Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!


Deixe um comentário

868 – André Rass corta o bolo de mais um aniversário em turnê pelo Canadá e Estados Unidos com o Matuto Moderno

A folhinha do Barulho d’água Música marca que em 1° de maio comemora-se o aniversário de André Rass, natural de Dom Pedrito (RS), e atualmente radicado em São Paulo onde desenvolve carreira das mais elogiadas como percussionista, conhecida por participações em destacados projetos acompanhando vários cantores e sobretudo na banda Matuto Moderno. Filho de casal formado por comerciante e dona de casa, André Rass criou-se em meio a festas populares e rodas de choro incentivado pelo pai, violonista, e pelo padrinho, acordeonista. A dupla, assim, tornou-se a primeira referência musical em sua vida. Mais tarde morando em Pelotas, passou a trabalhar profissionalmente como músico, ingressando na banda de Sulimar Rass. Juntos, ele e o irmão viajaram pelo Rio Grande do Sul e tocaram ainda o Uruguai e a Argentina. Nesse período, conheceu músicos tais quais Fernando do Ó, o guitarrista Daniel Sá, Gilberto Oliveira, Egbert Parada, Luciano Nasário, o violonista flamenco Romano Nunes, entre outros, e gravou com a cantora e compositora Ana Mascarenhas,Cardo Peixoto, Avendano Júnior, além do percussionista uruguaio Liber Bermudes, com que estudou ritmos latino-americanos.

Continuar lendo

Anúncios


Deixe um comentário

767 – Guilherme Argentão, músico do Grupo Violado (SP), comemora hoje mais um aniversário!

11147160_1022547897836917_3226393814697774254_n

Guilherme Argentão (de camisa azul) e os parceiros com os quais gravou o segundo álbum do Grupo Violado: Fernando Tal (de gravata), Bruno Paparoti (de chapéu) e Filipe Rozinelli (Foto: Divulgação Grupo Violado)

A folhinha do Barulho d’água Música registra que hoje é aniversário do produtor cultural Guilherme Argentão, músico de Santa Barbara d’Oeste (SP) que integra o Grupo Violado de Música Raiz, no qual toca bateria e percussão. Guilherme e os amigos Fernando Tal (vocais e violão), Bruno Paparoti (viola caipira, violão e vocais) e Filipe Rozinelli (baixolão e violão) compõem a formação que no começo deste ano gravou uma autêntica viagem ao universo caipira por meio das faixas de Viola Enfeitiçada, segundo álbum o Grupo Violado cujo repertório de treze composições traz seis autorais e participações especiais de Rodrigo Zanc (violeiro de São Carlos, autor em parceria com Isaías Andrade da faixa título) do cantor Milionário (Sonho de um Caminhoneiro), do acordeonista Gerson Douglas (Chão Pantaneiro) e de Os Favoritos da Catira (Gato de Três Cores). 

O Grupo Violado está na estrada desde 2006 e, em 2009, lançou o primeiro álbum independente em disco e em vídeo, ao vivo. O trabalho batizado como Espetáculo de Viola reúne clássicos da moda de viola raiz e na ocasião o time atuava com Antônio Amaral Freire (violão e segunda voz) e João Paulo Froner (viola caipira), além de Guilherme Argentão, Fernando Tal e Filipe Rozinelli; o atual violeiro, Bruno Paparoti, é regente da Orquestra de Violas de Americana, cidade vizinha à Santa Bárbara d’Oeste. Espetáculo da Vida projetou o Grupo Violado no cenário da autêntica música de raiz e chegaram os reiterados convites para apresentações nos circuitos do Sesc São Paulo, teatros, festas de cidades e Virada Cultural Paulista, entre outros palcos, sempre acompanhadas por lotações plenas dos auditórios e numeroso público. O Grupo Violado também tem no currículo gravações em programas de televisão como Caminhos da Roça, de Mazinho Quevedo; Arena do Som, na TV Século XXI, e Terra da Padroeira na TV Aparecida.

O Barulho d’água tem o primeiro disco em seu acervo e o DVD correspondente gravado no Teatro Municipal Manoel Lyra, em Santa Bárbara d’Oeste, autografado por  Filipe e Guilherme. Volta e meia o álbum rola no Solar da Lageado, pois recria a oportunidade e o prazer de ouvir, por exemplo, clássicos de raiz  como A Volta do boiadeiro, de Sulino e Marrueiro, — toada já gravada por Lourenço e Lourival e Sérgio Reis com a qual este blogueiro se reencontrou assistindo justamente ao vídeo, removendo-a do esquecimento de um escaninho qualquer da minha memória.

