1058 – Violeiro Arthur Noronha busca afirmação além de Goiânia com primeiro disco autoral

Um novo violeiro começa a buscar espaço no seleto universo da rica e diversificada música regional brasileira a partir de Goiânia, cidade Capital do Estado de Goiás, onde nasceu e vive. E novo, neste caso, não é mera força de expressão para destacar um promissor nome que está surgindo em busca de afirmação já que Arthur Noronha, cantor e compositor instrumentista de viola caipira, conta apenas… 20 anos de idade! Em 2017, seu cartão de visita reivindicando este reconhecimento chegou às lojas e plataformas digitais e é com esta credencial que o talentoso rapaz pretende alçar voos mais altos, para além do Planalto Central, ganhando os palcos para apresentação do álbum de De Tudo de Mim, que reúne o material que guardava desde a infância.

Continue Lendo “1058 – Violeiro Arthur Noronha busca afirmação além de Goiânia com primeiro disco autoral”

Anúncios

699 – Violeiros Fábio Porte (SP) e Lucas Ventania (MG) apresentam canções autorais e da tradição caipira no Campo Limpo e no Bixiga, em Sampa

fabio-porte-quadro

O Sesc do Campo Limpo, situado no bairro homônimo na zona Sul paulistana, reservou o palco para o cantor e compositor Fábio Porte apresentar neste domingo, 25, músicas do seu mais recente álbum, Trilhos da Vida e do anterior, o instrumental Jacarandá do Brasil, mescladas a canções consagradas do cancioneiro caipira e regional tais quais Caboclo na cidade (Dino Franco), Merceditas (Ramoncistos Gomes) e Menino da porteira (Teddy Vieira e Luizinho). Não haverá cobrança de ingresso para curtir a cantoria, prevista para começar às 13 horas. 

Continue Lendo “699 – Violeiros Fábio Porte (SP) e Lucas Ventania (MG) apresentam canções autorais e da tradição caipira no Campo Limpo e no Bixiga, em Sampa”

Homenagem ao Sr. Brasil pelos 10 anos na TV Cultura deixa lotada a Sala São Paulo

O Barulho d’Água Música acompanhou, ontem, 20 de julho, a gravação do programa especial que marca os 10 anos do Sr. Brasil, com Rolando Boldrin, na TV Cultura. O apresentador recebeu no palco da Sala São Paulo Mônica Salmaso e o grupo Pau Brasil, Vital Farias, Saulo Laranjeira, Luís Carlos Borges, Arismar do Espírito Santo e Jane Duboc, Casuarina, Luca Bulgarini e o Quinteto Violado, entre outros músicos. E também cantou e declamou, além de contar pitorescos e curiosos causos, uma das marcas do programa. Na plateia que ocupou praticamente todas as cadeiras, Boldrin contou com o prestígio dos músicos que formam o Projeto 4 Cantos Cláudio Lacerda, Luiz Salgado, Rodrigo Zanc, Wilson Teixeira, mais Zé Geraldo, Fábio PorteConsuelo de Paula, Osni Ribeiro, Jaime Alem e esposa Nair Cândia, Daniela Lasalvia, Lucas Ventania, Danilo Gonzaga Moura, do Trio José, e Socorro Lira e vários outros cantadores e artistas de diversos segmentos.

Continue Lendo “Homenagem ao Sr. Brasil pelos 10 anos na TV Cultura deixa lotada a Sala São Paulo”

Daniel Franciscão, violeiro, professor e regente comemora aniversário em Jundiaí (SP)

Daniel Franciscão
Daniel Franciscão nasceu e atua em Jundiaí, cidade do interior paulista na qual ajudou a fundar e rege a Orquestra de Violeiros Terra da Uva, além de acompanhar Cláudio Lacerda e outros cantadores da música de raiz e caipira (Fotos: Marcelino Lima)

 

Violeiro de profissão, professor de viola e regente, desde 2011 à frente da Orquestra de Violeiros Terra da Uva, hoje é aniversário do também compositor Daniel Franciscão.

