1090- Disco de estreia do Quinteto Violado, de 1972, é tema do retorno da série Clássico do Mês

Extraindo das mais simples manifestações populares a sua essência rítmica e melódica, o  grupo pernambucano criou uma nova concepção musical, cujo traço fundamental é a interação entre o erudito e o popular, sem desfiguração, reafirmando a ideia de que toda arte é sempre a universalização do popular.
Marcelino Lima, com Quadrada dos Canturis, Criatura de Sebo, e Apólogo 11

O Barulho d’água Música, devido ao entrave de renovação do seu domínio junto ao provedor do canal, deixou de publicar em junho a matéria da série Clássico do Mês, que, agora, retomada, enfocará o álbum de estreia de um dos grupos mais longevos e admirados do país, o Quinteto Violado. O álbum, que originalmente tem o nome do grupo, é de 1972, lançado pouco tempo depois de o Quinteto Violado dar início à sua trajetória, ainda em 1971, em Pernambuco, propondo-se a traçar um novo caminho para a MPB. Diante da indecisão no cenário da música nacional, após a irrupção do movimento tropicalista, o Quinteto Violado apresentava uma proposta fundamentada nos elementos musicais da cultura regional, promovendo trabalhos de pesquisa e da própria vivência de cada um dos seus integrantes, originários da região Nordeste do Brasil.

Continue Lendo “1090- Disco de estreia do Quinteto Violado, de 1972, é tema do retorno da série Clássico do Mês”

828 – País lamenta perda de Naná Vasconcelos (PE), eleito oito vezes o melhor percussionista do mundo

Pernambuco vive desde o fim da manhã de hoje, 9 de março, luto oficial de três dias em respeito ao percussionista Naná Vasconcelos, que morreu em decorrência de complicações de um câncer de pulmão, no hospital de Recife onde convalescia desde 29 de fevereiro. Naná Vasconcelos sofreu parada respiratória por volta das s 7h40. Amigos e familiares velarão o corpo na Assembleia Legislativa de Pernambuco antes do sepultamento, marcado para as 10 horas da quinta-feira, 10, no Cemitério de Santo Amaro.

Assim que o esquife chegou ao prédio da Casa Legislativa foi recepcionado por amigos e familiares, entre os quais se encontravam a viúva, Patrícia Vasconcelos, e a filha do casal, Luz Morena. O grupo Maracatu Nação Porto Rico protagonizou homenagem ao percursionista, considerado símbolo da união dos maracatus de Pernambuco. ‘‘Toque o tambor que Naná chegou/ Todas as nações vêm saudar nesse carnaval”, ouvia-se entre outros versos entoados pelo grupo, liderado por Chacon Viana. “Naná deixava bem claro que não tem mestre, nem ninguém melhor, o mestre é só o do céu. Com seu papo pé no chão, conseguia que as nações do estado se unificassem e se tornassem uma só. Ele tinha uma coisa que Deus que deu. Ele não precisava se sacrificar tanto, ele já tinha nome”, disse Chacon Viana.

“Naná Vasconcelos partiu fazendo música no quarto do hospital nos últimos dias de vida”, afirmou Patrícia Vasconcelos. “Ele vivia a música, respirava a música”, complementou a ex-mulher. “Todo momento que falava sobre isso se sentia melhor”.  A viúva ainda observou que o ex-marido “espalhou muito amor e muita música pelo mundo todo”. Assim, para ela, “essa é uma perda material, mas a música e a humildade dele como lição, além de respeito ao próximo, ficarão”.

 A mulher de Naná Vasconcelos ainda enfatizou a obra dele em prol de crianças, mas que beneficia também outras faixas etárias. “Como músico, o trabalho que ele fazia com crianças se transporta para todas as idades. Era uma missão de vida se preocupar com o futuro de crianças que moravam na rua e que tinham problemas de deficiência.” 

Uma das coroas de flores destacou a inscrição “Amém e amem”, que, de acordo com o contrarregra de Naná Vasconcelos, Edelvan Barreto, era a mensagem que o músico gostaria de ver postergada. “Amém e amem ele compôs da primeira vez que se internou, no ano passado”, afirmou o amigo. “Essa música deve se propagar em toda a humanidade nesse mundo perturbado que vivemos hoje.”