barro branco

A canção destacada é a #3 de 17 do repertório que relembra ainda Teddy Vieira e Luizinho, Moacyr dos Santos, Raul Torres, Tinoco, João Mulato, Dino Franco, Jacozinho e os parada-duras Creone e Barrerito (o terceiro era o Mangabinha), entre outros nomes consagrados do gênero que integram uma lista dourada complementada por vários pagodes do mestre Tião Carreiro e uma releitura  de Vide, Vida Marvada, de Rolando Boldrin; para quem tem mais de 50 aninhos, como eu, esta seleção atiça uma gostosa saudade! Sempre volto aos quintais da infância, revisito tempos distantes e já meio esmaecidos que, na verdade, não passaram e estão marcados por experiências e brincadeiras aparentemente pouco significativas, mas que moldam o caráter e definem os valores que abraçamos para o resto da vida — tais como subir em goiabeiras, beber leite ordenhado na hora, pisar em merda recém cagada de boi ou  de vaca, ouvir moda de sanfona e de viola aos pés da cama dos pais, rezar em novenas ou em vias sacras, marcar horas pelo canto de uma seriema, assustar-se com o pio de uma coruja.

sítio paraíso

As memórias se manifestam assim para todos; jamais morrem, ficam apenas quietinhas dentro da gente. O maior mérito que trabalhos como os discos do Guilherme Argentão e dos seus amigos é justamente este: impedem que morram ou fiquem relegadas nossas tradições, abrem a porteira que as aprisiona para que corram a galope, levando-nos a passear de canoa, a pescar na beira de um córrego, tomar café coado recém socado em pilão, a admirar a bunda de uma aranha com reverência ao inseto, na varanda do sítio das nossas Tias Marias, onde escutamos tanta história de mulas sem cabeças, de assombração de tudo que é jeito esquisito. Ah, então, vamos deixar de prosa e parafraseando Paulo Freire … vai ouvindo, vai ouvindo (e assistindo) e não se contenha se, de uma hora para outra, a garganta apertar em um nó, os joelhos tremelicarem, o peito sufocar!

Feliz aniversário, Guilherme Argentão, e sucesso sempre!

Repertório do álbum Viola Enfeitiçada

Para quem ainda não os possui, os dois álbuns e o DVD mencionados neste texto podem ser encomendados diretamente com os músicos que, assim como o Grupo Violado, mantêm perfis em mídias sociais.

ATR21908-500x500

1 -Viola Enfeitiçada (Participação especial Rodrigo Zanc)
2- Pego Pesado
3- Sonho De Um Caminhoneiro (Participação especial Milionário)
4- Caçador
5- Ponto Fraco
6- Amor e Saudade
7- Não Fale Mal Da Viola
8- Malandro Da Barra Funda
9- Gato De Três Cores (Participação especial Os Favoritos Da Catira)

10-Chão Pantaneiro (Instrumental)
11-Difícil Encontrar
12-Liguei Pra Dizer Que Te Amo
13-Peça Meu Mundo

anuncio papai noel

 

 


Deixe um comentário

Trio Carreiro recorda no SESC Osasco modas clássicas de Índio e Pajé, Moacyr dos Santos e Jacozinho*

 

Trio Carreiro 1

Ighor Aquila, Rodrigo Nali e Anderson Baptista, os membros do Trio Carreiro, atração de mais uma edição do “Caldos com Sons Brasileiros” em Osasco (Foto José Carlos/Juá Cultural)

*Para escrever esta matéria, o Barulho d’Água contou com a colaboração de José Carlos, produtor cultural do Trio Carreiro, da Juá Cultural

A temperatura e a noite de quinta-feira, 10, estavam propícias para uma saborosa e quentinha tigela de sopa. Para unir o agradável ao paladar, o SESC de Osasco deu sequência ao projeto “Caldos com Sons Brasileiros”, convidando o público a prestigiar a apresentação do Trio Carreiro. A cantoria ao som de violas caipiras, normalmente promovida no Deck da Cafeteria, desta vez em virtude da chuva e do frio, transcorreu no palco da tenda principal. Com mais conforto, os presentes se ajeitaram e conferiram um repertório de primeira categoria, cujas músicas escritas por nomes consagrados constavam do repertório de Anderson Baptista, Ighor Aguila e Rodrigo Nali.

Anderson e Nali também formam o Duo Catrumano, atração da semana anterior. E estarão de volta na próxima quinta-feira, 17, trazendo mais modas que há décadas encantam e têm a admiração de várias gerações. Com a participação de Aquila na escolha das músicas, os dois elencaram para esta segunda passagem pela cidade situada na Grande São Paulo composições de Índio Vago e Nonô Basílio, Moacyr dos Santos e Jacozinho, Goiano, Zé Mulato, Cacique e Pajé, João Pacífico e Raul Torres e Tião Carreiro e Moacyr dos Santos. Já com os equipamentos desligados e guardados, os três presentearam com “Cuitelinho” uma família que participou bastante da apresentação, fazendo comentários e sugerindo músicas. Outras pessoas da plateia também interagiram bastante com os músicos, levantando perguntas sobre viola caipira, origens e, afinações, entre outros temas correlatos.