Natural de Jundiaí, onde exerce suas atividades e está a sede da OVTU, autor entre outros trabalhos do álbum Violeiro de Profissão, tem também se destacado acompanhando vários parceiros de estrada em projetos do circuito Sesc e programas como o Sr. Brasil, entre os quais Cláudio Lacerda e Lucas Ventania e como estes tornou-se um dos amigos e entusiastas do projeto do Barulho d’água Música. E é tanto por este imprescindível apoio, quanto pelo seu inestimável talento que a equipe do blog transmite votos de sucesso, paz e alegria, não apenas hoje e na carreira, mas ao longo da vida e no seio da família, que costuma juntar-se em quatro gerações para ver de perto o filho talentoso.

Há três anos representando Jundiaí, cidade do Interior paulista, e trabalhando pela preservação, memória e divulgação de tradições da cultura popular, a OVTU é composta por 29 integrantes. Das cordas dos integrantes em seus concertos costumam soar consagrados sucessos da música regional e popular brasileira, além da introdução de Stairway to haven (do Led Zeppelin, para abrir Cio da Terra, de Milton Nascimento e Chico Buarque) e da Tarantela Napolitana, dedicada por Franciscão aos imigrantes de Itália que ajudaram a fundar e a desenvolver Jundiaí.

daniel terra da uva
Daniel Franciscão à frente da OVTU, em 18 de dezembro de 2014, durante apresentação do Tribunal de Justiça de São Paulo

 

O eclético repertório do concerto, de acordo com Franciscão, é derivado em maior parte de uma pesquisa das composições nacionais de variados tipos e ritmos. As músicas permitem passear por todas as regiões do país e por épocas distintas, apresentando a genialidade dos nossos compositores, consagrados ou não, mas todos dotados de elementos que ajudam a esboçar uma identidade que define o conceito de brasilidade.

O apuro do regente e dos violeiros também se verifica na escolha de peças clássicas que possam ser adaptadas às cordas da viola caipira, tais quais o Hino da Vitória que tantos domingos marcou pra o povo brasileiro utilizado como tema para as vitórias do tricampeão de Fórmula 1 Ayrton Senna. Sem modificar a linguagem do instrumento, a OVTU comprova que a viola de dez cordas, embora seja quase que exclusivamente vinculada ao universo de raiz e das modas populares, pode ainda frequentar as salas de concertos clássicos, tabelando perfeitamente e sem distorções com outras formas de manifestações musico-culturais. 

we sind www

Lucas Ventania é o aniversariante de hoje, 4 de novembro

O violeiro mineiro Lucas Ventania, natural de Alpinópolis e atualmente radicado em São Paulo (SP), é o aniversariante de hoje, 4 de novembro.

 

ventania
Lucas Ventania tem três álbuns gravados (Foto Marcelino Lima)

Autor de três álbuns nos quais canta composições próprias e interpreta clássicos de raiz e da música popular, Ventania utiliza este nome artístico em homenagem ao antigo nome da cidade natal, São Sebastião da Ventania, situada em uma das regiões mais prósperas do Sul Minas Gerais, a 900 metros de altura e encravada ao sopé de uma cadeia de montanhas, além de oferecer várias cachoeiras aos moradores e turistas.

Em junho, ao lado de Daniel Franciscão (viola caipira) e Turcão (baixolão) Ventania esteve no Teatro do Sesc Pompeia, onde gravou participação no programa Sr. Brasil, de Rolando Boldrin, levado ao ar em 5 de outubro pela TV Cultura de São Paulo.

 

 

Nóis é Jeca mas é Jóia

cd_1.jpg

1. Entre a Serpente e a Estrela
2. Tocando em Frente
3. Nois é Jeca mas é Joia
4. Não Mande a Geada Não
5. Sonhos de um Colibri
6. Meninos
7. Trem do Pantanal
8. Reciclagem
9. Pássaro
10. Cremesse (Conto Caipira)

Pedaço de Chão

cd_2.jpg

1. Dona Vida
2. Salve a Chapada Diamantina
3. Aprendendo a Viver
4. Vai Só
5. Vida de Peão
6. História de Pescador
7. Participação
8. Meninas Gerais
9. Pelo Sinal
10. Pedaço de Chão
11. Do Coração
12. Boca de Pêssego

