1300 – Fique em casa com boas músicas ouvindo playlists e lançamentos da gravadora Kuarup

Selo disponibiliza seleções de sucessos de cantores e compositores de seu catálogo e anuncia novos discos de Tuia Lencioni e das irmãs Célia e Celma

#Fiqueemcasa #ForaBolsonaro

Em tempos de pandemia por conta da propagação do novo coronavírus (Covid-19), ouvir boas músicas pode nos ajudar a cumprir a quarentena com mais tranquilidade e aliviar, ao menos, parte dos pesares que possam abalar o espírito. A Kuarup, que recentemente disponibilizou nas plataformas de streaming duas listas com sucessos de artistas que gravaram álbuns pelo selo (As Mais Tocadas e Renato Teixeira e Convidados), mesmo impedida de promover novos lançamentos com a presença de público, realizando, por exemplo, os seus já tradicionais pocket-shows em cidades como São Paulo e Rio de Janeiro, segue anunciando a chegada de novos álbuns às lojas e às plataformas, aumentando a oferta que em seu catálogo já é uma das mais ricas e ecléticas do mercado fonográfico. Dentre estes mais recentes discos, a Kuarup destaca Tuia, Versões de Vitrola 1, com Tuia Lencioni, e 50 anos Duas Vidas Pela Arte Ao Vivo, das irmãs Célia e Celma.

Continue Lendo “1300 – Fique em casa com boas músicas ouvindo playlists e lançamentos da gravadora Kuarup”

1283 – Em Achados & Perdidos, Luiz Millan (SP) faz “acerto de contas” com a carreira

Disco tem participação de Giana Viscardi e parcerias com Michel Freidenson, Moacyr Zwarg, Plínio Cutait, Marília Millan e Ivan Miziara. Além de músicas próprias, traz novos arranjos para ‘Brazil com S’, de Rita Lee, e Outro Cais, de Eduardo Gudin, entre outras 

O cantor e compositor paulistano Luiz Millan, escolheu o nome do seu quinto disco, Achados & Perdidos, como uma espécie de acerto de contas que ele faz com sua carreira, reunindo músicas novas, outras há muito tempo feitas, além de gravar, pela primeira vez, canções de outros compositores como Rita Lee e Marcos Valle. Nessa empreitada, contou com arranjos do pianista Michel Freidenson, com a cantora Giana Viscardi, e com verdadeiros mestres da música instrumental de São Paulo, como Sylvinho Mazzucca (baixo), Léa Freire (flauta), Edu Ribeiro (bateria), Camilo Carrara (violão) e Adriana Holtz (violoncelo). Na capa, uma foto de Millan em uma das “Reuniões Musicais”, na Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), em 1976.

Continue Lendo “1283 – Em Achados & Perdidos, Luiz Millan (SP) faz “acerto de contas” com a carreira”

1215 – Divulgados homenageados e datas de realização do 5º Prêmio Profissionais da Música, em Brasília (DF)

Cerimônia de entrega do troféu Parada da Música aos vencedores das 67 categorias de 3 modalidades está marcada para 3 de novembro

Os organizadores do 5º Prêmio Profissionais da Música (PPM) conseguiram driblar os efeitos das canetadas que cortaram recursos anteriormente garantidos à promoção dos eventos e à cerimônia de premiação dos finalistas, inicialmente planejadas para abril, e anunciaram que tudo será realizado entre 1º e 3 de novembro, em Brasília (DF). Os homenageados desta edição também foram divulgados: Ronaldo Bastos (Criação), Genildo Fonseca (Produção) e Claudio Santoro (Convergência), as três modalidades que concentram as 67 categorias dos finalistas, que juntas, envolvem 492 artistas e profissionais (selecionados a partir de mais de 1500 inscrições de todo o país que se submeteram às três etapas de votação ao longo do primeiro semestre de 2019). O Barulho d’água Música é finalista pela segunda vez consecutiva da categoria Canais de Divulgação de Música/Convergência e já confirmou que estará presente na capital federal.

Continue Lendo “1215 – Divulgados homenageados e datas de realização do 5º Prêmio Profissionais da Música, em Brasília (DF)”

1142 – “Dois por Dois Ao Vivo” apresenta composições de Luiz Millan e Moacyr Zwarg

Álbum e DVD distribuído pela Tratore reúne o pianista Michel Freidenson, o saxofonista e flautista Teco Cardoso e a cantora Anna Setton interpretando 17 composições da dupla em apresentação na Sala São Luiz, em São Paulo

Um  luxuoso estojo, distribuído pela Tratore, e gentilmente enviado ao Barulho d’água Música pelos jornalistas Moisés Santana e Beto Priviero  (Tambores Comunicações), guarda o álbum e o DVD Dois por Dois Ao Vivo, lançados em novembro pelos compositores Luiz Millan e Moacyr Zwarg , com músicas de ambos interpretadas pelo pianista Michel Freidenson e pelo saxofonista e flautista Teco Cardoso, mais a participação especial da cantora Anna Setton. Dirigido por Thales Menezes e gravado a partir do show promovido na Sala São Luiz, no Espaço Promon, em São Paulo, em agosto de 2016, Dois por Dois Ao Vivo  traz um repertório que explora pela linguagem jazzística ritmos brasileiros como samba, baião e frevo.

