955- MCB (SP) recebe Duo Paccola-Fiori, Duo Camará (com & Trio Saracuteia Fulô) e Quartier Latin

O público que acompanha as apresentações musicais que o Museu da Casa Brasileira (MCB) promove em São Paulo aos domingos, sempre a partir das 11 horas, poderá apreciar três shows de diferentes vertentes nas próximas rodadas do projeto, todos com entrada franca, mas sujeita à lotação do terraço nos quais transcorrerão. Para o espetáculo de 28 de maio, o Duo Paccola-Fiori selecionou as faixas gravadas no álbum de estreia e que mescla composições próprias com sucessos regionais de várias partes do Brasil, arranjados com nova roupagem. Sem fugir às características dos instrumentos que toca, por meio deste repertório eclético a dupla constituída pelos virtuoses Thiago Paccola (viola caipira) e Jonecir Fiori (acordeon) promete levar ao palco inovação e musicalidade jovial.

Duo Camará e o Trio Saracuteia Fulô (Foto: Sté Mendes)

Um inédito encontro entre o Duo Camará e o Trio Saracuteia Fulô está programado para 4 de junho. Victor Cremasco (voz) e Raphael Amoroso (violão) apresentarão acompanhados por Roberto Federicci (sanfona e teclados), Ruiz Mattos (bateria) e Jorginho da Silva (contrabaixo) canções que trazem influências do samba, bossa nova e outras vertentes, base dos dois álbuns que assinam. Já Ana de Mag, Jessica Dias e Babi Pacini , revezando-se nas vozes e na percussão, mostrarão criações autorais e do compositor Pedro Ribeirão.

O Quartier Latin é formado por Julia King (voz), Daniel Doctors (contrabaixo e ukulele), Rodrigo Scarcello (teclado e acordeon) e Camilo Zorilla (voz e bateria)

A inusitada mistura entre sonoridades do Brasil e da França será a atração do MCB em 11 de junho, data reservada ao Quartier Latin, formado por Julia King (voz), Daniel Doctors (contrabaixo e ukulele), Rodrigo Scarcello (teclado e acordeon) e Camilo Zorilla (voz e bateria). A plateia ouvirá tanto clássicos de Edith Piaf, Jacques Brel e Serge Gainsbourg, quanto músicas contemporâneas com a quais nomes como Zaz, Bem l’Oncle Soule e Stromae, em arranjos com tempero latino, têm embalado Paris. O programa do Quartier Latin ainda destaca o forró de Dominguinhos, o samba-rock de Simonal e versões francesas de Chico Buarque e Mutantes.

Com edições contínuas entre março e dezembro, o projeto Música no MCB acolhe a cada novo domingo perto de 400 pessoas e desde 1999 já beneficiou mais de 240 mil com acesso gratuito a shows de grupos como Pau Brasil, Zimbo Trio, Projeto Coisa Fina, Orquestra Bachiana Jovem, Grupo Aum, Mawaca e Traditional Jazz Band, entre outros. O prédio fica na avenida Brigadeiro Faria Lima, 2.705, Jardim Paulistano, distrito do bairro Pinheiros, a uma caminhada leve da estação Faria Lima da linha 4/Amarela do Metrô. O terraço é contíguo a uma agradável área verde que acolhe pessoas de várias faixas etárias e ao restaurante que explora refinados serviços de gastronomia, lanches e cafés. Cobra pelo estacionamento interno, mas como estimula o uso de transporte alternativo oferece bicicletário com cadeados gratuitos à disposição para até 42 ciclistas. Para mais informações, há o telefone (11) 3032-3727.

28 de maio: Duo Paccola-Fiori

1. Apanhei-te Cavaquinho (Ernesto Nazareth e Ubaldo)/2. Pagode Doido (Thiago Paccola)/3. Tristeza do Jeca/Mercedita (A. de Oliveira / R. S. Rilo)/4. Encontros (Jocenir Fiori)/5. Baião de 5 (Gabriel Levy)/6. Desvairada (Garoto)/7. Wave (Tom Jobim)/8. Saudades de Matão (Jorge Galati & Raul Torres)/9. Chalana (Luis Carlos Borges e Apparicio S. Rilo)/10. Feira de Mangaio (Sivuca)/11. Lamento Sertanejo (Dominguinhos)/12. Um tom para Jobim (Sivuca e Oswaldinho do Acordeon)/13. O Rio de Piracicaba (Tião Carreiro e Pardinho)/14. Libertango (Astor Piazzola)

 4 de junho,  Duo Camará e Trio Saracuteia Fulô

1.Bonsai (Raphael Amoroso)/2. Tanta Gente (Pedro Ribeirão)/3. Correnteza (Tom Jobim)/4. Samba do Chá (Victor Cremasco e Roberto Federicci)/5. A hora do Samba (Jéssica Dias e Paulo da Rosa)/6. Contramão (Pedro Ribeirão)/7. Tempo de Amor (Vinícius de Moraes e Baden Powell)/8. A Palmeira (Pedro Ribeirão)/9. Sabiá da gaiola (Domínio Público)/10. Chão (Victor Cremasco)/11. Valsa Pra Lua (Raphael Amoroso)/12. Nos bailes da vida (Milton Nascimento)/13. Há Braço (Victor Cremasco)/14. Teimoso (Pedro Ribeirão)/15. Maria Rosa (Victor Cremasco e Raphael Amoroso)/16. A do Feijão (Pedro Ribeirão)/17. Samba de Amanhã (Victor Cremasco e Raphael Amoroso)/18. Ponteio (Edu Lobo)

