcleo nesta terça-feira, 21 de julho, a partir das 21 horas. Sahib Pashazadeh está de no Brasil para participar de uma residência artística que transcorrerá  durante o Festival da  Serrinha- Bragança, que prosseguirá até 26 de julho em Bragança Paulista (SP).

Músico versátil no repertório mugam (a música tradicional local) e em música de câmara e sinfônica, Sahib nasceu em Baku, a capital do Azerbaijão.  Formado em Mestrado pelo Conservatório Nacional de Música, em 2005, é desde então professor naquela instituição. Coleciona importantes  prêmios em competições nacionais e nos Festivais  de Música Fajr, em Teerã (capital do Irã), Caspian-Sea of Friendshipl, em Aktau, Cazaquistão, e Niagara Chamber Music Festival, no Canadá.

O Serrinha apresenta shows nesta 14ª edição em todos os sábados. Tatá Aeroplano e Canções Velhas Para Embrulhar Peixes se apresentaram em 4 de julho, seguidos por Criolina (11/7); Márcia Castro e Mayra Andrade (18/7). Otto será a atração de 25/7 e, uma semana depois, será a vez do Bixiga 70. Além das apresentações músicas, há  workshops e palestras de artes visuais, cinema e fotografia.

kyungso

Dois dias depois de receber Sahib Pashazadeh, a Casa do Núcleo terá no palco Kyungso Park, musicista contemporânea de Gayageum, tradicional instrumento da Coréia do Sul. Kyunsgo é compositora e improvisa dinamicamente com sua vasta gama de músicas desde a tradicional local à vanguarda da música experimental. Ela tem dado concertos em todo os Estados Unidos, Europa e Ásia. Atualmente, faz doutorado na Seoul National University.

11745807_898685060179525_4097790042950152141_n

11143551_899467386767959_5066971762269242034_n
Imagens captadas no Festival de Serrinha (Fotos: Marcelo Delduque, Talita Virginia, Walter Costa)

Serviço

Sahib Pashazadeh
Data: 21 de julho, às 21 horas

Kyungso Park
Data: 23 de julho, às 21 horas

Abertura da Casa às 20 horas
Endereço: Rua Padre Cerdá, 25, Alto de Pinheiros (SP)

Capacidade: 70 pessoas
Aceita Cartão de crédito, débito e dinheiro (não tem estacionamento)
Ingresso: R$35

Classificação indicativa: livre
Venda de ingressos: Bilheteria da Casa do Núcleo ( segunda à sexta de 12h às 18h) ou site www.casadonucleo.com.br.

11728854_1657103684521189_2814078358320373409_o

 

Jorge Ben Jor é a atração do encerramento da festa de 461 anos de São Paulo

jorge-ben-jor-
Sempre de bom astral, o carioca Jorge Ben Jor vai atravessar o Atlântico para cantar com os paulistanos o parabéns à maior cidade do Brasil (Foto: Divulgação)

Neste domingo, 25, a cidade de São Paulo completará 461 anos de fundação. A Capital que mais recebe turistas no país fará aniversário e uma série de atividades oficiais como shows gratuitos, previstos para o hoje, 24, e no dia do feriado, estará à disposição do público.

Continue Lendo “Jorge Ben Jor é a atração do encerramento da festa de 461 anos de São Paulo”