Continue Lendo “1142 – “Dois por Dois Ao Vivo” apresenta composições de Luiz Millan e Moacyr Zwarg”

1136 – Claudette Soares e Alaíde Costa rememoram 60 anos de Bossa Nova em álbum imperdível da Kuarup

Antologia produzida por Thiago Marques Luiz reúne 25 músicas, revisitadas em 18 faixas emblemáticas, do movimento até hoje é respeitado no mundo inteiro

Está rolando hoje aqui no cafofo do Barulho d’água Música na aprazível, mas abafada São Roque (SP), em mais uma audição matinal de sábado, o extraordinário e gostoso álbum 60 Anos de Bossa Nova, gravado em março no luxuoso Teatro Itália, em São Paulo, pelas divas Claudette Soares e Alaíde Costa. Mais uma joia do catálogo da gravadora Kuarup, o exemplar do álbum que está na vitrolinha nos foi cedido, gentilmente, pelos amigos Beto e Moisés, da Tambores Comunicações, aos quais mais uma vez somos gratos; estendemos nossa gratidão também a Rodolfo Zanke, que à frente da gravadora vem promovendo lançamentos e resgates que passam longe dos mais comuns que infestam o mercadão e com os quais certos programadores e agentes adoram torturar nossos ouvidos.  Então fica a dica: para quem ainda não conhece 60 Anos de Bossa Nova, corra atrás, aproveite a época de festas, peça ao ou presentei o amigo oculto com esta maravilha que pode ser curtida pelo linque abaixo.

Continue Lendo “1136 – Claudette Soares e Alaíde Costa rememoram 60 anos de Bossa Nova em álbum imperdível da Kuarup”

1122 – “O Banquete dos Mendigos”: disco duplo de Jards Macalé e um coletivo de artistas que peitaram a ditadura completa 45 anos

Bolachão foi gravado ao vivo na cidade do Rio de Janeiro,  em clima tenso, com tropas dentro e fora do MAM e ficou seis anos “recolhido” até finalmente ser lançado em 1979, intercalando músicas e os 30 artigos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, que, naquele dia, completava 25 anos

Com o blogue Criatura de Sebo e Jornal GGN

O Barulho d’água Música retoma a série Clássico do Mês para nesta mais nova atualização antecipar a comemoração do aniversário de 45 anos, que ocorrerá em 10 de dezembro, do álbum O Banquete dos Mendigos, gravado ao vivo, em 1973, no Museu de Arte Moderna (MAM), na cidade do Rio de Janeiro. E por que antecipar a matéria sobre este emblemático disco? Para recordar  nestes tempos em que há nuvens sombrias pairando sobre os valores e as instituições que promovem a democracia, o respeito e amor ao próximo, que o show que resultou na gravação do projeto dirigido por Jards Macalé comemorava, naquela ocasião, os 25 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, mas também tinha a função de chamar a atenção da população brasileira para a violação, em larga escala e sob aplicação de intensa violência, de direitos civis pelos militares que estavam no poder. Após a Comissão Nacional da Verdade, recentemente, entregar seu relatório oficial sobre as barbaridades cometidas em nome do Estado nos anos de chumbo, cobrou-se a punição aos crimes da ditadura, o fim de seus “entulhos” — resquícios como os “autos de resistência”, que ceifam a vida da juventude negra nas periferias do país, a perseguição às minorias que formam o segmento LGBT,  aos partidários de setores mais à esquerda do espectro político — que candidatos durante as mais recentes eleições voltaram a demonizar, atribuindo a adversários socialistas, por exemplo, pechas e rótulos que não só os desumanizam, como os transformam em “monstros”, trazendo das trevas, por exemplo, a ridícula crença de que “comunistas” são por si só homens maus e que estes “comem criancinhas”, como se dizia naquela época na qual as “fake news” já estavam por ai.   Continue Lendo “1122 – “O Banquete dos Mendigos”: disco duplo de Jards Macalé e um coletivo de artistas que peitaram a ditadura completa 45 anos”

