1202 – Conheça “11 Estudos para Viola Brasileira”, álbum de Reinaldo Toledo (MG/SP)

Nesta semana que passou as audições aqui no boteco do Barulho d’água Música privilegiaram 11 Estudos para Viola Brasileira, álbum lançado em agosto de 2018 por Reinaldo Toledo, professor, violeiro e compositor natural de Cássia (MG), atualmente residindo em Franca, Interior de São Paulo. O disco, cujo exemplar que tocamos na vitrola gentilmente nos foi enviado pelo autor, é um trabalho que visa a contribuir de forma ampla com o desenvolvimento técnico e a expressividade musical do estudante e/ou violeiro e também para servir de material de apoio a professores do instrumento. Traz apresentação do professor do Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP), pesquisador e violeiro Ivan Vilela e ganhará versão em livro de partituras no primeiro semestre de 2020. “Com sua música, Reinaldo nos conduz a uma atmosfera de sensibilidade e beleza dando assim uma imensa contribuição ao mundo da viola”, observou Vilela. “Adiante, Reinaldo, você tem sempre muito a dizer com o instrumento nas mãos.”

Continue Lendo “1202 – Conheça “11 Estudos para Viola Brasileira”, álbum de Reinaldo Toledo (MG/SP)”

Anúncios

1198 – Trio Café Mestiço faz show de lançamento de álbum homônimo na Casa Museu Ema Klabin (SP)

Depois de passar por  quatro cidades, Michi Ruzitschka, Ricardo Araújo e Beto Angerosa encerram a turnê de lançamento do primeiro álbum que gravaram com instrumentos de universos diferentes para oferecer aos ouvintes uma viagem musical poética e inusitada, com a participação especial de Toninho Ferragutti

O Trio Café Mestiço, formado por Michi Ruzitschka (violão 7 cordas), Ricardo Araújo (guitarra portuguesa) e Beto Angerosa (percussão), vai se apresentar neste sábado, 8 de junho, a partir das 16h30, como atração o Programa Tardes Musicais na Casa-Museu Ema Klabin, no jardim Europa, em São Paulo. O público ouvirá sem precisar pagar ingresso músicas do álbum Café Mestiço, o primeiro do trio, que mescla no repertório estilos musicais como o choro, o chamamé, e tangos tais quais Oblivion, do argentino Astor Piazolla, e o clássico La Catedral, do compositor paraguaio Agustín Barrios, com arranjo inspirado no ritmo flamenco Bulería.

Continue Lendo “1198 – Trio Café Mestiço faz show de lançamento de álbum homônimo na Casa Museu Ema Klabin (SP)”

1186 – Conheça o autor de “Luar do Sertão”, poeta admirado nos palácios e aclamado nas ruas

Ao apostar na temática popular e cantar a dor de amores contrariados, Catulo da Paixão Cearense levou a música da boemia para os salões da aristocracia carioca, com um toque de regionalismo, consagrando-se como um dos nossos mais criativos autores e compositores

Linques originais das matérias que ajudaram a produzir este texto:

https://www.sescsp.org.br/online/artigo/12103_SERESTAS+AO+LUAR

https://www.sescsp.org.br/online/selo-sesc/608_A+PAIXAO+SEGUNDO+CATULO#/tagcloud=lista

O Barulho d’água Música recorreu mais uma vez às páginas da Revista E, do Sesc de São Paulo, para trazer aos amigos e seguidores esta atualização sobre Catulo da Paixão Cearense, autor de joias memoráveis do nosso cancioneiro — algumas que há mais de cem anos embalam sucessivas gerações, como Luar do Sertão –, rememoradas em álbum do Selo Sesc lançado em 2013 e em matéria publicada na edição de junho de 2018 da Revista E, conforme disposto nos linques acima deste texto.

Hoje, 10 de maio, completam-se 73 anos que o Brasil parou para acompanhar em 1946 os funerais do violonista e seresteiro, poeta e compositor dos mais geniais e que costumava dizer: o violão o conduziu à poesia e sua sensibilidade foi formada pelo contato com a natureza nordestina. Catulo nasceu em 8 de outubro de 1863, mas diferentemente do que sugere o próprio nome, veio ao mundo na cidade de São Luiz, capital do estado do Maranhão, de onde a mudança com a família para o Ceará ocorreu quando ainda era criança. Além de alimentar as lembranças da infância, a região do novo lar entrou em seu repertório por meio da literatura de cordel e de cantadores como Manoel Riachão.