Raízes

cd_3.jpg

1. Escolta de Vagalumes
2. Assim é o sertão
3. Dono das Madrugadas
4. Frete
5. Felicidade do Caboclo
6. Orgulhosa
7. Sina de Violeiro
8. Rancho Triste
9. Recolhida
10. Raízes
11. Tô Precisando

Lucas Ventania estará no Sr.Brasil; Boldrin tira da gaveta do tempo Pery Ribeiro

????????
Lucas Ventania, mineiro de Alpinópolis residente em São Paulo, cantou clássicos das músicas caipira e regional no banco em que dividiu com o apresentador Rolando Boldrin (Fotos: Marcelino Lima)

O programa Sr.Brasil que a TV Cultura levará ao ar neste domingo, 5 de outubro, às 10 horas, terá entre as atrações o cantor Lucas Ventania, natural de Alpinópolis (MG) e, atualmente, residente em São Paulo. Ventania gravou com Rolando Boldrin em 4 de junho, no teatro do SESC Pompeia, acompanhado de Sérgio Turcão (baixolão) e Daniel Franciscão (viola), ocasião em que cantou “Orgulhosa” (Mário Zan e Nhô Pai), Felicidade de Caboclo (Pichincha e Gino Alves), e Peão (Almir Sater e Renato Teixeira), esta tocando gaita.

Continue Lendo “Lucas Ventania estará no Sr.Brasil; Boldrin tira da gaveta do tempo Pery Ribeiro”

Turcão restitui disco zoado por gato

Sérgio Turcão, que faz dupla com Jica, no palco do SESC Pompeia (Marcelino Lima)

O querido Sérgio Turcão, que forma com o amigo Jica uma das mais irreverentes duplas paulistas e do Brasil e que, juntos, também integraram o Tarancón na década dos anos 1970, restituiu à minha coleção de discos um título precioso, cujo exemplar anterior foi inutilizado por uma traquinagem de um dos meus antigos gatos: “Música de Relaxo”, o primeiro disco que eles lançaram, inicialmente pela Carambola Discos, e que agora ganhou nova tiragem com o selo da Tratore. Turcão salvou o acervo do Barulho d’água no camarim do teatro do SESC Pompeia em 4 de junho. Naquela noite, minutos antes, ele acabara de tocar com Daniel Franciscão e o convidado especial do programa Sr. Brasil, Lucas Ventania.

Classificar o estilo de Jica y Turcão seria algo impreciso demais. As faixas de “Música de Relaxo”, como eles mesmos indicaram no subtítulo, têm elementos “afrocaribenhalatinocaipirabrasileiros”, compostos em letras cujo tempero é o bom humor, a maioria escrita por ambos. A intenção é mesmo descontrair, e relaxar não necessariamente comporta aqui o sentido de esculachar. Dentro desta proposta, Jica y Turcão também readaptaram  marchinhas folclóricas como “Tororó”, da Bahia, e “La Cucaracha”, do México. Nesta sobrou até para a clássica “Chico Mineiro”. Cantada em italiano, a saga da última viagem para o sertão de Goiás virou “Francesco Minero”, com direito a referências a Rita Pavone e Nico Fidenco e Gino Paoli, entre outros cantores da Bota.

Capa de “Música de Relaxo”, da dupla Jica y Turcão, ambos ex-integrantes do Tarancón

Há no disco, ainda, cômicas alusões a algumas colônias de imigrantes cujos representantes elegeram Sampa para viver, como “Buxa o cordão”, cujas personagens são os libaneses Nagib e Salomão, “Melô do Portuga”, “Japa” e “Ai de mim”, cujo refrão é “ai de mim, ai de mim, eu fui passar o Carnaval em Berlim” onde quem toca o pandeiro é nada mais, nada menos, que o elegante Franz Beckenbauer, capitão da seleção alemã campeã do mundo em 1974.

Turcão e este blogueiro, no camarim do SESC Pompeia (Foto: Elisa Espíndola)

O repertório de “Música e Relaxo”, do qual se pode destacar, ainda, “Vinheta quem gosta”, e passeia por Paranapiacaba, Pindamonhangaba, Itaquaquecetuba, Pirassununga, Ituverarva e Aldeia de Carapicuíba, colocou o álbum entre os concorrentes ao Prêmio Sharp de 1996. A sátira e a paródia também são ingredientes básicos nos dois outros álbuns de Jica y Turcão, “Ord Music” e “Preto no Branco”.