Além de decretar o luto oficial, o governador Paulo Câmara divulgou a seguinte nota:

“Pernambuco acordou triste. O silêncio causado pelo desaparecimento de Naná Vasconcelos em nada combina com a força da sua música, dos ritmos brasileiros que ele, como poucos, conseguiu levar a todos os continentes. Naná era um gênio, um autodidata que com sua percussão inventiva e contagiante conquistou as ruas, os teatros, as academias”

A morte de Naná Vasconcelos também consternou parceiros de estrada, tais quais os conterrâneos  Lenine e Alceu Valença, e Gilberto Gil. Marcelo Melo, da banda Quinteto Violado, declarou que convivia com Naná Vasconcelos desde a década dos anos 1960. “Tínhamos um quarteto vocal, o Bossa Norte. Naná era uma pessoa muito querida, muito amiga. Eu assumi o Quinteto e ele, a vida dele. Eu tinha muito carinho por ele e era um talento muito grande”.

Nana Vasconcelos 2
Naná Vasconcelos abriu durante 15 anos o Carnaval do Recife, mantinha projetos sociais nos quais a música é veículo de inserção e no mundo inteiro era aclamado como mestre percussionista, inclusive por B.B.King (Foto: Prefeitura do Recife)

Apelido é herança de avó

Naná Vasconcelos passara quase um mês no mesmo hospital de Recife, em 2015, quando o câncer que o acometeu foi diagnosticado, apenas um ano após exames gerais que nada haviam detectado em seu organismo. Quando recebeu alta, em agosto, discorreu sobre o desafio de enfrentar a doença, demonstrando fé. ‘Tenho de enfrentar com força, pensamento positivo. E vou enfrentar com o pensamento de que vou chegar lá”.

Assim, mesmo em tratamento que incluiu sessões de quimioterapia e de radioterapia, por 40 dias, manteve a agenda e não largou dos tambores e dos berimbaus Entre os compromissos que honrou abrilhantou a abertura do Carnaval do Recife, no Marco Zero, neste ano, puxando cordão formado por mais de 400 batuqueiros. Ainda durante a folia, dividiu o palco com o Clube Carnavalesco Misto Pão Duro, grupo centenário homenageado no carnaval do Recife, com o Maracatu Nação Porto Rico, também celebrado, e com os cantores Lenine e Sara Tavares, de Cabo Verde.

Naná era apelido, perpetuado por uma das avós do então menino Juvenal de Holanda Vasconcelos, desde muito cedo apaixonado pela vibração das batidas que o levaram a adotar o ofício de percursionista. Na década dos anos 1960,  transferiu-se do Recife para o Rio de Janeiro e na Cidade Maravilhosa gravou, de saída, dois discos com Milton Nascimento. Depois, com o amigo Geraldo Azevedo, em São Paulo, participou do Quarteto Livro, que acompanhou Geraldo Vandré no Festival da Canção.

A obra de Naná Vasconcelos disseminou-se fora e dentro do Brasil e trouxe, gradativamente, respeito e fama. Integrante do grupo Jazz Codona, com o qual lançou três discos, chegou a gravar com B.B. King, com o violinista francês Jean-Luc Ponty e com a banda Talking Heads, liderada por David Byrne, um dos grupos precursores do movimento new wave. Por aqui, além de Milton Nascimento, seguia a bater bola com Caetano Veloso, Marisa Monte e Mundo Livre S/A, entre outros expoentes com os quais mantinha parcerias. A marca de Naná de Vasconcelos também está em trilhas sonoras para filmes nacionais e norte-americanos e, por oito vezes! revistas especializadas em música nos Estados Unidos o elegeram “o melhor percussionista do mundo”.

A fama não o envaideceu, pois Naná Vasconcelos acreditava que por meio da música poderia transformar e melhorar a vidas. Assim pensava, assim agia: encabeçava projetos sociais como o Língua Mãe, acolhendo crianças da América do Sul, da Europa e da África, ao passo que, paulatinamente, inseria a música no cotidiano das comunidades carentes do Recife como forma de incentivo à educação e cultura.

