1028 – América 4 lança em Vila Velha (ES) álbum comemorativo aos 30 anos de estrada

O Grupo América 4 está com novo álbum concluído e convida admiradores e amigos para o lançamento que marcará 30 anos de trajetória independente em defesa de culturas de povos latino-americanos como os guaranis, os aymaras e os mapuches. O concerto de estreia, com entrada franca, está marcado para a sexta-feira, 9 de março, a partir das 20 horas, no Teatro de Vila Velha, uma das mais importantes cidades do Espírito Santo, distante cerca de 180 km da Capital, Vitória, para quem escolhe viajar pela BR 101.  O América 4 tem embriões tanto no Estado capixaba, quanto no vizinho Minas Gerais, onde viviam na década de 1980 os músicos já de larga experiência e trajetórias artísticas oriundos do Brasil , da Bolívia, da Argentina, do Peru, do Uruguai, de Honduras e da Venezuela, entre eles Jorge Tobi Gil, com o qual o Barulho d’água Música mantém estreito contato. É em Vila Velha que está estabelecido o trabalho de resistência musical que encanta o público combinando as sonoridades de instrumentos típicos — alguns artesanais — como  zampoña, toyo, quenacho, charango, casaca, bombo legüero, tambores de Congo e tambores de Maracatu, entre outros, que dão ao América 4 uma identidade própria no cenário da cultura latino-americana. Continue Lendo “1028 – América 4 lança em Vila Velha (ES) álbum comemorativo aos 30 anos de estrada”

Anúncios

995 – Para além do boto-cor-de-rosa: conheça o Imbaúba, grupo fundado pelo poeta Celdo Braga que canta o universo da Amazônia

“O Brasil não conhece o Brasil”, em uma adaptação do refrão que remete às Querellas do Brasil,  na qual Aldir Blanc e Maurício Tapajós escreveram “O Brazil não conhece o Brasil” para a canção imortalizada por Elis Regina em Transversal do Tempo (1978), é um bordão difícil de contestar em qualquer campo ou assunto artístico-cultural que se ponha em debate na roda. Para ficar apenas no vasto terreiro da música de Pindorama, a se julgar pelas playlists da maioria das emissoras de rádio, ainda vale mais por estes trópicos a frase original de Blanc e Tapajós, aquela com “z”. Em um país que  embora apresente variedade de estilos e de ritmos – que vão do samba ao caipira, do baião ao chamamé, do fandango ao xaxado, do choro ao Clube da Esquina –, tem prevalecido a porcaria movida tanto a jabá, quanto pela preguiça de programadores — se ruins ou sonsos, mesmo, pouca diferença faz. Entretanto, desde que a internet passou a oferecer ferramentas não apenas para divulgar, mas também compartilhar obras e carreiras, os hábitos de consumo e de produção de música vêm mudando, possibilitando a criação de públicos mais críticos, pluralistas e exigentes. E nesta onda blogues e serviços de streaming conseguem democratizar e oferecer (a baixos ou totalmente sem custos) não apenas novidades e lançamentos que a mídia teima em desprezar, sobretudo os alegadamente “independentes”, deixando disponível na rede para serem baixados em tablets, computadores e celulares conteúdos dos mais diversificados, ecléticos e muito, muito bons.

Continue Lendo “995 – Para além do boto-cor-de-rosa: conheça o Imbaúba, grupo fundado pelo poeta Celdo Braga que canta o universo da Amazônia”

918 – Museu da Casa Brasileira retoma apresentações dominicais em São Paulo com quatro concertos de orquestras

O Museu da Casa Brasileira (MCB) retomará a partir de 12 de março as concorridas apresentações gratuitas que sempre a partir das 11 horas e aos domingos lotam as dependências do terraço do prédio, com capacidade para até 400 pessoas, situado no bairro paulistano de Pinheiros. Nesta que será a 18ª edição do projeto Música no MCB, a Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo programou uma série de quatro concertos com orquestras que executam estilos musicais variados, evidenciando a versatilidade deste tipo de formação. A temporada será aberta pela Orquestra Pinheiros, que reúne integrantes do Coral Esporte Clube Pinheiros (ECP) e oferecerá à plateia É Pop!, sob a regência de Murilo Alvarenga. O repertório recordará canções de conjuntos e artistas populares da música internacional, entre os quais The Beatles e Queen, mescladas a musicais da Broadway, em um formato inédito. Além do coral, haverá “canjas” com cantores convidados.

Repertório da Orquestra Pinheiros divulgado pelo MCB*:

01. The Fifth of Beethoven (L.v. Beethoven)/02. The Best of Earth and Fire (medley)/03. Bohemian Rhapsody (Freddie Mercury)/04. Beauty and The Beast (Alan Menken)/05. Body and Soul (J. Green)/06. Miss Celie’s Blues (Quincy Jones & Rod Temperton)/07. Oblivion (Astor Piazzolla)/08. Chiquilin de Bachin (A. Piazzolla & H. Ferrer)/09. Lady Madonna (Lennon & McCartney)/10. Something (G. Harrison)/11. Hey Jude (Lennon & McCartney)/12. Phantom Medley (Andrew Lloyd Webber)/13. Memory (Andrew Lloyd Webber)/
14. Feeling Good (A. Newley & L. Bricusse)/15. New York, New York (J. Kander & Fred Ebb)
16. Can’t Take My Eyes Off You (Frank Valli & B. Gaudier)/17. My Way (J. Reavux, C. François & Paul Anka)
18. Happy (Pharrel Williams)

