1453 – Jean Garfunkel (SP) homenageia aniversário de Vinicius de Moraes com nova edição do Canto Livro

#MPB #LiteraturaBrasileira #CulturaPopular #ViniciusdeMoraes

O compositor e poeta paulistano Jean Garfunkel fará neste sábado, 16 de outubro, uma apresentação ao vivo a partir das 19 horas no canal de Youtube do projeto Canto Livro. Com cinco discos lançados e músicas gravadas por vozes importantes da MPB como Elis Regina e Zizi Possi, Jean Garfunkel aderiu às “lives” e tem feito apresentações virtuais, formato tão disseminado durante a pandemia da Covid-19. Em cada uma, sem que alguém precise sair de casa, ele nos acalenta com boa prosa, poesia e música. Nesta apresentação, Garfunkel aproveitará para homenagear o aniversariante do mês, Vinícius de Moraes. Farão parte do roteiro crônicas rimadas (gênero presente em seu último livro, Poemania Crônica), poemas e canções de sua autoria que dialogam com a obra de nosso Poetinha- que estará presente com poemas declamados pelo cantor.

Continue Lendo “1453 – Jean Garfunkel (SP) homenageia aniversário de Vinicius de Moraes com nova edição do Canto Livro”

1192 – Chico Buarque (RJ) fatura Prêmio Camões pelo conjunto da obra e colaboração com o vernáculo

Autor de 17 álbuns, peças de teatro e romances que arrebataram o Jabuti é o 13º brasileiro a ganhar a honraria instituída em 1989 e em cuja lista constam João Cabral e Jorge Amado

O compositor, cantor e escritor Chico Buarque é o vencedor do 31º Prêmio Camões, considerado o mais importante troféu literário da Língua Portuguesa. O carioca é primeiro autor ligado á música e o 13º brasileiro a figurar na ilustre lista que entre os compatriotas inclui João Cabral de Melo Neto (1990), Rachel de Queiroz (1993), Jorge Amado (1994), Antonio Candido (1998), Autran Dourado (2000), Rubem Fonseca (2003), Lygia Fagundes Telles (2005), João Ubaldo Ribeiro (2008), Ferreira Gullar (2010), Dalton Trevisan (2012), Alberto da Costa e Silva (2014) e Raduan Nassar (2016). No mesmo panteão Chico Buarque fará companhia a ganhadores como o português José Saramago (1995), o moçambicano Mia Couto (2013), e  Germano Almeida, escritor de Cabo Verde, consagrado em 2018¹.

A decisão a favor do autor do romance Leite Derramado e de sucessos como Construção saiu na terça-feira, 21 de maio, durante reunião realizada na Biblioteca Nacional, no Centro da cidade do Rio de Janeiro (RJ) da qual participaram representantes do Ministério da Cultura de Portugal e da comunidade artística africana².

Continue Lendo “1192 – Chico Buarque (RJ) fatura Prêmio Camões pelo conjunto da obra e colaboração com o vernáculo”

1132 – Chico Maranhão (MA): símbolo musical da década de 1960 lança CD duplo

Autor do frevo Gabriela, destaque em um dos festivais da TV Record,  apresenta Contradições, álbum de canções inéditas e autorais, pela Kuarup

A tradicional audição matutina dos sábados aqui na redação do Barulho d’água Música excepcionalmente a fizemos no domingo, 2, colocando para rodar na vitrolinha Contradições, álbum duplo do maranhense Chico Maranhão, gentilmente cedido ao blogue pela gravadora Kuarup, a quem, em nome do amigo Rodolfo Zanke, agradecemos. Compositor, violonista, tocador de tambor de crioula, escritor e arquiteto nascido em São Luís, Chico Maranhão (Francisco Fuzzetti de Viveiros Filho) emplacou a canção Gabriela no festival de 1967, defendida pelo grupo MPB-4, e agora está estreando na Kuarup com o projeto que resgata canções inéditas compostas nos últimos anos, reunindo 22 faixas gravadas na cidade natal, pela Sonora Estúdio. Os arranjos, produção e direção musical foram comandados pelo violonista Luiz Júnior. Na capa do disco destaca-se a arte que desmembra a palavra contradições recriando outros significados em um jogo de letras com a criação gráfica e artística do pintor e desenhista Cláudio Tozzi.