Continue Lendo “1186 – Conheça o autor de “Luar do Sertão”, poeta admirado nos palácios e aclamado nas ruas”

1075 – Ceumar, Lui Coimbra e Paulo Freire lançam álbum em homenagem a Inezita Barroso no Ibirapuera (SP)

Trio forma o projeto Viola Perfumosa, trabalho que procura resgatar e reciclar a genialidade e a sofisticação das melodias e da poesia da música que se convencionou chamar “caipira”

Marcelino Lima, com assessoria de imprensa do projeto Viola Perfumosa

O coletivo Viola Perfumosa, formado por Ceumar (MG), Lui Coimbra (RJ) e Paulo Freire (SP), três dos mais expressivos cantautores contemporâneos da música brasileira, estarão no palco do auditório Oscar Niemeyer do Ibirapuera, em São Paulo, no domingo, 24, para lançamento do primeiro álbum do trio. A casa de espetáculos que está entre os espaços culturais mais consagrados não apenas da Capital paulista deverá receber lotação máxima para a apresentação prevista para começar às 19 horas, pois os músicos prestarão tributo à rainha da música caipira, Inezita Barroso, lançando o primeiro álbum do grupo e recordando sucessos como Luar do Sertão; Tamba-TajáÍndia e Marvada Pinga, eternizados por ela e que ganharam releitura camerística unindo viola caipira e violoncelo, rabeca e alfaias e se mesclam a Villa-Lobos e a canções do repertório autoral do trio. O resultado é um show sutil, reverente e surpreendente como Inezita gostaria, com participações especiais de Guello (percussão) e Bruno Migliari (contrabaixo).

Continue Lendo “1075 – Ceumar, Lui Coimbra e Paulo Freire lançam álbum em homenagem a Inezita Barroso no Ibirapuera (SP)”

879 – Está saindo do forno álbum com Vânia Bastos e Marcos Paiva em homenagem à Pixinguinha

O álbum Concerto para Pixinguinha, um dos mais bonitos tributos dos últimos tempos ao carioca mestre do choro, está previsto para chegar em junho. O trabalho é resultado das apresentações que a cantora Vânia Bastos e o contrabaixista Marcos Paiva fazem há mais de três anos pelo Brasil e  marca a estreia do selo Conexão Musical, do paulista Fran Carlo. O produtor cultural trabalha com Vânia Bastos, há vinte anos, é responsável pela direção artística do projeto que por onde passa lota teatros e casas de espetáculos e em formato digital trará temas consagrados e canções de Pixinguinha pouco divulgadas, nem por isso menos marcantes, tais quais Lamento, Rosa,  Samba de Fato e Isso é que é Viver. Marcos Paiva responde pela direção musical, divide-se entre vários instrumentos e também participa com vocais. O designer da capa é de Luciano Murina, a foto de Vinícius Campos.

Continue Lendo “879 – Está saindo do forno álbum com Vânia Bastos e Marcos Paiva em homenagem à Pixinguinha”

Dia Nacional do Choro, em homenagem a Pixinguinha, completa 15 anos

A0715p09
Pixinguinha, compositor e arranjador, flautista e saxofonista, deixou obras primas do choro como Carinhoso, 1×0 e Lamento

 

Hoje, 23 de abril, comemora-se o 15º ano da introdução no Brasil do Dia Nacional do Choro, data escolhida em 2.000 por ser o dia de nascimento de Alfredo da Rocha Vianna Filho, que ficou conhecido por Pixinguinha (Rio de Janeiro, 1897, Rio de Janeiro, 1973), flautista, saxofonista, compositor e arranjador brasileiro, criador entre outros do célebre Carinhoso.

Continue Lendo “Dia Nacional do Choro, em homenagem a Pixinguinha, completa 15 anos”

Dia da Música terá mais de 100 shows no Brasil em junho. Bandas já podem pedir votos e público indicar favoritas.

1422998710.highlight

As cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro abrigarão mais de um centena de shows e dezenas de outros ocorrerão pelo Brasil durante 20 e 21 de junho, datas reservadas ao Dia da Música, evento organizado e patrocinado  por empresas ou grupos como o GVT e a Rede Globo, além da Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro e da Secretaria de Cultura do Governo do Rio de Janeiro, em parceria com os promotores mundiais da Fête de la Musique.

Continue Lendo “Dia da Música terá mais de 100 shows no Brasil em junho. Bandas já podem pedir votos e público indicar favoritas.”