 11 de junho, Quartier Latin

1.Dans mon ile (Henri Salvador)/2. Couleur Café (Serge Gaisnbourg)/3. Mon manege a moi (Edith Piaf)/4. Belleville Rendez vous (Beatrice Bonifassi)/5. La foule (Edith Piaf)/6. Je ne veux pas travailler (Pink Martini)/7. Tu veux ou tu veux pas (Brigitte Bardot)/8. Joana Francesa (Chico Buarque)/9. La lune (Zaz)/10. J’ai deux amours (Madeleine Peyroux)/11. Je veux (Zaz)/12. La vie en rose (Edith Piaf)/13. Douce France (Charles Trenet)/14. Fibre de Verre (Paris Combo)/15. Ni oui ni non (Zaz)/16. Les mots d’amour (Mayra Andrade)/17. Xodó (Dominguinhos – versão em francês)

Anúncios

914- Edvaldo Santana e banda, incluindo metais, lançam “Só vou chegar mais tarde”, no CC Vergueiro

O Barulho d’água Música congratula-se, mais uma vez, com Edvaldo Santana que, entrando no 43° ano de carreira, brinda seu público com Só Vou Chegar Mais Tarde, oitavo álbum da carreira dele, marcada por um perfil de independência e irreverência. O novo disco está bombando sem parar aqui na redação do blogue, onde baixou devidamente autografado pelo cantor e compositor, e será apresentado em 25 de março, a partir das 19 horas, na Sala Adoniran Barbosa do Centro Cultural Vergueiro, ao lado da estação Vergueiro da linha 1/ Azul do Metrô de São Paulo. Cole lá, amigo ou seguidor, pois mesmo que o camelo passe no buraco da agulha nenhuma das 13 faixas (abaixo apresentadas em um primoroso texto do jornalista e escritor Jotabê Medeiros* que reproduzimos na íntegra) tocará em rádio ou será apresentada em programas de televisão…    

Continue Lendo “914- Edvaldo Santana e banda, incluindo metais, lançam “Só vou chegar mais tarde”, no CC Vergueiro”

855 – Noel Andrade e Blues Etílicos homenageiam Tião Carreiro, Rei do Pagode, no palco do Sesc Belenzinho (SP)

A Charrua Produções Artísticas convocou um dos mais premiados e conceituados violeiros da atual safra paulista, Noel Andrade, e a banda com mais anos de estrada do blues nacional, a Blues Etílicos, para um tributo ao ícone da música brasileira e da cultura popular, Tião Carreiro. A homenagem ao Rei do Pagode, por meio do blues, do rock, e da música caipira, está programada para começar às 21h30 deste sábado, 16 de abril, na Comedoria da unidade Belenzinho do Sesc de São Paulo. O ingresso já está à venda e custa entre R$ 6 e R$ 20. O endereço é rua Padre Adelino, 1.000, a uma caminhada leve da estação Belenzinho da linha 3 Vermelha do Metrô.

Continue Lendo “855 – Noel Andrade e Blues Etílicos homenageiam Tião Carreiro, Rei do Pagode, no palco do Sesc Belenzinho (SP)”

659 – Ivan Vilela e José Hamilton Ribeiro, mediados por Sérgio Martins, falam sobre música caipira em festival literário de Santos (SP)

tarrafa 33

O Barulho d’água Música acompanhou no Teatro Guarany, em Santos (SP), na noite de sexta-feira, 25 de setembro, As Raízes da Música Caipira, rodada do 7º Tarrafa Literária mediada pelo jornalista Sérgio Martins com o violeiro escritor, compositor e pesquisador Ivan Vilela (Itajubá/MG) e o jornalista José Hamilton Ribeiro (Santa Rosa do Viterbo/SP). Os convidados abordaram o tema da mesa contando fatos, causos e comentando aspectos históricos e atuais relacionados à música caipira — uma das mais ricas e duradouras expressões das tradições populares do Brasil, presente com grande força no Interior de São Paulo e em estados como MG, PR, GO.

