947 – Lulinha Alencar e Mestrinho tocam e lançam álbum para Dominguinhos em Sampa

A unidade Pompeia do Sesc da cidade de São Paulo receberá no sábado, 6 de maio, Lulinha Alencar e Mestrinho para lançamento do álbum que ambos gravaram em homenagem a Dominguinhos. ToCantE  reúne em dez faixas criações tanto do cantor e compositor pernambucano que morreu em 2013, como dos próprios Alencar e Mestrinho nas quais estes reverenciam outros mestres que os influenciaram: Chiquinho do Acordeon, Jackson do Pandeiro e Pixinguinha. Richard Galliano, renomado sanfoneiro francês, também subirá ao palco como convidado especial da apresentação, prevista para começar às 21 horas.

Continue Lendo “947 – Lulinha Alencar e Mestrinho tocam e lançam álbum para Dominguinhos em Sampa”

822 – Rodrigo Zanc (SP) estreia “Violas para Dominguinhos”, promove dois bis e ouve público pedir ainda por pelo menos mais um

O Barulho d’água Música mais uma vez pegou a estrada e baixou em São Carlos, no interior paulista, para acompanhar a estreia de Viola Para Dominguinhos, projeto por meio do qual o violeiro Rodrigo Zanc presta tributo a um dos maiores artistas de todos os tempos do Brasil. A apresentação rolou na sexta-feira, 26 de fevereiro, acompanhada por Ricieri Nascimento (baixo), Bruno Bernini (bateria e zabumba), Gustavo Camilo (teclados), Thiago Carreri (violão e guitarras) e Thadeu Romano (acordeon) e estava cercada de expectativas. Uma chuva forte caiu hora antes do show, mas ouvir Rodrigo Zanc cantar e tocar com este time de músicos, ainda mais interpretando Dominguinhos, quem os conhece não perde nem sob dilúvio. E o Galpão do Sesc São Carlos ficou pequeno, em alguns momentos ganhou ares de CTN (Centro de Tradições Nordestinas) e o público que ocupou todos os espaços, inclusive os jardins, pode ouvir (e dançar) um belíssimo repertório para o qual solicitou não apenas mais um bis, mas insistiu no pedido mesmo com os funcionários da entidade já desplugando os instrumentos.

Continue Lendo “822 – Rodrigo Zanc (SP) estreia “Violas para Dominguinhos”, promove dois bis e ouve público pedir ainda por pelo menos mais um”

806 – Tributo à Dominguinhos, na viola caipira de Rodrigo Zanc (SP), estreia em São Carlos neste mês

O violeiro Rodrigo Zanc (São Carlos/SP) estreará em 26 de fevereiro, com uma apresentação marcada para começar às 20 horas, no Sesc daquela cidade, um novo projeto por meio do qual promete aos admiradores e amigos interpretar com a mesma emoção e sensibilidade que o caracterizam clássicos do repertório de um dos maiores sanfoneiros do Brasil. Em Violas para Dominguinhos, Rodrigo Zanc promoverá a releitura de sucessos que considera “perenes da MPB” legados à cultura popular pelo conterrâneo de Luiz Gonzaga (PE) tais quais Eu só quero um xodó, De volta pro aconchego, Gostoso demais, Isso aqui tá bom demais e Lamento sertanejo. Para tornar o show ainda mais memorável, o autor do tributo contará com acompanhamento de músicos tarimbados e já acostumados com seu modo de cantar: Ricieri Nascimento (baixo e vocal); Bruno Bernini (bateria); Thiago Carreri (violão, guitarra e vocal); Gustavo Camilo (teclado e vocal); e Thadeu Romano (acordeon). 

Continue Lendo “806 – Tributo à Dominguinhos, na viola caipira de Rodrigo Zanc (SP), estreia em São Carlos neste mês”

765 – Casa Aberta, segundo álbum de Wilson Teixeira: entre, puxe sua cadeira, aprecie sem moderação e fique o quanto quiser….

wteixeira ao vivo

Junto ao portão, o violeiro Wilson Teixeira espera amigos e admiradores para os quais tem a Casa Aberta e uma vez lá dentro conduzirá a um pomar repleto de goiabeiras, laranjeiras e outras árvores carregadas de frutos, incluindo uma buriti, os que aceitarem o agradável convite para ouvir as 10 faixas do seu novo álbum, o segundo da carreira e que acabou de sair do forno – conforme ele mesmo, à lenha, já que não foi assado com pressa para assim ser melhor degustado, de forma que guardasse todos os sabores de uma autêntica iguaria de roça à qual se incluiu pitadas de baunilha urbana em doses certas para não macular o equilíbrio da receita elaborada para transitar entre o campo e a cidade.