Para mais informações sobre o Trio Carreiro visite http://www.triocarreiro.com.br.

Repertório da apresentação

1 – Sistema Bruto (Ruan e Juarez Benites)/2 – Casinha Verde (João Carreiro)/ 3 – Mágoa de Boiadeiro (Índio Vago e Nonô Basílio)/ 4 – Estrela de Ouro (Ronaldo Adriano e Tião Carreiro) / 5 – Vale Verde (Zé Mulato) / 6 – Na Carreira do Ó (Goiano) /7 – Empreitada Perigosa (Moacyr dos Santos e Jacozinho) /8 – Pescador e Catireiro (Cacique e Pajé) / 9 – Terra Prometida (Zé Mulato) /10 – Carro Velho (Pedro Sabino e Crioulo) /11 – Rolinha Cabocla (João Pacífico e Raul Torres) /12 – Faca que não Corta (Tião Carreiro e Moacyr dos Santos) /Cuitelinho (DP).

 

 

 


Deixe um comentário

Grupo Violado comemora cinco anos de gravação do primeiro DVD

1795265_703180499746323_8347954999596206844_oaaa

A partir da dir. Guilherme, Amaral, Fernando Tal, João Paulo e Filipe, do Grupo Violado, de SBO (Fotos: Azael Bild e Valter Guarnieri)

 

Já estou atrasado há quase um mês, mas acredito que, ainda assim, dá para enviar aqui pelo Barulho d’água (que nasceu bem depois e há apenas alguns dias) um abraço e desejar parabéns aos rapazes do Grupo Violado de Música Raiz, de Santa Barbara d’Oeste, cidade do Interior paulista. Em 22 de Guilherme, Filipe, Amaral, João Paulo e Fernando Tal, amigos e fãs comemoraram cinco anos de lançamento do primeiro DVD, gravado no Teatro Municipal Manoel Lyra, naquela cidade. Tenho o disco autografado por dois deles, Filipe e Guilherme, e desde abril, quando os conheci em Piracicaba, volta e meia o ponho para rolar e voltar a ter a oportunidade e o prazer de ouvir, por exemplo, o clássico de raiz “A Volta do boiadeiro”, de Sulino e Marrueiro — toada já gravada por Lourenço e Lourival e Sérgio Reis com a qual me reencontrei assistindo justamente ao DVD, removendo-a do esquecimento de um escaninho qualquer da minha memória.

A canção que destaquei é a #3 de 17 sucessos do repertório que relembra ainda Teddy Vieira e Luizinho, Moacyr dos Santos, Raul Torres, Tinoco, João Mulato, Dino Franco, Jacozinho e os parada-duras Creone e Barrerito (o terceiro era o Mangabinha), entre outros nomes consagrados do gênero que integram uma lista dourada complementada por vários pagodes do mestre Tião Carreiro. Entre os clássicos dos craques acima citados, o Grupo Violado apresenta “Pé de ipê”, “Amargurado”, “Moreninha linda”, “Chico Mineiro”, “Boiada Cuiabana”, “Empreitada Perigosa”, “Pagode de Brasília”, “Chora Viola”. A abertura é “Vide, Vida Marvada”, de Rolando Boldrin.

Para quem tem mais de 50 aninhos, como eu, esta seleção atiça uma gostosa saudade! Eu, por exemplo, voltei aos quintais da infância, revisitei tempos distantes e já meio esmaecidos que na verdade não passaram e estão marcados por experiências e brincadeiras aparentemente pouco significativas, mas que moldam o caráter e definem os valores que abraçamos para o resto da vida tais como subir em goiabeiras, beber leite ordenhado na hora, pisar em merda de vaca, ouvir moda de sanfona e de viola aos pés da cama dos pais, rezar em novenas ou em vias sacras, marcar as horas pelo canto de uma seriema, assustar-se com o pio de uma coruja. Acredito que as memórias se manifestam assim para todos; jamais morrem, ficam apenas quietinhas dentro da gente, só esperando a hora de a porteira que as aprisiona se abrir ou ser aberta a modo de correrem a galope por campinas, levando-nos a passear de canoa, a pescar na beira de um córrego, tomar café coado recém socado em pilão, a admirar a bunda de uma aranha, com reverência ao inseto, na varanda do sítio das nossas Tias Marias, onde escutamos tanta história de mulas sem cabeças, de assombração de tudo que é jeito esquisito.

Ah, então, vamos deixar de prosa. E parafraseando Paulo Freire, vai ouvindo, vai ouvindo e assistindo; não se contenha se de uma hora para outra a garganta apertar em um nó, os joelhos tremelicarem, o peito sufocar…

Nova Imagem

Primeiro DVD do grupo, gravado em 22 de março de 2009, tem sucessos como “Menino da Porteira” e o pagode “Nove Nove”, de Tião Carreiro