Dupla de Mirassol (SP) é campeã de Festival Sertanejo de Raiz de Botucatu

renatoparanga 1
Renato Teixeira e as integrantes do Paranga foram atrações da noite de encerramento do Festival, em Botucatu

 

Tony Garcia e Divanei, dupla de Mirassol (SP), faturaram o título do XXV Festival da Música Sertaneja Raiz de Botucatu e Região, encerrado na noite de domingo, 15. “Milagres de Aparecida” é o nome da composição classificada em primeiro lugar.

Continue Lendo “Dupla de Mirassol (SP) é campeã de Festival Sertanejo de Raiz de Botucatu”

Botucatu promove até o dia 27 de julho mais um Festival de Inverno

10478525_914460345234984_3093352607307772957_n

A Secretaria Municipal de Cultura de Botucatu está promovendo desde 16 de julho mais uma temporada do Festival de Inverno, evento que oferecerá até o dia 27 várias atrações musicais. A Orquestra de Cordas Aécio de Souza Salvador (OCASS) abriu as apresentações e entre os convidados já passaram pelo Teatro Municipal “Panorama do Choro” (sexteto formado por Alexandre Ribeiro, João Poleto, Gian Corrêa, Henrique Araújo, Roberta Valente e Yves Finzetto); Marquinho Mendonça e banda “Em Órbita”; Gian Correa ao lado de Josué dos Santos (sax-soprano), Jefferson Rodrigues (sax-alto), Jota P. Barbosa (sax-tenor), Cesar Roversi no (sax-Barítono) e Rafael Toledo (pandeiro); Guinga e Marcelo Coelho.

33d8f1_f8a3dc4ee8e54a898372a63d740696a8_jpg_srz_1041_854_85_22_0_50_1_20_0
O Duo Calavento vai se apresentar no Festival de Inverno de Botucatu na quinta-feira, 24

Neste dia 23, a partir das 20h30, o Festival prosseguirá com o Duo Ceranto (Giovana Ceranto, piano, e Gilberto Ceranto Júnior, violino). No dia seguinte será a vez do Duo Calavento (Diogo Carvalho, ao violão, com Leonardo Padovani, ao violino). O programa de sexta-feira, 25, indica Bianca Gismonti Trio (Banca Gismonti, piano; Julio Falavigna, bateria; e Toninho Porto, baixo). “Victor por Vitor, um sax brasileiro”, ocupará o palco no sábado, 26, com Vitor Alcantara e banda. A Orquestra Sinfônica Municipal de Botucatu executará o concerto de encerramento do no domingo, 27, a partir das 19 horas.

O titular da Secretaria de Cultura de Botucatu é o violeiro e compositor Osni Ribeiro, que lançou o convite aos amigos e seguidores do Barulho d’Água. O Teatro Municipal da cidade fica na Praça Coronel Rafael de Moura Campos, 27, Centro.

 

Osni Ribeiro completa 50 anos

Ribeiro22
Osni Ribeiro, filho de Botucatu, autor de músicas como “Realeza” e “Me chama que eu vou”

Hoje, 30 de julho, Botucatu está em festa pela comemoração dos 50 anos de um dos seus mais ilustres filhos, o cantor e compositor Osni Ribeiro. Atual secretário de Cultura da cidade onde já viveu Angelino de Oliveira, de “Tristeza do Jeca”, Osni Ribeiro já soma mais de vinte anos de carreira, assinando letras de sambas e de outros gêneros, embora tenha maior identidade no meio por seu cultivo da cultura caipira e sua exímia arte de tocar viola. É autor dos álbuns Gênesis” e “Beberibando” e algumas de suas mais belas criações podem ser curtidas abrindo o linque abaixo. Parabéns em nome do Barulho d’Água Música e dos nossos seguidores, Osni!

 

 

Bebericando nos ribeirões e fazendo samba de primeira, Osni Ribeiro se afirma em Botucatu

Botucatu, município de São Paulo no qual viveu Angelino de Oliveira, compositor de Tristeza do Jeca”, é também a terra natal de Osni Ribeiro, um dos mais versáteis violeiros da atual safra paulista e entre os que se dedicam no país à preservação da música de raiz. Presença marcante em vários festivais nacionais na década dos anos 1990, nas composições de Ribeiro ecoam tendências das mais variadas. O samba, inclusive, pelo qual transita com desenvoltura como se comprova ouvindo um dos álbuns de sua carreira, “Bebericando”, no qual o gênero está representado pela faixa título, “Samba,e, i, o, u” e “Me chama que eu vou”, um hino em homenagem ao Corinthians, time do coração.

Osni Ribeiro
Osni Ribeiro, à direita, com Rubens Brito, durante show que ambos promoveram em 2012

A intimidade com a viola caipira e a valorização das origens interioranas, entretanto, formaram ao longo da vida de Osni Ribeiro laços mais estreitos, refletem-se com mais intensidade no repertório que ele vem construindo ao longo da carreira que já completou mais de duas décadas. As criações incluem canções do disco “Gênesis”, trilhas sonoras e temas para documentários como “Encontro das Águas”, da EPTV, revelam-nos a sua veia poética em composições primorosas como “Realeza” (com a qual disputou a edição de 1997 do Festival de Música e Poesia de Paranavaí, no Paraná), “Azuis reflexos” e “Viola afinada ao fim do dia”, todas integrantes de “Bebericando”.

O linque abaixo permite ouvir “Brinquedo”, cuja letra é uma síntese de todas as qualidades de quem para arrematar ainda produz modas nas quais paixões e envolvimentos amorosos passam longe do modismo,  não são derramados em rimas pobres e de gosto duvidoso, mas sim apresentados com sutileza e intimismo, exaltam a vida e nos convida a viver com mais alegrias e prazeres.

https://soundcloud.com/osni-ribeiro/brinquedo