 

Noite para contar aos netos!

A noite de 4 de junho ficará na memória! Estive no teatro do SESC Pompeia e em privilegiado assento na primeira fila acompanhei a gravação de mais uma participação do Rodrigo Zanc para o programa Sr. Brasil. Ao meu lado estavam Wilson Teixeira, Cláudio Lacerda, Andreia Regina Beillo, Elisa Espíndola, Enos Emerick, Isaías Andrade e tantos outros bons amigos.

Zanc cantou três faixas de "Fruto da Lida"
Zanc cantou três faixas de “Fruto da Lida”

Zanc cantou com apoio de Bruno Bernini, Thadeu Romano e Thiago Carreri as faixas “Eu sou da roça”, “Entalhes da Vida” e “Luz das Candeias”, contidas em “Fruto da Lida”, lançado em outubro de 2013. Este é o segundo trabalho do compositor de Araraquara, atualmente morando em São Carlos. Em 2006, Zanc colhera do seu variado e fértil pomar o álbum “Pendenga”.

O anfitrião, Rolando Boldrin, estava ainda melhor do que sempre é. Descontraído, iniciou o programa com o poema de sua autoria “Vamos tirar o Brasil da gaveta”. Assim que Zanc concluiu a primeira canção, Boldrin solicitou a viola do convidado e por um instante mostrou para a plateia o quanto é exímio no trato com as cordas. Era apenas uma “palhinha”, um “esquenta” para o ponto alto que ocorreria no terceiro bloco, quando brindou o público com duas composições dele. Que honra foi presenciar o próprio criador há apenas alguns metros cantando e tocando com brilhosos olhos de felicidade, como quem realmente se sente entre amigos, sua peça mais famosa: “Vide e Vida Marvada”! Moço vai ouvindo, vai ouvindo: não sei como contive as lágrimas por tamanha benção caída do céu, onde com certeza, Deus repetia o refrão fazendo um sinal de positivo para São Pedro “é que a viola fala alto no meu peito humano…”

Boldrin contou causos divertidíssimos e cantou "Vide e Vida Marvada".
Boldrin contou causos divertidíssimos e cantou “Vide e Vida Marvada”.

Não chorei, mas como ri e gargalhei de até perder fôlego. Aliás, mentira: chorei sim, mas de tanto rachar o bico com os causos que Boldrin contou já que meus dois de ver ficaram bem marejados. Uma das anedotas era sobre um caipira que resolveu criar uma galinha “americana”, gringa da crista aos pés, altiva, de olhos verdes, lavada a xampu e, perfumosa. Ao chegar ao galinheiro onde já “veviam” algumas aves brasileiras depenadas, feias, magras, piolhentas, a nova moradora bota banca, marrenta e com saracoteios de superioridade joga terra nos olhos das veteranas ao ciscar, entre outras hilárias tentativas de se impor.

Só estes momentos valeriam pelo valor do ingresso — que, se por acaso fosse cobrado, teria sido muito bem pago. Lucas Ventania, Daniel Franciscão e Sérgio Turcão ocuparam o palco durante o segundo bloco para a apresentação de mais três músicas. Ventania narrou que adotou como artista o nome antigo da aprazível cidade de Minas Gerais da qual saiu para a estrada. O município, atualmente, é Alpinópolis, cantinho emoldurado por montanhas na porção Norte das Alterosas.

 Lucas Ventania é de Alpinópolis (MG), antiga cidade cujo antigo nome ele adotou para tocar viola
Lucas Ventania é de Alpinópolis (MG), cidade cujo antigo nome ele adotou para tocar viola

Além dos mimos para Boldrin (uma “branquinha”, pimenta cumaru curtida em cachaça, queijo, uma colherzinha de madeira para os goles), o violeiro trouxe na bagagem os três álbuns da carreira e uma gaita. Com o instrumento de boca, Ventania iniciou a execução de “Peão”, sucesso de Almir Sater e Renato Teixeira, atendendo ao pedido do Sr. Brasil. Antes cantara “Orgulhosa” (Nhô Pai e Mário Zan) e “Felicidade de Caboclo” (Liu e Léo). Boldrin ainda fez uma reverência a Nhô Pai, abrindo esta parte do programa cantando, em coro com a plateia “Beijinho Doce”.

