1072 – Roda ao ar livre, em Beagá, comemora reconhecimento da viola como patrimônio cultural imaterial de Minas Gerais

Patrimônio cultural imaterial é uma categoria definida pela Unesco que abrange expressões culturais e  tradições que um grupo de indivíduos preserva em respeito da sua ancestralidade para conhecimento das gerações futuras

Marcelino Lima

Os violeiros Chico Lobo, Pereira da Viola e Wilson Dias vão se apresentar, juntos, a partir das 19 horas da quinta-feira, 14 de junho, na Praça da Liberdade, em palco que será armado entre o Memorial Minas Gerais Vale e o Museu de Minas e do Metal da Gerdau, em Belo Horizonte (MG). A cantoria celebrará a análise pelo Conselho Estadual de Patrimônio Cultural de Minas Gerias (Conep) que — antes da roda de viola ao ar livre,  em reunião prevista para começar às 16 horas — analisará o Dossiê do Registro dos Saberes, Linguagens e Expressões Musicais da Viola em Minas Gerais para reconhecimento do instrumento como patrimônio imaterial do Estado. Com direção artística de Chico Lobo e produção da Viola Brasil, o show ao ar livre terá como convidados Letícia Leal, Gustavo Guimarães, o mestre e folião Seu Odorino e a Orquestra Estudo Viola de Betim.

Chico Lobo, Pereira da Viola e Wilson Dias são três dos mais populares representantes da viola caipira em Minas Gerais

Continue Lendo “1072 – Roda ao ar livre, em Beagá, comemora reconhecimento da viola como patrimônio cultural imaterial de Minas Gerais”

Anúncios

1015 – Contribua para a volta do “Oscar da Viola Caipira”, prêmio nacional de incentivo à cadeia produtiva da viola

Ficará aberta somente até 27 de janeiro a campanha que por meio de uma das plataformas nacionais de crowdfunding visa a arrecadar contribuições para a realização de nova edição do Prêmio Nacional de Excelência da Viola, que os organizadores divulgam como sendo “O Oscar da Viola Brasileira”. A meta é atingir ao menos R$30 mil, montante que permitiria promover, ainda neste ano, a quarta edição do evento, nos moldes das anteriores, e acolher inscrições para mais de 20 categorias — das quais, cinco de cada, receberão certificados e troféus que serão entregues aos indicados n“A Noite de Gala da Viola”. Aos contribuintes estão previstas recompensas que variam de acordo com o valor cedido e que incluem, por exemplo, o direito de chancelar o evento com suas marcas, obtendo, assim, destaque em todas as divulgações diárias em mídias sociais como Facebook, Instagram, Twitter e mídia espontânea, além de outros benefícios a serem negociados.

Continue Lendo “1015 – Contribua para a volta do “Oscar da Viola Caipira”, prêmio nacional de incentivo à cadeia produtiva da viola”

927 – Violeiro Levi Ramiro lança “Purunga”, novo álbum solo e nono da carreira

1-Vasilha feita com a casca de plantas cucurbitáceas.(cabaças)
2-Planta da família das Cucurbitáceas(Lagenaria Vulgaris).Porongo

Barulho d’água Música vem sendo embalado por novidades fonográficas recentemente lançadas, aprovadas com louvor e com mais dez pontos de bonificação nos testes de excelência da redação: nunca antes na história deste veículo ouvimos tanta música de qualidade, material de incontestável contribuição para nosso cada vez mais precioso acervo e que tem deixado o quarteto Pablito Neruda, Leopoldo Rogério, Maria Júlia e Abigail Cristina visivelmente felizes! A mais recente aquisição, enviada de Pongaí (SP),  chegou com o remetente Levi Ramiro, uma saudação particularíssima nos desejando saúde e paz e um “som purunguístico”. Purunga, álbum despachado no interior do envelope, é o nono da carreira do violeiro, compositor e artesão, um dos mais respeitados nas rodas da música caipira e regional. Mais do que gravar 17 inéditas músicas (entre as quais quatro instrumentais), Levi Ramiro procurou revelar aos amigos e fãs etapas da confecção de uma nova viola [neste caso feita de cabaça], ilustrando o encarte com fotos de Adriano Rosa nas quais aparece em sua oficina particular manuseando ferramentas e dando vida ao instrumento.