957 – Selo Sesc disponibiliza primeiros 16 álbuns do catálogo para audição por streaming

Quem curte os álbuns fonográficos do Selo Sesc já pode acessar parte do catálogo por meio de plataformas como Spotify, Deezer, Apple Music, Google Play Music, e Napster. O primeiro lote reúne 16 títulos entre os quais No Voo do Urubu, de Arthur Verocai; A Saga da Travessia, de Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz; Com Alma, da Banda Mantiqueira; Virgínia Rosa Canta Clara, de Virgínia Rosa; e Café no Bule, de Zeca Baleiro, Naná Vasconcelos e Paulo Lepetit. Doravante, os lançamentos também serão liberados para os servidores de streaming e a promessa do Sesc é que até dezembro todos os discos já lançados desde 2004 estejam disponíveis.

Continue Lendo “957 – Selo Sesc disponibiliza primeiros 16 álbuns do catálogo para audição por streaming”

933 – Forte Piano do Sesc Ipiranga recebe o renomado arranjador e compositor Laércio de Freitas

O consagrado pianista, compositor e arranjador Laércio de Freitas está escalado para abrilhantar a segunda rodada do projeto Forte Piano, que a unidade Ipiranga do Sesc da cidade de São Paulo inaugurou em 9 de abril, com a apresentação de Bailado, espetáculo que reuniu o pianista Daniel Grajew e o contrabaixista Marcos Paiva. A rara oportunidade de ver e ouvir Laércio de Freitas, pianista da lendária Orquestra Tabajara, do Sexteto de Radamés Gnatalli e autor de cinco discos solos lançados, sem contar dezenas de arranjos executados por grandes intérpretes e orquestras, está programada para começar às 18 horas do domingo de Páscoa, 16 de abril (veja a guia Serviços).

Continue Lendo “933 – Forte Piano do Sesc Ipiranga recebe o renomado arranjador e compositor Laércio de Freitas”

887 – Dulce Quintal lança bolachão inédito, no Sesc Belenzinho (SP), e edições digitais dos três primeiros álbuns

A unidade Belenzinho do Sesc da cidade de São Paulo receberá em 25 de junho a cantora e compositora Dulce Quental (Rio de Janeiro/RJ), uma das precursoras do pop brasileiro, para lançamento do do elepê Música e Maresia. A apresentação, programada para o teatro que fica no terceiro andar do prédio, começará às 21 horas. O disco traz a marca atemporal da artista em gravações inéditas realizadas em meados da década de 1990 e com arranjos originais da época de composições feitas em parceria com Frejat, George Israel (Kid Abelha)e Luiz Carlini (banda Tutti Frutti). Dulce Quental, vocalista  da banda Sempre Livre, é autora de discos antológicos e assegura que fãs e críticos também ficarão surpresos pela atualidade sonora deste álbum que além dos citados Frejat e Carlini contará, ainda, com participações de músicos como Sasha Amback, Jaques Morelenbaum, Rodrigo Santos (Barão Vermelho), Sérgio Dias (Mutantes) e Nilo Romero (que assina a produção musical de algumas faixas).

Continue Lendo “887 – Dulce Quintal lança bolachão inédito, no Sesc Belenzinho (SP), e edições digitais dos três primeiros álbuns”

874 – Mauri de Noronha (PE) grava programa Sr.Brasil em edição que homenageia Cornélio Pires e recebe trombonista Raul de Souza

O apresentador Rolando Boldrin recebeu no palco do Sesc Pompeia para novas gravações do Sr. Brasil o cantador e poeta Mauri de Noronha (PE), que lançou em outubro com participação de Chico Pedro o álbum acústico De Repente, Cantador, o terceiro da carreira. Mauri de Noronha atualmente reside em Aracaju (SE), mas vem edificando sua trajetória com sessões musicais e declamações ao violão das mais aplaudidas em São Paulo junto ao flautista chileno integrante do grupo de música latino-americana Raíces de América. Na noite de 11 de maio, quando Boldrin o apresentou ao público brasileiro que sintoniza a TV Cultura, Mauri de Noronha ganhou de imediato a aprovação e a simpatia da plateia cantando a cappela Sereia de Aruanda, com marcante acompanhamento do percussionista Afonsinho Menino. Depois, com Chico Pedro, cantou Gameleira, seguida pela declamação de Face e por Proezas, cujas letras e versos carregam fortes mensagens de protesto contra a exploração do homem pelo homem.

raul de souza

Antes de receber Mauri de Noronha, Rolando Boldrin gravara com o trombonista Raul de Souza. O músico carioca que atualmente reside no sudoeste da França (“em uma cidade medieval próxima de Toulouse, numa casa que data de 1628 e está intacta”) tocara na véspera em Salvador (BA), durante festival de música instrumental. Tem 60 anos de carreira e 81 de idade, mas se chama de pia batismal João José Pereira de Souza. 