Encerradas as apresentações, a poesia das cantorias virou prosa no camarim. Entre um gole de café, novos e pitorescos causos ou piadas cheia de picardia e bom humor todos os convidados se confraternizaram, com Cláudio Lacerda e Wilson Teixeira reforçando a talentosa roda. Elogios mútuos e troca de gentilezas não faltaram. Turcão (integrante da famosa dupla com Jyca) e Daniel Franciscão (um dos membros da Orquestra de Violeiros Terra da Uva, de Jundiaí), por exemplo, presentearam este blogueiro com exemplares de álbuns de suas carreiras, pelos quais agradeço muitíssimo!

O Sr. Brasil gravado em 4 de junho ainda não tem data para ir ao ar. Mas fique atento às chamadas da TV Cultura e, enquanto ele não rola, vá curtindo outros que já estão programados e que costumam ser apresentados aos domingos, a partir das 10 horas, com reapresentação na quarta-feira posterior, a partir das 22 horas.

Agradecimentos especiais a Patrícia Maia Boldrin, produtora do Sr. Brasil, pela acolhida tão especial e simpatia.

Da dir. para a esq.: Bruno Bernini, Thadeu Romano, Thiago Carreri, Rodrigo Zanc e o Sr. Brasil, Rolando Boldrin
Da dir. para a esq.: Bruno Bernini, Thadeu Romano, Thiago Carreri, Rodrigo Zanc e o Sr. Brasil, Rolando Boldrin
Da dir. para a esq.: Sérgio Turcão, Daniel Franciscão, Lucas Ventania e Rolando Boldrin
Da dir. para a esq.: Sérgio Turcão, Daniel Franciscão, Lucas Ventania e Rolando Boldrin

 

 

 

Violeiro de Profissão” abre a porteira para Daniel Franciscão

ImagemImagem

O violeiro Daniel Franciscão nos brindou com um exemplar de Violeiro de Profissão, lançado no segundo semestre de 2013. Primeiro álbum da carreira de Franciscão, que também é fundador, regente e diretor musical da Orquestra de Violeiros Terra da Uva, de Jundiaí, o disco tem 13 faixas, duas com as participações de Cláudio Lacerda e de Wilson Teixeira. Ricardo Vignini, das bandas Matutos Modernos, Dotô Tonho e Mano Sinistra, toca em 12. Abrindo a porteira. Esta é, por sinal, uma das músicas instrumentais escolhidas para o repertório, juntamente com 8. Rio do Peixe”. Zé Paulo Medeiros também está presente, em 3. Casinha na Colina”, e Renato Teixeira torna o disco ainda mais marcante em9. Noite Serena”.

A cortesia foi feita na quarta-feira, 4 de junho, após a participação de Franciscão e Sérgio Turcão acompanhando o convidado especial Lucas Ventania (MG) na gravação de mais um programa Sr. Brasil, de Rolando Boldrin, a ser apresentado em breve pela TV Cultura.

“Violeiro de Profissão” é uma mistura de muito bom gosto de sons brasileiros e andinos, passeando por ritmos como baião, chamamé e toadas entre outras muitas influências que tornam a obra diversa e sem fronteiras. O universo das 10 cordas da viola caipira está muito bem representado, traduzindo as plurais linguagens do instrumento em canções de identidade singular. Elas evocam e trazem para o ouvinte mensagens de simplicidade, admiração à natureza e amor à profissão de cantador e de violeiro.

Contatos com Daniel Franciscão podem ser feitos pelo endereço virtual daniel.franciscão@hotmail.com.

Fotos:

Da esquerda para a direita: Sérgio Turcão, Daniel Franciscão, Lucas Ventania e Rolando Boldrin (Marcelino Lima)

Daniel Franciscão autografa “Violeiro de Profissão” para este blogueiro (Andréia Beillo)