Continue Lendo “927 – Violeiro Levi Ramiro lança “Purunga”, novo álbum solo e nono da carreira”

866 – Rodrigo Nali comanda Roda de Viola Caipira em Piracicaba (SP)

Alguns lutos podem custar a serem superados, mas também motivarem a busca por novos projetos. O violeiro de Paulínia (SP) Rodrigo Nali, por exemplo, mesmo ainda abatido pela precoce morte de Anderson Baptista, jovem com o qual formava o Duo Catrumano e a dupla Anderson e Rodrigo Nali, resolveu se manter ativo e já nesta sábado, 30 de abril, estará em Piracicaba à frente da Roda de Viola Caipira que a partir das 11 horas celebrará amizades e será formada para contação de causos e releituras de clássicos. O local escolhido para a festa que integra a programação Rio das Artes, do Sesc local, e tem apoio da Juá Produções Culturais, é a Casa do Povoador, situada à avenida Beira Rio, 800, no Centro da capital mundial da pamonha. Para mais informações há o número de telefone 19 34340-8605, mas Rodrigo Nali, que em 22 de abril recebeu inúmeras manifestações de apoio e votos de felicidade por mais um aniversário, avisa aos interessados que basta ter uma viola ou violão para se juntar aos tocadores.

Rodrigo Nali recebeu em 30 de setembro de 2014 homenagem na Câmara Municipal de sua cidade proposta por Danilo Barros (PC do B), vereador que encaminhou o projeto em reconhecimento ao “empenho na música e por Rodrigo Nali representar Paulínia no Brasil e no mundo”. O músico é virtuoso com o instrumento que escolheu para seguir na estrada e muito de sua habilidade foi adquirida e aperfeiçoada em convivência com Ivan Vilela, quando ao lado deste integrava a Orquestra Filarmônica de Violas, que Vilela fundou em Campinas e é uma das mais afamadas e premiadas do gênero.

Partida precoce

Anderson Baptista morreu em 8 de abril, após uma semana internado, em Campinas (SP), vítima da gripe H1N1. Estava com 27 anos.

naotemdesculpa2_cartaz

 

 

848 – Violeiro Anderson Baptista não resiste à gripe H1N1 e morre em Campinas (SP)

O Barulho d’água Música lamenta informar que ocorreu na manhã de hoje, 8 de abril, a morte do músico e violeiro Anderson Baptista de Jezus, que ao lado de Rodrigo Nali formava o Duo Catrumano, de Campinas, além da dupla Anderson e Rodrigo Nali.

Ainda jovem, Anderson completaria 28 anos em 7 de junho, mas após uma semana internando no hospital da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (Pucc) perdeu a batalha que travava para resistir às complicações da Influenza H1N1, a temida gripe suína, conforme notícia confirmada pelo produtor cultural José Carlos da Silva, da Juá Cultural Produção e Eventos. O velório começará às 16h30 no Cemitério Parque das Flores, situado na avenida Deputado Luis Eduardo Magalhães, 1505, que fica no bairro de Campinas Cidade Satélite Íris. O sepultamento do corpo ocorrerá amanhã, durante a manhã.

Continue Lendo “848 – Violeiro Anderson Baptista não resiste à gripe H1N1 e morre em Campinas (SP)”

801- Anderson Baptista e Rodrigo Nali encerram festival violeiro em São Francisco Xavier (SP)

catrumano 2

Os violeiros Anderson Baptista e Rodrigo Nali serão a atração deste sábado, 30 de janeiro, da última rodada da temporada do festival São Chico das Violas, que a Photozofia Cozinha & Arte anualmente promove no distrito de São Francisco Xavier, situado em São José dos Campos, cidade do Vale do Paraíba, no estado de São Paulo. A dupla estará no palco montado no Largo São Benedito, 105, a partir das 21h30, apresentando repertório inspirado em Cornélio Pires e outras referências da cultura caipira como Tonico e Tinoco, Tião Carreiro, Tião do Carro, João Mulato, Bambico e Zé Mulato. Em 2016, o público do São Chico das Violas já curtiu Daniel Franciscão & Sérgio Turcão; Wilson Teixeira; e Ricardo Vignini e Zé Helder, estes apresentando o mais recente lançamento da série Moda de Rock.

Experientes violeiros com passagem por importantes formações de viola instrumental pelo Brasil e exterior, Anderson Baptista e Rodrigo Nali também vão animar a plateia que frequenta o projeto Viola&Café do Sesc Campinas (SP), a partir das 10 horas do domingo, 14 de fevereiro. Desta vez o repertório trará composições do primeiro álbum, que está em fase de produção, e deverá ser lançado ainda em 2016, sempre baseado na autêntica música caipira. Enquanto degusta um típico café de roça, os admiradores poderão curtir sucessos como Gato de Três Cores (Carreirinho), Capiau (Tião do Carro e Caetano Erba), Louco Romântico (Zé Mulato) e Sistema Bruto (Ruan e Juarez Benites), entre outros.