Continue Lendo “659 – Ivan Vilela e José Hamilton Ribeiro, mediados por Sérgio Martins, falam sobre música caipira em festival literário de Santos (SP)”

Museu da Casa Brasileira (SP) abre espaço para blues, música caipira e de câmara aos domingos de junho

penobluess1

O Museu da Casa Brasileira, situado em um dos endereços mais badalados de São Paulo, vem se destacando pela ótima programação cultural que oferece ao seu público fiel e pessoas que visitam o local esporadicamente, promovendo atrações dos mais variados segmentos artísticos, sempre sem cobrança de ingresso. Uma das iniciativas mais procuradas são as apresentações musicais e concertos que ocorrem nas manhãs dominicais, sempre às 11 horas. As quatro programadas para o mês de junho já estão definidas e começarão com o show Pé no Blues, protagonizado pela dupla Rogério Ribon (violão de aço e gaita) e Robson D’Angelo (viola caipira). Com um repertório que mesclará o tradicional blues americano de compositores consagrados como Robert Johnson, Muddy Waters e Bo Diddley, com pitadas da música caipira brasileira, o público ouvirá, por exemplo, clássicos como Sweet Home Chicago, de Johnson, e o pagode A coisa tá feia,  uma das obras mais apreciadas de Tião Carreiro e Pardinho.

Continue Lendo “Museu da Casa Brasileira (SP) abre espaço para blues, música caipira e de câmara aos domingos de junho”

Acordais e Trio José encantam plateia em mais um Sr.Brasil, com Rolando Boldrin

Acordaisw
O casal Alex Rocha e Joyce Carvalhaes, fundadores do Acordais, que esteve no Sr.Brasil em 14/10 (Fotos: Marcelino Lima)

O Barulho d’água Música acompanhou na noite da terça-feira, 14 de outubro, mais uma gravação no teatro do SESC Pompeia do programa Sr.Brasil.

Os convidados de Rolando Boldrin, desta vez foram, o grupo Acordais, que tem a participação de Jica, da dupla Jica Y Turcão, e o Trio José, este formado por amigos de São José dos Campos. Ambos são novidades das melhores no cenário musical brasileiro e encantaram a plateia.

Continue Lendo “Acordais e Trio José encantam plateia em mais um Sr.Brasil, com Rolando Boldrin”

Fernando Caselato apresenta ritmos variados e anuncia novo trabalho no SESC Osasco

DSC03256w
Guilherme Soares e Fernando Caselato (Fotos: Marcelino Lima)

O Barulho d’Água Música acompanhou a apresentação de Fernando Caselato, acompanhado por Guilherme Soares (violão de 7 cordas), em mais uma rodada do projeto “Caldos com Sons Brasileiros”, do SESC Osasco, promovida na quinta-feira, 18.

Continue Lendo “Fernando Caselato apresenta ritmos variados e anuncia novo trabalho no SESC Osasco”

Rodrigo Nali e Anderson Baptista trazem ao SESC de Osasco repertório de modas para “Caldos com Sons Brasileiros”

DSC08545
Anderson Baptista e Rodrigo Nali tocaram e cantaram modas de violeiros consagrados como Tião Carreiro e Pardinho, Goiano, Zé Garoto, Mário Zan, e Belmonte e Amarai
DSC08635
Rodrigo Nali

Os cantores e compositores Rodrigo Nali e Anderson Baptista foram a atração de mais uma edição do projeto “Caldo com Sons Brasileiros”, que o SESC de Osasco vem oferecendo ao público ao longo deste mês de junho, sempre às quintas-feiras no Deck da Cafeteria. Nesta apresentação do dia 17 , Nali e Baptista interpretaram modas de viola, com acompanhamento de um violão que ambos revezaram, de diversos autores, entre os quais Empreitada perigosa” (Tião Carreiro e Pardinho), “Francisco de Assis” (Tião do Carro), “Lamento de um peão” e “Trono da Saudade” (Goiano), “Capiau” (Caetano Erba e Tião do Carro), a instrumental “Flor Pantaneira” (Marcos Violeiro e Klayton Torres) e “Viola, minha viola” (Zé Garoto e Timboré). Antes do encerramento, a pedido do público, cantaram “Chalana”  (Mário Zan) e “Saudades da minha terra” (Belmonte e Amarai).

Rodrigo Nali e Anderson Baptista são integrantes do Duo Catrumano e, ao lado de Ighor Áquila, formam o Trio Carreiro, respectivamente convidados das noites do dia 3 e 10. Com Áquila, Vinícius Muniz e Thiago Rossi, Baptista tem participação também no quarteto “Viola Arranjada”. Ambos já tocaram também na fabulosa Orquestra Filarmônica de Violas, que Ivan Vilela fundou em 2002 em Campinas.

DSC08565
Anderson Baptista

Os shows do projeto “Caldos com Sons Brasileiros” têm entrada franca. Enquanto os músicos cantam e tocam, é possível degustar sopas tradicionais da culinária brasileira, como a de cebola e a canja de galinha, vendidas a preços populares. A próxima apresentação programada é a do escritor e violeiro Paulo Freire, a partir das 19 horas do dia 24. O autor do álbum “Alto Grande” e do livro que acompanha o disco “Nuá, as Músicas dos Mitos Brasileiros”,  será sucedido por Levi Ramiro.

 

 

Os músicos que também integram o Trio Carreiro e formam o Duo Catrumano cantaram “Chalana” e conversaram com o público. Na foto , eles posam com o luthier David dos Santos, de Alfenas (MG)
Os violeiros Levi Ramiro e Paulo Freire vão animar o projeto do SESC Osasco “Caldos com Sons Brasileiros” nas duas próximas quintas-feiras de julho (Fotos de Marcelino Lima)