Continue Lendo “1132 – Chico Maranhão (MA): símbolo musical da década de 1960 lança CD duplo”

766 – Contribua para Juliana Amaral lançar “Açoite”, quarto disco da carreira, com arranjos do irmão e violeiro João Paulo (SP)

1-juliana6386Foto-Daniel-Kersys
Juliana Amaral planeja lançar um disco que toque feridas provocadas pelas mazelas do mundo e as faça sangrar, mas também tenha força poesia para transformar dor em belezas (Fotos: Daniel Kersys, acima, e Marcelo Dacosta, no detalhe, ao lado do título)

A cantora, compositora e atriz Juliana Amaral planeja começar a gravar em 16 de janeiro de 2016 o quarto álbum da estrada que há já 23 anos percorre. O disco se chamará Açoite e para entrar em estúdio acompanhada por um time de músicos que inclui o irmão violeiro João Paulo Amaral Juliana disparou campanha de financiamento coletivo à qual amigos e fãs poderão aderir depositando valores a partir de R$ 25,00. Haverá várias recompensas como contrapartidas às doações, incluindo o envio da discografia completa de Juliana Amaral (formada pelas obras SM,XLS; Juliana Samba; e Águas Daqui), uma edição especial de Açoite, agradecimento no encarte do disco, pôster, camiseta, e sacola em tecido de algodão, além do livro Samba Mínimo, Extra Luxo Super,  tudo com frete incluso para todo o Brasil.

Continue Lendo “766 – Contribua para Juliana Amaral lançar “Açoite”, quarto disco da carreira, com arranjos do irmão e violeiro João Paulo (SP)”

631- Ícone da cultura popular, parceiro de Dércio Marques e Elomar, João Bá (BA) comemora aniversário hoje

joao ba
O menino que logo que perdeu o primeiro dente teve de começar a calejar as mãos no cabo da enxada, no sertão baiano, assim que fez 12 anos também já compunha iniciando a trajetória e a obra gravada por nomes como Almir Sater e que registra parcerias com Dércio Marques e Elomar (Foto: Marcelino Lima/Acervo Barulho d’água Música)

O Barulho d’água Música não poderia baixar as portas do boteco sem registrar com a mais pura felicidade que neste primeiro de setembro transcorreu o aniversário do poeta, cantor, compositor, ator e eterno menino João Bá (Crisópolis/BA), músico dos mais admirados e queridos sobretudo porque, recentemente, não fosse o amor de amigos, familiares e fãs irmanados em uma corrente de solidariedade e fé estaríamos nesta data amargando um triste silêncio. Foram dias difíceis em meados de abril, mas do Norte ao Sul e de todas as partes do Brasil chegaram contribuições e preces evitando que a canoa dele virasse e complementando a competente intervenção cirúrgica da equipe do médico Rodrigo Quintela, do Hospital Octaviano Neves, de Belo Horizonte (MG), onde nosso bacurau cantante livrou-se dos incômodos do sistema urinário.

