1063 – Pedro Vaz (SP/GO) comemora quinze anos de carreira com álbum de viola instrumental

Paulistano que adotou Goiânia e marca presença em Brasília como músico, maestro e professor profissionalizante explora diversas sonoridades em álbum com 12 faixas com participações de Pedro Macedo, Thomas Roher, André Rass e Milla Tuli

Marcelino Lima

Pedro Vazvioleiro e compositor paulistano, goiano de coração e músico dos mais destacados na atual cena cultural de Brasília (DF) e do Planalto Central, está comemorando 15 anos de carreira com o lançamento do primeiro álbum solo, Dê Espaço ao Tempo. Com 12 faixas instrumentais nas quais dá seu recado com a viola caipira – companheira de estrada já há dez anos -, o disco produzido por Ricardo Vignini no estúdio Bojo Elétrico (SP) é uma síntese de belos arranjos e composições do músico que já foi pupilo dos mestres Roberto Corrêa e Marcos Mesquita, graduou-se em Música pela Universidade de Brasília (UnB), tocou guitarra e percussão e, atualmente, é professor  do CEP/EMB – Escola de Música de Brasília, além de maestro da Orquestra Roda de Viola — entre outros projetos e participações em grupos de referência como Cega Machado, Caboclo Roxos, Banda Judas e Encontro Violado.

Continue Lendo “1063 – Pedro Vaz (SP/GO) comemora quinze anos de carreira com álbum de viola instrumental”

Anúncios

849 – Pedro Antônio (MG) convida conterrâneo Zé Geraldo para rodada de prosa e cantoria em Uberlândia

O cantor e compositor Zé Geraldo visitará o Estado natal para promover no sábado, 16, em Uberlândia (MG) apresentação ao lado do conterrâneo Pedro Antônio marcada para começar às  21 horas. O palco reservado à cantoria é o do Teatro Municipal, em mais uma rodada do projeto Pedro Antônio convida, cujas temporadas ocorrem desde 2013. O anfitrião, acompanhado por sua banda,  fará as honras da abertura antes de Zé Geraldo relembrar sucessos do repertório próprio que o consagrou como o mais aclamado expoente do rock rural brasileiro, gravados em 16 álbuns. Antes do encerramento, os dois cantarão juntos.

Nascido em Rodeiro, na Zona da Mata mineira, onde admiradores construíram uma estátua para homenageá-lo, Zé Geraldo cresceu em Governador Valadares, situada no Vale do Rio Doce. Aos 18 anos desembarcou em São Paulo para estudar e tentar a fama dentro das quatro linhas de um gramado de futebol, sonho abortado após sofrer acidente automobilístico. A fatalidade o levou para a carreira artística assumidamente influenciada por Bob Dylan, marcada por poesia e um acento claramente contestador.

Entre 1975 e 1978 participou de e faturou troféus em inúmeros festivais, arando desta forma a terra para a gravação, em 1979, de Terceiro Mundo, o primogênito da discografia. Canções como Cidadão, Como Diria Dylan, Senhorita e Milho aos Pombos entretêm sucessivas gerações e são sempre solicitadas em seus shows. Rio Doce é outro destes clássicos, que, ultimamente,  Zé Geraldo vem cantando em tom de protesto e visivelmente entristecido devido à criminosa contaminação do rio pelos rejeitos do vazamento da barragem da Samarco/Vale do Rio Doce, em Mariana (MG), em novembro de 2015. Com esta canção, hino oficial de Governador Valadares, concorreu no Festival MPB-Shell de 1980.

pedro-antc3b4nio

Nascido em Paracatu, município da porção noroeste de Minas Gerais, Pedro Antônio (foto acima) interliga sonoridades da MPB à música raiz.  Está na estrada desde os 16 anos tanto como cantor, quanto como compositor e instrumentista. Nos primórdios da carreira tocava violão em bares noturnos de Brasília (DF), paralelamente aos estudos. Corria 1978 e, três anos depois,  já em São Paulo, passou a ter aulas  em contrabaixo com o professor Claudio Bertrami e Teoria Musical na Ordem dos Músicos. Ao final da década dos anos 1980, fundou, juntamente com o irmão Antônio Galba, os amigos de infância Márcio Pereira e Wellington de Faria, o grupo Mina das Minas, que ficou conhecido pelo trabalho vocal e instrumental, com o qual excursionou pela Europa e gravou dois discos (Mina das Minas, 1989, e Bacupari, 1997).