O Sesc Campinas não cobra entrada para os concertos do Viola&Café,  fica na rua Dom José I, 270, Bonfim, e o telefone para mais informações é (19) 3737-1500

11800199_10153415689722088_4094266585024229638_n

 

 

753 – Sesc Pinheiros (SP) traz Duo Catrumano para concerto que encerra Série Erudita Viola em Concerto

duo catrumanoj

O Duo Catrumano será a atração da rodada que encerrará nesta quarta-feira, 9, a Série Erudita Viola em Concerto, promovida pela unidade Pinheiros do Sesc de São Paulo, com curadoria do violeiro e professor Ivan Vilela. Formado pelos violeiros Rodrigo Nali e Anderson Baptista, o Duo Catrumano estará no palco do teatro situado no 3º andar a partir das 20h30, com ingresso limitado a quatro por pessoa. A entrada será proibida após o início do concerto. 

Continue Lendo “753 – Sesc Pinheiros (SP) traz Duo Catrumano para concerto que encerra Série Erudita Viola em Concerto”

741- Duo Arcoverde (PE), precedido por conferência de Lia Marchi, movimenta a Série Erudita Viola em Concerto (SP)

duo arcoverde

O Sesc Pinheiros promoveu na noite de quarta-feira, 25, a penúltima rodada da Série Erudita Viola em Concerto, projeto que desde agosto, com curadoria do violeiro, compositor e professor Ivan Vilela procura levar o público a um mergulho ao universo da viola, desde suas origens seculares até o contexto contemporâneo, desdobrando-se numa série de concertos, palestras e masterclasses que desvendarão o instrumento. Ivan Vilela recebeu desta vez Lia Marchi, para uma nova conferência, e, depois, o palco coube ao Duo Arcoverde, formado pelos pernambucanos Adelmo e André Arcoverde, pai e filho. Antes da apresentação dos Arcoverde, Vilela comentou que por conta das festas natalinas a última sessão da Série está antecipada para 9 de dezembro, a partir das 19 horas. Naquela data a conferência terá por tema O caipira, modos de ser e de não ser, com José de Souza Martins. O show reunirá o Duo Catrumano, dupla formada por ex-alunos de Vilela, os violeiros Rodrigo Nali e Anderson Baptista. 

Continue Lendo “741- Duo Arcoverde (PE), precedido por conferência de Lia Marchi, movimenta a Série Erudita Viola em Concerto (SP)”

674 – Canções de São Francisco, novo álbum de Gustavo Guimarães (MG), celebra a fraternidade, o amor à frugalidade e à natureza

 

ENCARTE1 (2)
Gustavo Guimarães é natural de Diamantina e e está radicado em Belo Horizonte (MG) Foto: Paulo Tadeu Pinto

Há dois dias, em 4 de outubro, domingo, ocorreu a data dedicada ao louvor de um dos santos mais amados e singelos do Catolicismo, mas que encontra seguidores e admiradores também entre outros panteões pelos valores universais que praticava: São Francisco de Assis. Frade franciscano que teve o hábito da pregação itinerante e marcado pelo despojamento que marcou sua vida (*Assis, 5 de julho de 1182 , — +3 de outubro de 1226), São Francisco de Assis inspirou o violeiro e compositor Gustavo Guimarães a promover um novo trabalho, o álbum Canções de São Francisco, com 14 composições próprias nas quais cantam ideias e visões de mundo do santo sinônimo de simplicidade, respeito à natureza e amor a todas as criaturas. 

Continue Lendo “674 – Canções de São Francisco, novo álbum de Gustavo Guimarães (MG), celebra a fraternidade, o amor à frugalidade e à natureza”

668 – Sesc Pinheiros (SP) promove com Renato Varoni e Marcus Ferrer segunda noite da Série Erudita Viola em Concerto

O Barulho d’Água Música acompanhou na noite de 30 de setembro a segunda rodada da Série Erudita Viola em Concerto, que entre agosto e dezembro, mensalmente, sempre na última quarta-feira de cada mês, oferecerá concertos, conferências e masterclasses com grandes nomes da viola instrumental brasileira, buscando mostrar a versatilidade deste instrumento que se confunde com a formação histórica do Brasil. Sob a curadoria do violeiro, compositor, pesquisador e professor Ivan Vilela , a Série buscará estabelecer relações, diálogos e contrapontos no intuito de contribuir para a ampliação e formação de repertório do público em geral.

varoni arte 22

Os convidados do dia 30 de setembro foram os cariocas Renato Varoni e Marcos Ferrer. Varoni ministrou a palestra Os caminhos da viola no mundo urbano: Rio de Janeiro – século XIX, seguida pelo concerto de Marcos Ferrer. De acordo com ele, após a transferência da corte portuguesa para o Brasil em 1808 e com a recolocação de 15.000 membros da aristocracia no Rio de Janeiro, teve início um processo civilizatório que transformou política, econômica e culturalmente a então capital do país naquele começo de século XIX. O carioca teve de se adaptar a uma inusitada realidade, levando-o a incorporar novos costumes e a rejeitar outros que passaram a ser considerados ultrapassados.