Como mestre carnavalesco, a contribuição de Naná Vasconcelos perdurou por pelo menos 15 anos, período no qual o primeiro grito sempre era dele, colocando em marcha  doze maracatus, 600 batuqueiros e o coral Voz Nagô, com ponto alto sempre às sexta-feiras. O que sempre se vê nestes dias nas ruas de Recife é o público rendendo-se à beleza e à euforia para acompanhar um dos mais coloridos e vigorosos espetáculos populares que o Brasil oferece. Em 2017, quem puxará os foliões?

naotemdesculpa5

Dia de Reis fecha período das folias que celebram a chegada dos magos orientais ao estábulo onde estava Cristo*

Foliae
Tela de José Coimbra Sobrinho (MG), de 1978, retrata a chegada a uma casa de um grupo de foliões
O  Dia de Reis  é uma festa popular católica de origem portuguesa relacionada  à comemoração do Natal, celebrada desde o século XIX, e encerra o período conhecido por Folia ou Terno de Reis. As folias começam a partir da meia-noite de 24 de dezembro, e em 6 de janeiro atinge sua data mais importante, pois é neste dia, fixado o nascimento de Jesus, que os reis  orientais Gaspar, Baltasar e Melchior, que seguiam a Estrela de Belém, teriam chegado ao estábulo no qual o menino estava abrigado, na Judéia, hoje situada 10 quilômetros ao Sul de Jerusalém e em território palestino.

Os reis levaram ao recém-nascido ouro, incenso e mirra, que, respectivamente, simbolizam a realeza,a essência divina a natureza humana de Cristo. Em alguns países de origem latina, especialmente aqueles cuja cultura tem origem espanhola, passou a ser a mais importante data comemorativa católica, para alguns estudiosos e historiadores até mais, inclusive, que o próprio Natal. No Rio de Janeiro, os grupos realizam folias até 20 de janeiro, dia de  louvores ao padroeiro São Sebastião.

reis _magos_editora Muqui (ES) sedia desde 1950 o maior encontro nacional de folia de reis, que, em 2014, no entanto, ocorreu em agosto. Organizado pela Secretaria Municipal de Cultura, contam-se perto de 90 grupos de foliões fluminenses, paulistas e mineiros. Em outros estados várias cidades do Interior mobilizam-se para que os foliões visitem casas que os acolhem e fazem doações , cantando e tocando músicas de louvor a Jesus e aos Santos Reis , em volta do presépio, com muita alegria. Em São Paulo, por exemplo, a lista inclui  Araraquara, Barretos, Bebedouro, Bom Jesus dos Perdões, Campinas, Franca.

 
Ao chegar às casas que os recebem, a primeira a entrar é a Bandeira, que fica hasteada e todos então cantam a canção de chegada. Entre as músicas, o destaque é  a “riquita”, a voz que marca os agudos nas cantigas para espantar os maus espíritos e permitir que o Natal transcorra em paz. Em seguida , promovem-se as paradas para os almoços e jantares, oferecidos pelos anfitriões e que são agradecidos pelos foliões com modas de viola e danças como o cateretê e catira.

Liderados pelo Capitão da Folia, todos  reverenciam a Bandeira, carregada pelo BandeireiroÉ a bandeira que carrega o símbolo da folia. Decorada com figuras que remetem ao menino Jesus, feita geralmente de tecido, é enfeitada com fitas e flores de plástico, tecido ou papel, sempre costuradas ou presas com alfinete, nunca amarradas com nós cegos, para segundo a crença não “amarrar” os foliões ou atrapalhar a caminhada.

Ao Mestre cabe iniciar os cânticos, pois ele é o responsável pelo andamento dos cantos, da colocação das vozes: é o maestro que, além de conhecer a origem do grupo, domina seus fundamentos e a história da trajetória. Com seu apito, comanda as toadas e tira os desafios. A capacidade de liderança de que geralmente é dotado garante ao Mestre o respeito de todos, além de ser considerado detentor do conhecimento das profecias bíblicas. 

O aspecto bizarro dos Palhaços ou Bastiões, com vestimenta colorida e máscara de couro de animal, assusta e diverte a todos: cantando versos de improviso para a assistência e movimentando-se com desembaraço entre os foliões, tornam-se, quase sempre, a grande atração da Folia.  Algumas tradições consideram que estas figuras seriam representações de soldados do rei Herodes.