Continue Lendo “918 – Museu da Casa Brasileira retoma apresentações dominicais em São Paulo com quatro concertos de orquestras”

732 – Fabrício Conde, Chico Lobo, Almir Sater: três dos melhores violeiros do país revezam-se em palco de Juiz de Fora (MG)

Que ninguém se perca pelo nome oficial do evento que possibilitará a quem mora em Juiz de Fora (MG) curtir neste domingo, 22, entre 14 e 23 horas, a apresentação de três dos maiores violeiros da atualidade durante o Festival Rancho Sertanejo (de Raiz, atentem!) que será promovido no bairro Teixeiras da agradável cidade da zona da Mata. No palco que será armado na Avenida Deusdedith Salgado, 3955, irão se revezar Fabrício Conde, juiz-forano nato; Chico Lobo, de São João Del Rei e residente em Belo Horizonte; além do sul-mato-grossense Almir Sater. Universitários, lógico, também poderão prestigiá-los e, como o público em geral que for conferir esta dica do Barulho d’água Música, apreciar comidas típicas e cervejas artesanais. O ingresso já está à venda, parte de R$ 10, cobrados pela meia-entrada, e poderá ser reservado por meio do portal https://www.sympla.com.br/rancho-do-sertao–festival-sertanejo-de-raiz 49113.

clfcaas

Continue Lendo “732 – Fabrício Conde, Chico Lobo, Almir Sater: três dos melhores violeiros do país revezam-se em palco de Juiz de Fora (MG)”

729 – América 4 (ES) volta ao berço natal para apresentação única em Belo Horizonte (MG)

america 4

O Grupo América 4 surgiu na década dos anos 1980 em Minas Gerais com a união de músicos de destacada trajetória artística tanto no Brasil, quanto na Bolívia, na Argentina, no Peru, no Uruguai, em Honduras e na Venezuela. Hoje radicado em Vila Velha (ES), depois de 15 anos o América 4 regressará ao berço para brindar o público de Belo Horizonte, onde tocará como atração do Cine Theatro Brasil, neste dia 25 de novembro, a partir das 19h30. nstrumentos como zamponhas, toyos, quenachos, charangos, casacas, bombos legueros e tambores do Congo comporão o ambiente de encantamento do público durante a apresentação que visa a fomentar a integração dos povos latino-americanos. A  base da música do América 4 é o rico universo da América Latina, mas os músicos também carregam influências dos ritmos mineiros, principalmente do Vale do Jequitinhonha, e dos tambores de Congo que ecoam pelo Espírito Santo, amálgama que gera a energia que protagoniza nos palcos.

Continue Lendo “729 – América 4 (ES) volta ao berço natal para apresentação única em Belo Horizonte (MG)”

648 – Tenha em seu acervo álbum do Sexteto Mundano e de Sarah Abreu em homenagem a Violeta Parra!

Os amigos e fãs do Sexteto Mundano, Sarah Abreu Carlinhos Antunes estão recebendo Violeta Terna y Eterna, álbum de 10 faixas com o qual prestam tributo a Violeta Parra, com a especial participação da neta da homenageada, Tita Parra .  Violeta Parra é uma das mais marcantes artistas do século XX e gravou seu nome como eterno não apenas seu país natal, mas em todo o mundo como um ícone na cultura popular que, além de música compositora e instrumentista responsável por pesquisar e resgatar inúmeras canções e estilos folclóricos latino-americanas, expressava-se profundamente também como ceramista e tecelã. Autora de Gracias a la vida, morreu precocemente aos 49 anos, em 1967, seis anos antes da feroz ditadura militar de Augusto Pinochet se instalar no Chile, em 11 de setembro de 1973.

Continue Lendo “648 – Tenha em seu acervo álbum do Sexteto Mundano e de Sarah Abreu em homenagem a Violeta Parra!”

II Enangra terá oficinas e shows gratuitos de vários artistas latino-americanos em Angra dos Reis (RJ)

joaokatya
Katya Teixeira e João Arruda, e nas imagens abaixo, Mariana Avena e Erick Castanho, são atrações do Brasil no II Enangra (Fotos Katya e João e Erick Castanho: Marcelino Lima)

Entre 5 e 9 de agosto músicos de diversas nacionalidades estarão reunidos em Angra dos Reis (RJ) para o 2º Encontro de Músicos Latino-Americanos em Angra dos Reis (Enangra) — que neste ano receberá alguns dos maiores expoentes da música de raiz latino-americana feita no Brasil. Nomes pioneiros como o do quenista espanhol Emilio de Angeles e o da cantora argentina Mariana Avena, fundadores dos grupos Tarancón e Raíces de America, respectivamente, vão se juntar a importantes artistas da nova geração como Katya Teixeira, Erick Castanho e João Arruda (Brasil). Além destes, outros artistas convidados para o encontro são os brasileiros Odorico Sérgio, Moacir Saraiva, Ademar Farinha, Jorjão do Tarancón, Pablo Zuniga (Bolívia), Natalia Gularte (Uruguai), Federico Caravatti (Uruguai), Lino Huaman (Peru).

A coordenação artística geral será do percussionista uruguaio Jonathan Andreoli. Participarão ainda do encontro dez músicos residentes em Angra dos Reis e dez músicos vindos de diversas regiões do Brasil, todos selecionados por meio de processo seletivo realizado antecipadamente.