Nesse contexto, a viola, um dos cordofones mais populares no país desde o século XVI, começou a cair em importância no Rio de Janeiro, enquanto o violão e seus similares como a viola francesa (ou “guitarra francesa”) ocuparam, gradativamente, o papel de principal acompanhador da música popular à medida que os anos 1800 avançavam. Renato Varoni apoiou-se em representações musicais na literatura e na iconografia da época paara durante a palestra mostrar como o declínio da viola no Rio de Janeiro esteve atrelado às disputas sociais mais amplas, resultando na desvalorização simbólica do instrumento ante forças que pretendiam europeizar e modernizar a cidade.

RVVVVYYY

Renato Varoni tem experiência na área de música popular brasileira como músico, professor e pesquisador. Dedica-se desde 2003 à investigação dos cordofones luso-brasileiros, e é especialista em viola de arame. Concluiu doutorado em Etnomusicologia pela Queens University Belfast com a tese Tuning in to the past: the viola and its representations in 19th century in Rio de Janeiro  e mestrado em Musicologia Histórica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com a dissertação Os caminhos da viola no Rio de Janeiro do século XIX , posteriormente ao Bacharelado em Música com habilitação em Música Popular Brasileira também pela UFRJ. Atualmente,escreve artigos sobre a viola e leciona temporariamente na Universidade Federal do Maranhão (MA).

O concerto que Marcus Ferrer apresentou no Sesc Pinheiros seguiu repertório baseado em acurada seleção de diversos compositores nacionais, entre os quais Guerra-Peixe (Prelúdio número 5), Villa-Lobos (Prelúdio número 2), Radamés Gnattali (Estudo número 5), Edino Krieger (Ponteando), Marisa Resende (Psiu!) bem como composições próprias, tais quais Modinha Prelúdio e Toada Serra Mar, além de peças criadas especialmente para o músico, como Casa de Ferrer, Viola de pau, de Jorge Antunes (DF). Nesta execução, o músico inovou utilizando um arco de violino para tocar uma das suas duas violas e a encerrou com a viola segura pela mão esquerda, em posição vertical com a frente voltada para a plateia e elevada enquanto a vibração das cordas e da batida que ele dera no tampo ressoavam pelo ar; Ferrer levou ao palco duas violas, uma das quais, centenária, tocou a maior parte do concerto, afinada em “rio abaixo”, e com a qual também executou ainda os chorinhos Magoado (Dilermando Reis), Carinhoso (Pixinguinha) e Odeon (Chiquinha Gonzaga); o violeiro Neymar Dias prestigiou o concerto e tocou a viola centenária após o encerramento do concerto.

12049618_992422467488790_5496190345852504206_nMarcus Ferrer é professor da UFRJ, doutor em Teoria e Prática da Interpretação, com a tese A viola de 10 cordas e o Choro: arranjos e análises, pela Universidade Federal do Estado do Rio/UniRio. Mestre em Composição, defendeu a dissertação Choros 4 e Suíte Retratos: o Choro visto por Heitor Villa-Lobos e Radamés Gnattali pela Escola de Música da UFRJ. Ferrer ainda é compositor, violonista e violeiro, além de fundador e integrante da Orquestra de Cordas Brasileira com a qual ganhou três prêmios Sharp: melhor grupo de música instrumental e melhor disco de música instrumental; e melhor disco de música instrumental com Chiquinho do Acordeon e Raphael Rabello. Classificou-se em terceiro lugar no II Prêmio Syngenta de Música Instrumental de Viola com Toada Serra Mar.

ferrer arte

Próximas atrações da Série Erudita Viola em Concerto

28 de outubro, 19 horas – Conferência com Paulo Castagna: A difusão das violas no Brasil, do século XVI ao início do século XIX/ 20h30 – Concerto: Fabrício Conde (Juiz de Fora/MG)
29 de outubro, 19 horas – Masterclass: A viola percussão de Fabrício Conde
25 de novembro –  Conferência com Lia Marchi: Entre Brasil e Portugal: viola e tradição/ 20h30 – Concerto: Duo Arcoverde, com André e Adelmo Arco Verde (Nazaré da Mata/PE)
9 de dezembro – Conferência com  José de Souza Martins: O Caipira, modos de ser e de não ser/ 20h30: Concerto: Duo Catrumano, com Rodrigo Nali e Anderson Baptista (Campinas/SP)
O Sesc Pinheiros fica na rua Paes Leme, 195,  a menos de 1.000 metros das estações Faria Lima da linha 4 Amarela do Metrô e Pinheiros da CPTM, com saída pela praça Victor Civita. Para mais informações telefone para 11 3095-9400 e visite sescsp.org.br/pinheiros.
quarteto