Pedro Antônio também foi vocalista da banda de música andina Terramérica, vencedora de vários festivais do Brasil no início da década do ano 2000, e gravou Bois do Brasil. Em 2011, saiu Carta ao velho Rosa, que abre sua discografia e recebeu indicação ao Prêmio da Música Brasileira. Em 2013, arrebatou uma das estatuetas da categoria Melhor Intérprete do 3º Prêmio Rozini de Excelência em Viola Caipira. Programas de emissoras como Rede Globo (Som Brasil) e TV Cultura (Viola Minha viola, Metrópoles e Sr. Brasil) já gravaram com Pedro Antônio, parceiro entre outros de Zé Alexandre, Consuelo de Paula, e João Bá. Recentemente, lançou Plantação de estrelas, no qual assina dez das doze faixas; Zé Paulo Medeiros (Água) e Carlos Alberto Haddad (Passarin) completam a obra que tem direção e os arranjos de Pedro Ferreira, já agraciado com um prêmio Grammy como produtor musical. Pedro Antônio contou em estúdio com músicos que são expoentes da cultura regional entre os quais João Bá e Levi Ramiro; Lula Barbosa; Professor André Campos e Coral Nossa Voz; Márcio Pereira, Adolfo e Vânia Figueiredo (Trem das Gerais) e dos filhos Lucas e Ângelo Cordeiro. As ilustrações e a capa surgiram dos traços do artista plástico Alonso Zagaia.

Para mais informações e reserva de ingressos há o telefone 99276-3926, que deverá ser precedido pelo código 34, DDD de Uberlândia.

H1n1-2

 

762 – Cirinho Rio Doce, que em agosto lançara quinto disco da carreira, compõe canção e poema em homenagem ao Rio Doce

bento rodirgues
Foto aérea do distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG) mostra à direita da imagem como o lugarejo ficou após o rompimento da barragem (Foto: Ricardo Moraes/Reuters)

As centenas de mortes e a monstruosa destruição causadas pela onda de lama e rejeitos químicos que vazaram no dia 5 de novembro da barragem do Fundão, em Mariana, e que a partir do antigo distrito desta cidade mineira, Bento Rodrigues, impôs ao país seu maior “desastre” ambiental, mais de um mês depois seguem rendendo protestos e justas indignações coletivas, embora, até o momento, não tenha havido a devida condenação e responsabilização da Vale e suas associadas estrangeiras que, por detrás da mineradora Samarco, ainda exploram este forma de atividade — sabe-se agora, tão potencialmente arriscada e letal para quem vive no seu entorno e/ou mesmo há quilômetros de distância, em outro estado, inclusive.

cirinho-rio-doce-a-jpg
Cirinho Rio Doce, artista natural de Colatina (ES)

Um destes gritos de indignação chegou ao Barulho d’água Música por intermédio do cantor e compositor Cirinho Rio Doce, artista natural de Colatina (ES) e que traz em seu nome artístico homenagem justamente ao rio que banha sua terra natal e mais afetado pela devastação. Cirinho Rio Doce compôs música e poema, apresentados por meio de um vídeo intitulados O lamento do Rio Doce e o desastre de Mariana  que poderá ser visto clicando o ponteiro do mouse neste linque em azul ou caso o mesmo expire visitando-o pelo endereço virtual https://www.youtube.com/watch?v=0YyE_5yoQUg  .

Continue Lendo “762 – Cirinho Rio Doce, que em agosto lançara quinto disco da carreira, compõe canção e poema em homenagem ao Rio Doce”