Casa Aberta é uma mescla de música caipira, MPB e folk dedicada ao parceiro de estrada Salatiel Silva (São Paulo), mas todos os que já integram a lista que forma o público sempre crescente de Wilson Teixeira e os eventuais que se juntarem no caminho com certeza nela vão querer passar temporadas: o cantor e compositor de Avaré (SP), além da tradicional viola de dez cordas, sentou-se ao piano e, entre outros instrumentos, também toca na roda violão aço, ganzá e ukulelê.

Continue Lendo “765 – Casa Aberta, segundo álbum de Wilson Teixeira: entre, puxe sua cadeira, aprecie sem moderação e fique o quanto quiser….”

695 – Ao Bruno Bernini, aniversariante de hoje, nossos abraços fraternos e votos de sucesso!

bb

A agenda do Barulho d’água Música destaca hoje o aniversário do baterista Bruno Bernini, jovem músico de São Carlos (SP), amigo e grande incentivador deste blogue e para o qual enviamos em nome dos nossos leitores e seguidores votos de felicidade, na vida e na carreira!

Bruno Bernini é bastante conhecido do público que curte tanto os shows de Rodrigo Zanc, da mesma cidade dele, quanto do projeto cultural 4 Cantos — que além de Zanc reúne ainda Cláudio Lacerda (São Paulo/SP), Luiz Salgado (Araguari/MG), Wilson Teixeira (Avaré/SP), com violas e violões, e Ricieri Nascimento (baixo). Bruninho, como os mais próximos o conhecem, também integra as Bandas Fifth Season, formada por Rodrigo Zanin (guitarra e voz , filho de Zanc) e Ricieri Nascimento (baixo e voz), Combo Jazz e da Banda 7 Libras, da qual é fundador.

chuteira
Rodrigo Zanc (de chapéu), Wilson Teixeira (camisa escura), Cláudio Lacerda (de azul) e Luiz Salgado “engraxam a chuteira” do baterista Bruno Bernini durante show do Projeto Cultural 4 Cantos em São Paulo (Foto: Marcelino Lima/Acervos Barulho d’agua Música e Projeto Cultural 4 Cantos)

15.05.14-Sindicato-apoia-campanha-de-doação-de-sangue

602 – Festival gastronômico de Brotas (SP) terá show com Rodrigo Zanc e banda no Centro Comunitário

 

rodrigo arte 1

Rodrigo Zanc, cantador araraquarense residente em São Carlos, será uma das atrações do 4º Festival Brotas Gourmet, que a cidade de Brotas (SP) realizará entre 13 e 15 de agosto, com o tema Receitas Recheadas de Lembranças, evento oficial do município desde 2012, organizado pela Associação de Empresas do Turismo de Brotas e Região (Abrotur), em parceria com a Prefeitura de Brotas e a agência local do Senac. Rodrigo Zanc estará no palco montado no Centro Comunitário na sexta-feira, 14, a partir das 21 horas, acompanhado por Bruno Bernini (bateria), Ricieri Nascimento (baixo), Rodrigo Zanin (guitarras)  e Thadeu Romano (acordeon), além do técnico de som Dado Pires.

Continue Lendo “602 – Festival gastronômico de Brotas (SP) terá show com Rodrigo Zanc e banda no Centro Comunitário”

Araraquara (SP) recebe no Sesc Paulo Freire, Xangai e Rodrigo Zanc, três exímios violeiros do país

artepfxangairz

O público que frequenta o Sesc de Araraquara (SP  terá o privilégio de assistir durante o mês de junho apresentações de três dos mais brilhantes violeiros do país, convidados para o projeto Cantadores de História, todos a partir das 20 horas, e com entrada franca. As atrações serão, pela ordem de datas, Paulo Freire, Xangai e o filho nato da cidade, Rodrigo Zanc. O objetivo do Sesc é resgatar um pouco de nossas histórias e nossas raízes. A brasilidade entrará em cena misturando música caipira, contação de causos, tradições e costumes de cada canto do Brasil.