“Raul” é escolha de Ary Barroso, ocorrida durante programa de calouros da Rádio Nacional, na década dos anos 1940. O apresentador queria homenagear Raulzão, o então consagrado mestre do trombone Raul de Barros. E ainda acrescentou ao garoto que obtinha as notas máximas do juri: “João José não é nome para artista!” Como talento independe do nome… Raul de Souza virou referência do instrumento nos melhores palcos do jazz puro malte, incluindo temporadas das mais concorridas em Boston (Estados Unidos) onde morou e estudou na Berklee Music College, depois de um período de residência entre tacos e tequilas. E até no castelo do Principado Soberano de Mônaco, em festa de aniversário da princesa Greice Kelly, ele deixou nobres, súditos e plebeus de queixos caídos!

Entre seus muitos parceiros a biografia menciona Frank Rosolino, lenda do trombone nascida em Detroit, mais Johnson, Cannonball Adderley, Airto Moreira, Flora Purim e João Donato — um time no qual não haveria reservas, que não se resume a apenas 11 camisas e para ninguém botar defeito já que jamais pisaria na bola ou judiaria da donzela como compraz aos beques de fazenda. Ao lado de Glauco Solter (contrabaixo acústico) e Sandro Haick (violão), Raul de Souza, por sinal, elogiou com uma das composições que tocou no Sesc Pompeia o amigo Rosolino, Saudades do Frank. Em determinado ponto da gravação, didático, passou a explicar e a mencionar minúcias sobre os vários tipos de trombones que existem, explanação que concluiu antes de  Rio Novo com a seguinte exclamação: “Para falar a verdade, para mim, não importa muito de que tipo é um trombone, mas sim a sonoridade que ele toca. O meu, por exemplo, tem sonoridade azul. E não é um azul escuro, carregado, não! É um azul de céu, bem mais calmo!”.

pedromassa

Pamonha na conversa

A dupla de Tietê (SP) formada pelo violeiro Pedro Massa e Fábio Tomazela também se sentou no banco no qual está pousado o canário da terra de Boldrin para, tendo como porta-voz o primeiro, falar sobre a vida e a inestimável obra de Cornélio Pires, conterrâneo de ambos os convidados da região de Piracicaba.

Cornélio Pires é considerado o “Pai da Música Caipira” por ter aberto portas para os primeiros artistas do campo dedicados à viola, ainda na década de 1920, chegando ao primor de fundar um selo próprio (vermelho, para se diferenciar das demais gravadoras) e a pagar repetidas prensagens de discos que ele mesmo saia a vender pelo Estado, ajudando desta forma a consagrar o gênero. É de Cornélio Pires, por exemplo, Jorginho do Sertão, a primeira música caipira sulcada em 78 rpms no país, em maio de 1929, na voz de Mariano e Caçula, este pai do músico Caçulinha. Massa e Tomazela relembraram a pérola do empreendedor pioneiro que Boldrin trata por “guru” e ao qual sempre se refere com destacada reverência.  

chico santeiro

A gravação do Sr.Brasil da noite de 11 de maio abriu espaço, ainda, para a participação do artesão Chico Santeiro (Barbalha/CE), atualmente residindo em Votorantim, município da região de Sorocaba. Chico Santeiro é Francisco Vieira dos Santos, já esculpiu de acordo com os próprios cálculos mais de 1.600 imagens e trabalha também com decoração e restauração de artes sacras. Após a entrevista, entregou ao Sr. Brasil escultura de São Joaquim, em alusão à terra natal de Boldrin, São Joaquim da Barra (SP).  

As gravações com Raul de Souza, Mauri de Noronha, Paulo Massa e acompanhantes para o Sr. Brasil, além da entrevista de Boldrin com Chico Santeiro, ainda não têm datas definidas para serem levadas ao ar pela TV Cultura e, necessariamente, serão apresentadas em um único programa, acopladas como na noite que foram captadas. Enquanto aguardamos, quem quiser curtir um pouco mais ou conhecer a obra do cantador de Garanhuns poderá comparecer em 20 de maio ao Espaço da Rosa Latino-Americana (ERLA), situado na rua Santo Antônio,  1025-A, Bixiga, tradicional bairro paulistano. Mauri de Noronha assumirá o microfone a partir das 20 horas novamente em companhia de Afonsinho Menino e Chico Pedro, com o reforço de Narcirio Pinheiro à guitarra. Para mais informações há o telefone 11 3129-4374.

ninguém está vendo