Continue Lendo “631- Ícone da cultura popular, parceiro de Dércio Marques e Elomar, João Bá (BA) comemora aniversário hoje”

Alegria com apresentação no Sesc Interlagos (SP) marca retorno de João Bá (BA) aos palcos

Interlagos arte
Daniela Lasalvia, Esther Alves, João Arruda, Galba, Danilo Bá, João Bá, Nanah Correia e Levi Ramiro na cantoria Prosa de Mestres promovida pelo Sesc Interlagos (Foto: Marcelino Lima)

 

A apresentação do cantor, compositor, ator e poeta João Bá (BA) voltou a se apresentar em público após o período de internação e recuperação, em Belo Horizonte (MG), da cirurgia pela qual teve de ser submetido, em março, para correção de um delicado problema no sistema urinário. Do alto de toda meninice e alegria dos seus mais de 80 anos, João Bá cantou e proseou com o público que acompanhou na tarde de 30 de abril a cantoria Prosa de Mestres, que o Sesc de Interlagos (SP) promoveu no Viveiro de Plantas como parte dos eventos do projeto Pétala por Pétala, que destaca por meio da instalação Territórios da Mata vários aspectos relacionados à fauna, à flora e às atividades de preservação e exploração sustentável do bioma Mata Atlântica. O show coordenado pelo cantor, compositor e multi-instrumentista João Arruda (SP) juntou ainda Esther Alves, João Galba, Danilo Bá (filho de João), Nanah Correia e Levi Ramiro. A cantora Daniela  Lasalvia estava na plateia e foi convidada a cantar com João Bá Cachoeira do Aracá, faixa que ambos gravaram com Pereira de Manaus no álbum do baiano Pica-pau Amarelo. Luiz Carlos Bahia, coautor de Chapéu de Palha (que fez parte do repertório em Interlagos e que Arruda incluiu em Celebra Sonhos), também estava no público.     

Continue Lendo “Alegria com apresentação no Sesc Interlagos (SP) marca retorno de João Bá (BA) aos palcos”

Baixe gratuitamente a discografia de Cátia de França (PB) do blog Quadrada dos Canturis

encerramento_novembro-negro_Dayse-Euzébio-19
Cátia de França (PB), já está com mais de 45 anos de carreira dos quase 70 de idade. Em suas canções invoca desde Guimarães Rosa a João Cabral de Melo Neto e traz mensagens contra formas de discriminação  e preconceitos que ainda imperam , como o racismo e a homofobia (Foto: Dayze Eusébio)

A discografia de uma das mais emblemáticas cantoras e compositoras do país, Cátia de França (João Pessoa/PB) está disponível para ser baixada pelo blog Quadrada dos Canturis (clique na palavra em azul para ter acesso), em formato MP3. A lista começa pelo antológico 20 Palavras ao Redor do Sol (1979), com músicas compostas com base em poemas de João Cabral de Melo Neto. Uma música da cantora foi trilha sonora do filme Cristais de Sangue, de 1975.e termina com No Bagaço da Cana – Um Brasil Adormecido (2012). Apenas Olinda, gravado em 1986, está indisponível.

Continue Lendo “Baixe gratuitamente a discografia de Cátia de França (PB) do blog Quadrada dos Canturis”

Colabore com o bem estar do músico e compositor João Bá, nosso querido irmão mais velho!

10929217_863770120352750_2905387707787127012_n
João Bá, poeta e cantador das belezas do sertão, parceiro de Dércio Marques e de Elomar, entre tantos outros bardos da música de resistência, já tem sete álbuns independentes; ao fundo o amigo João Arruda

 

Amigos e seguidores:

João Bá, compositor e cantor querido, está necessitando de procedimento cirúrgico e exames devido a recentes problemas no aparelho urinário. Está bem de saúde, mas por ser já octogenário e não poder aguardar pelo atendimento do sistema público (SUS), amigos como João Arruda se cotizaram e estão arrecadando contribuições para que estes cuidados necessários à manutenção do bem estar do nosso irmão mais velho sejam conseguidos, o mais breve possível, pela rede privada. Os dados da conta corrente para doações seguem abaixo. Em nome do nosso público, desde já o Barulho d’água Música agradece aos que ajudarem!

