1361 – Selo Sesc lança mais um EP, o terceiro da série do álbum Viola Paulista II*

#ViolaCaipira #MúsicaInstrumental #MúsicaCaipira #ViolaInstrumental #ViolaBrasileira #CulturaPopular 

Com Luciano Pereira (Conteúdo Comunicação)

O Selo Sesc lançou na quarta-feira, 3 de março, o terceiro epê da coletânea Viola Paulista II, desta vez dedicado a violeiros da região Sudeste do estado de São Paulo. Nesta rodada nomes importantes que se dedicam a tocar o instrumento (Ricardo Anastácio, Zeca Collares, Fernando Deghi e Ricardo Vignini) representam Sorocaba e região, e assim vai sendo completado o mapeamento do instrumento no estado bandeirante, que já disponibiliza nas plataformas digitais do selo Sesc Digital as coletâneas que formam os epês 1 e 2; em 10/3 será lançado o 4 e, uma semana depois, em 17 de março, as faixas do 5.

O projeto Viola Paulista tem a curadoria do violeiro, compositor, professor universitário e pesquisador Ivan Vilela e reúne, ao todo, 20 artistas de carreiras consagradas, incluindo Adriana Farias e Juliana Andrade, representantes de um crescente protagonismo feminino no mundo da viola.  Continuar lendo

974 – Cole no Sesc Pompeia (SP) e conheça Rebento, novo álbum instrumental do violeiro Ricardo Vignini!

Um dos violeiros mais atuantes do país, Ricardo Vignini, é o convidado do projeto Plataforma para a apresentação da quinta-feira, 20, no palco do teatro da unidade Pompeia do Sesc de Sampa. A partir das 21 horas, o cantor e compositor lançará o mais novo álbum da carreira solo, Rebento, que reúne 13 músicas instrumentais, das quais 10 de autoria própria. Para o show de lançamento, o violeiro chamará para a roda André Rass (percussão), Ricardo Carneiro (violão e guitarra), Sergio Duarte (gaita), Ari Borger (piano) e Bruno Serroni (violoncelo).

Continuar lendo

945 – Cantores populares animam II Feira Nacional da Reforma Agrária, do MST, em São Paulo

Da página do MST e da Agência Brasil

Pereira da Viola, Arnaldo Freitas, Cacique e Pajé, Katya Teixeira, Sapiranga, Osni Ribeiro, Ricardo Vignini Trio, entre outros expoentes da melhor música caipira e regional do país estarão entre as atrações que o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) convidou para cantar e tocar nos palcos da II Feira Nacional da Reforma Agrária, que a exemplo da pioneira (promovida em outubro de 2015) transcorrerá mais uma vez no Parque da Água Branca, situado na zona Oeste de São Paulo, com entrada franca. Neste ano o evento começará na quinta-feira, 4 de maio, e se estenderá até o começo da noite de domingo, 7. Os organizadores contam com a presença de agricultores de acampamentos e assentamentos de todo país e pretendem com a iniciativa abrir diálogos com a sociedade sobre a necessidade de adoção de modos mais equilibrados de se alimentar e de uma transição do atual modelo agrícola, que o MST considera predatório dos recursos naturais, para um que respeite o trabalhador e o meio ambiente. Além dos shows musicais que contarão também com Tulipa Ruiz, Emicida e Chico César, o público encontrará ainda bancas com variada oferta de comidas saudável e típicas, poderá trocar mudas e sementes, ouvir palestras e acompanhar seminários, escolher livros disponíveis em tendas literárias ou curtir apresentações teatrais, entre outras atividades culturais (veja programação ao final da matéria).

Continuar lendo

Matuto com ascendente Roqueiro

Vignini 3 

Ricardo Vignini tem pinta de roqueiro, de alguém completamente avesso às modas caipiras ou que pouco se lincha para músicas que não tenham muito metal pesado e cordas distorcidas tocados em volume condizente. Quem pensar desta forma sobre o aniversariante de hoje, 3 de setembro, estará parcialmente certo, mas não poderá se quedar à primeira impressão. O cabeludo de óculos de aro redondo, que provavelmente você encontrará e o verá vestido de calça jeans e camiseta preta ao trombar com ele por ai integra, sim, uma banda de rock, a Mano Sinistra (Mão Esquerda, em italiano), e, em parceria com Zé Helder, gravou um dos melhores trabalhos do gênero na atualidade, em 2011. 

Estes detalhes da obra e da discografia dele venhamos, reforçam o perfil de quem dorme embalado por Judas Priest e acorda estimulado pelo Sepultura. A ressalva é que “Moda de Rock, Viola Extrema” é uma bem elaborada fusão da guitarra, por meio de clássicos de Pink Floyd, Iron Maiden, Jimi Hendrix, Led Zepellin, com a viola caipira que ponteia em muitas festas, bailes de roça e celebrações religiosas em cujo ambiente o divino fala mais alto.

Um crítico bem humorado e certeiro já classificou o trabalho de “Woodstock Rural”,  perfeita descrição do que Vignini e Zé Helder colocaram no primeiro volume do disco. Ambos já burilam o segundo, agora com versões de sucessos do Dire Straits, dos Rolling Stones, e do Ramones para serem tocadas tanto em quermesses quanto no “Rock in Rio”.

Com Zé Helder Vignini integra, ainda, a banda “Matuto Moderno”, que explora com ironia, sátira e bom humor as peculiaridades e semelhanças entre rock e música rural. A porção mais violeiro de RV, entretanto, está mais definida em “Duas Gerações”, álbum que ele lançou em julho, em parceria com Índio Cachoeira, no SESC Belenzinho.

Nesta sexta-feira, 5 de setembro, Ricardo Vignini vai comemorar a chegada de mais esta primavera apresentando-se ao lado do xará Ricardo Carneiro, a partir das 21 horas, no Espaço 91. Ele tocará viola, o que faz habilmente, e com a mão esquerda; Carneiro vai de violão. A casa de espetáculos fica na Vila Romana, bairro paulistano colado à Lapa, às Perdizes e nas imediações de Pinheiros (saiba mais clicando em http://www.mediasight.com.br). Apareça por lá e dê seu abraço neste camarada que é um dos melhores do país!

Vigniniw