Continue Lendo “Araraquara (SP) recebe no Sesc Paulo Freire, Xangai e Rodrigo Zanc, três exímios violeiros do país”

Depois de Avaré e Botucatu, alô São Carlos (SP): o 4 Cantos estará no Teatro do Sesc, em junho!

4 Cantos Botucatu 3
Os músicos do projeto cultural 4 Cantos reuniram um animado público, superior a 350 pessoas, e lotou o Cine Teatro Nelli, em Botucatu, em noite para ficar na memória da cidade e para a plateia que por quase duas horas ouviu belas canções do repertório de Rodrigo Zanc, Wilson Teixeira, Cláudio Lacerda e Luiz Salgado (Foto: Marcelino Lima)

A noite foi de gala para os músicos do projeto cultural 4 Cantos em Botucatu, no sábado, 25 de abril. Cláudio Lacerda, Luiz Salgado, Rodrigo Zanc e Wilson Teixeira,  mais uma vez acompanhados por Bruno Bernini (bateria) e Ricieri Nascimento (baixo e vocal) contaram com casa cheia e tomados praticamente os 380 assentos do Cine Teatro Nelli para vê-los encerrar com um show de animada interação com a plateia a mini-turnê que promoveram por aquele município e pela vizinha Avaré — onde, na véspera, já tinham arrebatado o público com um repertório de canções autorais, nas Oficinas Culturais (antigo CAC). Os dois municípios ficam no interior de São Paulo e estão entre os que mais apoiam e preservam manifestações culturais ligadas às várias formas de expressão popular. Em ambos, o quarteto também promoveu prosas-shows e concedeu entrevista à emissora 103,5 FM, de Avaré. Para os fãs e muitos amigos que deixaram o Cine Teatro Nelli com água na boca e querendo mais, o grupo anuncia a boa notícia: em  25 de junho, a partir de 20 horas, haverá nova cantoria, desta vez no teatro do SESC São Carlos! 

4444
Luiz Salgado, Cláudio Lacerda, Wilson Teixeira e Rodrigo Zanc: plateia presente em Botucatu voltou para casa de alma lavada e pedindo bis para a apresentação memorável do 4 Cantos (Foto: Adriano Rosa/Campinas)

 

Continue Lendo “Depois de Avaré e Botucatu, alô São Carlos (SP): o 4 Cantos estará no Teatro do Sesc, em junho!”

Hoje a guitarra de Rodrigo Zanin toca mais alto o parabéns a você e o blog faz coro!

10641209_854927877853611_8019483079088702027_nDitados populares podem ser considerados meros clichês, nem sempre eles são apropriados? Arrê: quem conhece o jovem Rodrigo Zanin (que carinhosamente tratamos por Rodriguinho, e carinhosamente sempre nos trata) discorda, e no caso do bordão “filho de peixe, peixinho é” aplicado para defini-lo, assina logo embaixo — sem pestanejar, embora fazendo a devida observação que o pupilo do violeiro de São Carlos (SP) Rodrigo Zanc é talentoso o suficiente para ter um mar só para si; e olhem que ele, além de já ter uma estrada própria traçada para se consagrar como músico, dedica-se a estudar, justamente, Ciências do Mar, em Santos (SP). Costumamos brincar com ele: a Oceanografia, fatalmente, perderá um grande cantor, compositor e instrumentista! Cá entre nós, entretanto: torcemos, na verdade, é para que ele faça sucesso, seja qual for a carreira que abraçar (ou seria neste caso ímpar na qual mergulhar?)

 

 

 

Integrante da banda que acompanha o pai nas apresentações, sempre tocando guitarras ou violão de forma virtuosa, Rodrigo Zanin está fazendo aniversário hoje, data que a família comemorou animadamente no Sítio do Limoeiro, lá em Sanca, no sábado, 14, com as atentas mãe e mana Elaine e Bia (Ana Beatriz) certamente orgulhosas: além de abrilhantar os shows de Zanc, Rodrigo Zanin é membro-fundador da banda Drag Me To Hell e integra com os amigos Bruno Bernini (bateria) e Ricieri Nascimento o power trio (guardem este nome!) Fifth Season.