O Novo Testamento narra que, Herodes, ao descobrir que estava para nascer o Rei dos Reis, ordenou aos seus homens que invadissem todas as casas e matassem todos os meninos recém-nascidos. O soberano ainda teria solicitado que, se vissem passar três reis magos bastaria segui-los, pois eles procuravam pelo Cristo que deviam assassinar para que não ameaçasse o seu reinado. Outra  leitura define os soldados como convertidos a Jesus. Assim, ao invés de perseguir Gaspar, Baltasar e Melchior, os militares começaram a pular e cantar para atrair as pessoas e assim evitar que outros soldados percebessem a passagem do trio, preservando a vida do filho de Maria e de José.

Em cada casa há um festeiro, encarregado de preparar a festa da chegada da Bandeira. Ao sair, os foliões entoam a despedida e agradecem os donativos que recebem para fins filantrópicos  antes de partirem para outro imóvel.Com versos improvisados de agradecimento pela acolhida, os demais participantes, cada qual na sua voz e vez, repetem os versos acompanhados pelos seus instrumentos. As fitas coloridas, simbolicamente, representam Maria (rosa, amarela ou azul) e a branca o Divino Espírito Santo.

A Rádio Educativa do Paraná apresentará a partir das 21 horas da quarta-feira, 7, dentro do programa Poemoda, a canção em verso e prosa, o poema Os Reis Magos, do escritor português Gomes Leal (século XIX), antes de levar ao ar um rico repertório inspirado na tradição das folias. Serão tocados sucessos relativos ao tema dos compositores, grupos e intérpretes Arnaud Rodrigues, Ascenço Ferreira, Baiano e Os Novos Caetanos, Café Com Blues, Chico Anísio, Consuelo de Paula, Diro Oliveira, Egildo Vieira do Nascimento, Elomar, Fernando Brant, Fernando Guimarães, Gomes Leal, Júlio Caldas, Katya Teixeira, Lourenço Baeta, Luiz Gonzaga de Paula, Luiz Salgado, Moçambiqueiros de Pratápolis (MG), Marcelo Melo, Márcio Lott, Martinho da Vila, Ney Couteiro, Nivaldo Ornellas, Paula Santoro, Paulo Cesar Pinheiro, Quinteto Armorial, Quinteto Violado, Sergio Santos, Tavinho Moura, Tim Maia, Toinho Alves, Xico Chaves, Yuri Popoff.

O Poemoda é um programa de Alan Romero e Etel Frota, com trabalhos técnicos de Abílio Henrique

Em Curitiba pode ser sintonizado pela FM 97.1, com reapresentação aos domingos, a partir das 24 horas. Na internet o acesso é possível pelo endereço www.e-parana.pr.gov.br/modules/programacao/radiofm_ao_vivo.php.  Quem está ou reside em Portugal pode curti-lo pela  Rádio Zero às 18 horas das sextas-feiras, ou às 6 horas das segundas-feiras. Para mais informações  visite http://www.radiozero.pt ou http://janelaurbana.com/radio/

 

Sobre José Coimbra, extraído do portal Galeria Estação (ww.galeriaestacao.com .br/artista/38):

Nascido em São Sebastião do Paraíso (MG) em 1916 e criado na roça, José Coimbra Sobrinho faleceu em Mococa (SP), aos 70 anos, em 1986, cidade na qual trabalhou em um grupo escolar. Ao final das aulas, treinava seu desenho fazendo grandes cenas com giz, na lousa. É um pintor da escola expressionista cuja obra é voltada para o homem, seu trabalho, a luta pela vida e as dificuldades sociais da gente pobre.

“(…)Grande e surpreendente colorista, esse parente caipira dos ´fauves´ já mereceria, por essa característica, um lugar de destaque numa revisão pra valer de nossa pintura. Mas o Coimbra chega muito além. Ele capta uma brasilidade mística, rural e clássica que, em minha opinião, é um dos mais altos instantes da pintura expressionista nacional das últimas décadas. (…)”. Roberto Rugiero

Fonte: Galeria Brasiliana

* Texto editado por Marcelino Lima com base em matérias e informações alusivas ao tema recolhidos na internet