Banco do Brasil

Agência: 1515-6
Conta poupança: 43.672-0
Variação: 51
CPF: 338.594.288-88
Nome: João G A V Rodrigues     

Sobre João Bá 

O Brasil tem sido prodigioso em gerar compositores, músicos e escritores que com sua genialidade retratam e perpetuam as belezas dos sertões, sua gente e suas riquezas, seja o físico — aquele que tem suas vastas extensões territoriais em estados como Minas Gerais, Bahia, Piauí, Pernambuco: o agreste –; seja aquele que Elomar Figueira de Melo define como “profundo” — no qual só se penetra por meio de portais como o que se abriria a partir da pedra de Itaúna, ou seja, a porção mítica, imaginada, fantástica, que atravessa todos os tempos —; ou também a que é  explicada por uma forma de ser e de agir, um estado de espírito, conforme se depreende do sentido roseano. O próprio menestrel da quadra das águas perdidas que tornou-se sertanez por dissidência do estado no qual nasceu — a Bahia entendida apenas como Salvador, cidades do Recôncavo e litorâneas por esta dar as costas ao e relegar o sertanejo –, é um destes bardos, assim como vem sendo Levi Ramiro, Paulo Freire, Pereira da Viola e o foram João Guimarães Rosa, Luiz Gonzaga, João Cabral de Melo Neto, Ariano Suassuna e Dércio Marques.

O cantador, ator de cinema e teatro, e poeta João Bá também guerreia nesta cruzada e integra este panteão, e ainda hoje, no ápice dos seus 80 anos de idade, é um dos seus mais profícuos atalaias. Autor de mais de duzentas músicas, muitas gravadas por expoentes como Almir Sater, Diana Pequeno, Marlui Miranda, Hermeto Paschoal e o parceiro São Dércio, o menino que nasceu em Crisópolis  (BA) e que imediatamente após a queda do primeiro dente já se viu obrigado a trabalhar para ajudar no sustento da família de lavradores parece, ainda, morar dentro dele. A lida com a enxada e as dificuldades da infância pobre não impediram que já aos 12 anos João Bá começasse a compor e a cantar, sempre reverenciando e inspirando-se na natureza que o rodeava, tema recorrente até os dias de hoje em suas canções.

joao-ba-2011-03

Hoje cantador respeitado por onde passa e já visitou, a obra está reunida em sete discos independentes, além da participação em quatro faixas do álbum Aruanã, de 2005, lançado pela Warner-Chapelli/Y Records*.

Cavaleiro Macunaíma é a mais recente contribuição de João Bá na preservação e na divulgação destes universo e ânimo. O álbum ganhou noite de lançamento em agosto de 2014 no SESC Itaquera, justamente no ano durante o qual ele tornou-se octogenário, porém incansável. O disco reúne cirandas, bois, toadas, xotes, repentes, batuques, canções populares de rendeiras e lavadeiras que falam de paisagens, personagens e ritmos da cultura popular brasileira. Participam da obra Toninho Carrasqueira, João Arruda, Ivone Cerqueira, Fernando Guimarães, Sérgio Turcão, Sérgio Teixeira e Edu Barreto, Levi Ramiro, Joaquim Celso Freire, Nádia Campos, Rita de Cássia Costa, Déa Trancoso, Vidal França, Xangai, Gereba, Carlinhos Ferreira, Katya Teixeira, Ney Couteiro entre outros tantos cavaleiros.

Comprar os  CDs do João Bá (Cavaleiro Macunaíma, Amigo folharal e 50 anos de carreira) também é uma bela maneira de ajudá-lo neste momento. Basta escrever mensagem  para Nanah Correia pelo endereço virtual nanahcorreia22@yahoo.com.br!