Formada em 2012, com o intuito de fazer um tributo ao guitarrista John Mayer e apresentar canções de Zanin, a Fifth Season propõe um show energético e virtuoso. As apresentações costumam vir apoiadas em repertórios repletos de hits que levam o público para uma atmosfera diferenciada, ao som de canções autorais e de astros  do blues ao pop, do folk ao rock ’n’ roll, além de baladas, buscando sempre uma abordagem personalizada.

Receba Rodrigo Zanin, portanto, o forte e caloroso abraço do blog, em nome de todos os nossos amigos e seguidores! Parabéns hoje, e sempre!

10550815_4292795413760_8759634837338081626_n
 Zanc (em primeiro plano) e  Zanin: pai e filho cantam, tocam juntos e costumam emocionar o público nas apresentações sempre memoráveis do violeiro (Foto: Elisa Espíndola)

SC 2

Rodrigo Zanc apresenta Dona Pombinha, parceria dele com Isaías Andrade para um novo álbum

Para os amigos e seguidores que andam com saudades de ver e de ouvir Rodrigo Zanc, violeiro de São Carlos (SP) autor de Pendenga e Fruto da Lida e integrante do projeto cultural 4 Cantos, o Barulho d’água Música traz o vídeo abaixo. Por meio da gravação, Rodrigo Zanc apresenta em primeira mão Dona Pombinha, mais uma composição dele em parceria com o amigo Isaías Andrade (Americana/SP).

Sobre Rodrigo Zanc

Quem ouve Rodrigo Zanc pela primeira vez raramente deixa de se filiar ao fã clube deste morador de São Carlos, nascido na vizinha Araraquara. Com a viola geralmente acompanhada pelo baixo de Ricieri Nascimento, a bateria de Bruno Bernini e o violão do filho Rodrigo Zanin, entre outros companheiros, Zanc costuma cantar como quem declama ou transmite em orações raízes cultivadas em ambientes como o sítio do avô Juca, que inspira a canção Sítio Paraíso.

Rodrigo Zanc (dir.) com Cláudio Lacerda homenageiam Pena Branca e Xavantinho (Foto: Marcelino Lima)

Neste ambiente, experimentou o gosto tanto pelas modas de viola, quanto por outras vertentes brasileiras cujas bases permitiram formar uma visão de mundo que prega a simplicidade e a autenticidade, seja no dia a dia ou no trabalho artístico. Independentemente do palco que ele estiver ocupando com sua banda, montado em uma quermesse ou em um teatro nobre como o do programa Sr. Brasil, Zanc literalmente deixa suada a camisa tamanha é a energia e entrega que desprende no ofício.

“Estou fazendo o que eu deveria e realmente queria para minha vida, mas acredito que somente estando afinado com o próprio interior você consegue tocar pessoas”, disse. “Sou muito enfático quando digo que cada um de nós precisa ser transparente e agir com o coração aberto”, prossegue Zanc, que se espelha muito em Pena Branca, irmão de Xavantinho. “O Pena não era um virtuoso, mas quando batia a mão nas cordas da viola e abria a boca para cantar, muitos choravam”.

Os irmãos José Ramiro Sobrinho (Pena Branca) e Ranulfo Ramiro da Silva, por sinal, influenciaram bastante Rodrigo Zanc. Várias composições escritas ou interpretadas pela dupla como Chuá, Chuá, Cio da Terra e Cuitelinho são lembradas nos shows dele. Tamanha admiração por ambos o uniu a Cláudio Lacerda, cantor e compositor paulista com o qual Zanc dedica projeto em tributo aos lídimos caipiras, filhos de Uberlândia. O próprio Pena Branca participou das primeiras homenagens, iniciadas em janeiro de 2010, no SESC Pompeia, semanas antes de morrer.

