1576 – Em mais um concerto para marcar seus 20 anos, Orquestra Filarmônica de Violas (SP) recebe em Jundiaí Toninho Ferragutti

#MPB #ViolaCaipira #ViolaInstrumental #ViolaBrasileira #Guitar #MusicaCaipira #ViolaCaipiraInstrumental #CulturaPopular #Campinas #Piracicaba #Jundiaí #TeatroPolytheama

A Orquestra Filarmônica de Violas (OFV), estabelecida em Campinas (SP), já com 21 anos de atuação e três álbuns gravados, foi contemplada pelo Programa de Ação Cultural (ProAc) da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo para promover três concertos comemorativos às duas primeiras décadas de contribuições à cultura popular. A série de apresentações passou por Campinas em 24 de agosto, quando contou com a participação do compositor, pesquisador, professor e violeiro Ivan Vilela, idealizador da OFV; em 26 de agosto, em Piracicaba, a convidada para a segunda rodada foi Ana Luiza, poeta, cantora e compositora. Para a noite de 30 de setembro, a atração que estará ao lado dos 14 músicos atualmente regidos por João Paulo Amaral será o acordeonista Toninho Ferragutti, no palco do Teatro Polytheama, em Jundiaí.

Continuar lendo

789 – Sesc Ipiranga promove em janeiro atividades e espetáculos com expoentes da Vanguarda e do Lira Paulistana

Casa-Benedito-Calixto-credito-Calil-Neto

O Lira Paulistana começou como um pequeno teatro em Pinheiros, depois acolheu várias outras formas de manifestação artística dos integrantes da Vanguarda Paulistana engajada com a renovação de linguagens e do conceito de entretenimento durante seis anos, agitando os parâmetros culturais não apenas em Sampa, mas país afora (Foto: Arquivo Pessoal de Calil Neto)

O Sesc Ipiranga está promovendo espetáculos musicais e atividades protagonizados por expoentes da turma de artistas que formou a Vanguarda Paulista entre 1979 e 1986, inicialmente concentrada no teatro Lira Paulistana, que ficava situado no bairro de Pinheiros, na cidade de São Paulo. Batizado Lira Paulistana: 30 anos. E depois?, o projeto pretende gerar reflexões e por em debate a produção contemporânea, convidando-os para discorrer sobre os caminhos da criação e como se desenha hoje, em Sampa, os espaços catalisadores da nova produção e do experimentalismo. O cronograma começou a ser cumprido com apresentações de Luiz Tatit, Arrigo Barnabé e Lívia Nestrovski e Cida Moreira, nos dias 8, 9, e 10, e terá sequência até o último dia de janeiro, com ingressos cotados entre R$ 6 e R$ 20,00.

Continuar lendo

660 – Wilson Dias (MG) canta na terra natal, Olhos d’água, e visita São Caetano e Sampa, em outubro

Amigos e seguidores: 

Confiram abaixo a agenda de shows do cantor e compositor de Olhos d’água (MG), residente em Belo Horizonte. Wilson Dias traz em sua bagagem a musicalidade e os ensinamentos da nossa cultura popular, um som enraizado no Brasil profundo. Desenvolveu trabalhos em parceria com Pereira da Viola e João Evangelista Rodrigues, resultando em dois projetos: o Bate Pilão, que celebra a cultura popular, com seus ritmos e suas danças, e o álbum Pote – a melodia do chão, lançado em outubro de 2010. Participa também do projeto Vivaviola, que reúne nomes da autêntica viola caipira de dez cordas, em Minas Gerais (Pereira da Viola, Bilora, Joaci Ornelas e Gustavo Guimarães) lançado em outubro de 2008. Esse trabalho resultou em dois álbuns homônimos e que ganharam turnês pelas cidades pelas Alterosas. A discografia autoral é formada por seis álbuns, dos quais o mais recente é Lume, feito em parceria com Déa Trancoso, o talentoso e multi-instrumentista André Siqueira e com a participação de Ná Ozetti, entre outros músicos de primeira. Muitas das letras são de autoria de Wilson Dias com João Evangelista Rodrigues, com o acréscimo de Pereira da Viola para deixar a obra mais bela! 

 

wilson dias outubro

 

Almoce no Mercado Municipal de São Paulo ao som da viola do mineiro Wilson Dias (MG)

wilson dis arte mercado

O violeiro e compositor Wilson Dias estará nesta quinta-feira, 18, no Mercado Municipal de São Paulo, ponto turístico da Capital paulistana, como convidado do Sesc do Carmo para apresentar entre 13 e 14 horas as músicas do álbum Lume, o sexto de sua carreira. Neste e em outros de seus trabalhos, Wilson Dias  reforça uma característica que historicamente se verifica em Minas Gerais: o de ser um estado fértil e terra inesgotável da qual já brotaram nomes consagrados em vários setores da arte e da cultura.

Continuar lendo