SC 2

João Bá comemora 80 anos e lança “Cavaleiro Macunaíma” no SESC Itaquera

4
João Bá, abraçado pelo violeiro Paulo Freire, é uma das referências para vários cantores e artistas que preservam a cultura popular e dedicam-se aos temas do sertão (Foto: Marcelino Lima)

O Brasil tem sido prodigioso em gerar compositores, músicos e escritores que com sua genialidade retratam e perpetuam as belezas dos sertões, sua gente e suas riquezas, seja o físico, aquele que tem suas vastas extensões territoriais, por exemplo, o agreste, seja aquele que Elomar define como “profundo”, no qual só se penetra por meio de portais como o que se abre a partir da pedra de Itaúna — ou seja, a porção mítica, imaginada, fantástica, que atravessa todos os tempos — ou também a que é  explicada por uma forma de ser, um estado de espírito, conforme o sentido roseano. O próprio menestrel sertanez que tornou-se dissidente do estado no qual nasceu, a Bahia (entendida apenas como Salvador, cidades do Recôncavo e litorâneas) por esta dar as costas ao e relegar o sertanejo, é um destes bardos, assim como vem sendo Levi Ramiro, Paulo Freire, Pereira da Viola e o foram João Guimarães Rosa, Luiz Gonzaga, João Cabral de Melo Neto, Ariano Suassuna e Dércio Marques.

O cantador, ator de cinema e teatro, e poeta João Bá também guerreia nesta cruzada e integra este panteão, e ainda hoje, no ápice dos seus 80 anos de idade, é um dos seus mais profícuos atalaias. Autor de mais de duzentas músicas, muitas gravadas por expoentes como Almir Sater, Diana Pequeno, Marlui Miranda, Hermeto Paschoal e o parceiro São Dércio, o menino que nasceu em Crisópolis  (BA) e que imediatamente após a queda do primeiro dente já se viu obrigado a trabalhar para ajudar no sustento da família de lavradores parece, ainda, morar dentro dele. A lida com a enxada e as dificuldades da infância pobre não impediram que já aos 12 anos João Bá começasse a compor e a cantar, sempre reverenciando e inspirando-se na natureza que o rodeava, tema recorrente até os dias de hoje em suas canções. Hoje cantador respeitado por onde passa e já visitou, a obra está reunida em sete discos independentes, além da participação em quatro faixas do álbum Aruanã, de 2005, lançado pela Warner-Chapelli/Y Records*.

Joao-ba-2011-03
Com 80 anos completados e sete álbuns independentes, João Bá ainda carrega a alegria de um menino

“Cavaleiro Macunaíma”, a mais recente contribuição de João Bá na preservação e na divulgação destes universo e ânimo, está sendo lançado neste ano, justamente no qual ele torna-se octogenário, porém incansável. E vai ser apresentado ao público neste domingo, 31 de agosto, na Praça de Eventos SESC de Itaquera, em show entremeado por textos e movimentação cênica.. Acompanhado por Nanah Correia (voz e percussão), João Arruda (vocais e violas), Levi Ramiro (viola, violão e voz), Gabriel Levi (acordeom), Manoel Pacífico (percussão). João Bá subirá o palco às 19 horas.

O disco já está disponível e chega com cirandas, bois, toadas, xotes, repentes, batuques, canções populares de rendeiras e lavadeiras que falam de paisagens, personagens e ritmos da cultura popular brasileira. Participam da obra Toninho Carrasqueira, João Arruda, Ivone Cerqueira, Fernando Guimarães, Sérgio Turcão, Sérgio Teixeira e Edu Barreto, Levi Ramiro, Joaquim Celso Freire, Nádia Campos, e Rita de Cássia Costa, Déa Trancoso, Vidal França, Xangai, Gereba, Carlinhos Ferreira, Katya Teixeira, Ney Couteiro entre outros tantos cavaleiros.

O show faz parte do projeto “Festas Brasileiras- Brasis de Macunaíma” e  não será necessário retirar ingresso ou convites.

 

*Baixe a discografia de João Bá pelo linque http://quadradadoscanturis.blogspot.com.br/2014/01/joao-ba-discografia-para-download.html.

Abaixo a capa de três dos álbuns.

2010_Folharalcapa01997_Bacuraus