Ainda com Cláudio Lacerda, mais Luiz Salgado (Patos de Minas/MG) e Wilson Teixeira (Avaré/SP), Zanc forma o projeto 4 Cantos. O quarteto executa exclusivamente músicas autorais com o intuito de alargar e estender suas próprias trilhas. Ao se encontrarem, entretanto, estes caminhos evidenciam talentos gêmeos, prontos para realentarem e revigorarem a cultura popular por meio de uma de suas mais expressivas manifestações, a viola caipira. São encontros de oito mãos e de múltiplas afinidades e afinações e por onde eles ocorrem há lotação na certa. O povo chega e se ajunta, vai ficando, vai ouvindo. Não demora escutam-se pessoas perguntando a um colega do lado de onde saíram quatro moços assim tão bons.

Rolando Boldrin, que dispensa maiores comentários, admirou-se com esta formação. A convite do Sr. Brasil, em agosto de 2013, o 4 Cantos gravou participação no programa que Boldrin conduz na TV Cultura. Em outubro, a cantoria foi ao ar e vem motivando visualizações em número cada vez maior na internet, com inúmeros compartilhamentos nas redes sociais. A plateia ouviu “Véio Cemitério”, composição de Zanc, Murilo Romano e Fernando Mori, um típico causo ou conto caipira cujo arranjo soa notas flamencas, atendendo ao pedido que o apresentador fez ao convidado.

A forte presença de elementos rurais e da vida no campo, todavia, não devem ser os únicos definidores da obra de Zanc — que a exemplo de muitos nomes hoje consagrados também já fez parte de uma dupla que existiu entre 1995 e 2000 e amadureceu em vários festivais pelo Interior paulista, com destaque para o Viola de Todos os Cantos. Promovidos durante dez anos pela rede de televisão EPTV, retransmissora da Rede Globo, estes certames reuniam perto de 15 mil pessoas a cada etapa em estádios e ginásios. Rodrigo tornou-se finalista em quatro edições, conquistando em 2007, em São Carlos, os troféus de vice-campeão e de melhor intérprete com a canção Viola Enfeitiçada, dele e de Isaías Andrade (Americana/SP).

lampião de gásw

Esta classificação e a música premiada reforçariam o perfil de violeiro. Zanc até pondera que o adjetivo cabe, pois, afinal, é o instrumento com o qual ganha seu pão. “Mas nunca fui adepto aos rótulos e sempre acreditei na verdade do sujeito, nas influências que cada um tem. Podemos até reunir porções de vários elementos culturais e sociais, mas elas se misturam em quantidades diferentes à medida que vivemos. O cheiro do refogar de sua mãe quando ela está na cozinha, a música que se ouve em família, por exemplo, deixam marcas pessoais e o que sai de cada pessoa destas vivências é só dela, não pode ser comparado, muito menos classificado pelos critérios do mercado, regra que não é respeitada muito hoje em dia. Há demasiada imposição de ‘receitas de bolo’, embora o que é simples muitas vezes evoca mais do que coisas supostamente elaboradas”.

Rodrigo Zanc no palco do programa Sr.Brasil, com Rolando Boldrin (Foto: Marcelino Lima)

Este jeito de ser e de agir também move os parceiros de Rodrigo Zanc, entre os quais o araraquarense cita Wolf Borges, Carlin de Almeida, Mauro Mendes, Murilo Romano, Fernando Mori, Ricieri Nascimento e Cláudio Lacerda. A identificação com Isaías Andrade, de Americana, por exemplo, já rendeu mais de quarenta composições, dez das quais entraram nos álbuns Pendenga (2006) e Fruto da Lida (2013), cujos selos são independentes.

“Isaias Andrade escreve tanto que tirou este peso de mim, posso me dedicar mais a burilar nossas músicas”, observou Zanc. As gavetas dos dois, entretanto, observem, ainda guardam inéditos 3/4 do que já produziram em conjunto. A boa notícia é que se depender dos planos que os compadres vêm costurando em sucessivas “noites de inspiração” que recentemente passaram a se repetir na sala de um ou do outro, o rico material será compartilhado mais um pouco com o público, em breve. “O Fruto da Lida ainda tem muito a caminhar e o estradar nos ocupa muito tempo, mas temos a intenção de lançar um terceiro disco, autoral como o Pendenga, só com músicas do Isaías ou minhas e dele.”

Para saber mais sobre Rodrigo Zanc visite www.rodrigozanc.com.br e www.facebook.com/rodrigozanc.

 

SC 2