1515 – Antes de atravessar o rio, Joaci Ornelas (MG) deixa pronto o inédito disco Líricas

#MPB #MúsicaMineira #ViolaCaipira #ViolaBrasileira #CulturaPopular #MinasGerais #SalinasMG #BeloHorizonte #JoaciOrnelas #ElifasAndreato

Violeiro autodidata deixa o plano terreno consagrado entre amigos e fãs como autor de composições que retratam paisagens do sertão mineiro e discorrem sobre temas universais, relativos aos sentimentos humanos, suas diversas formas de expressão e existência.

O ritual das audições matinais de todos os sábados aqui no boteco do Barulho d’água Música, em São Roque (SP), antes de ser retomado, ainda a pulso, neste dia 2 de abril, em meio a uma sucessão de mortes de parentes e amigos no período de pouco mais de trinta dias, foi antecedido por um minuto de silêncio, uma prece e o acendimento de uma vela em intenção de dois expoentes dos mais elevados de nossa cultura popular: Joaci Ornelas e Elifas Andreato, que nos deixaram nos últimos dias de março.

Conterrâneos de Minas Gerais e do Paraná, Ornelas e Andreato em suas vidas se dedicaram à sublime missão de nos encorajar a sermos o que somos: brasileiros, gente que forma um povo sofrido e que, em sua maioria, sempre haverá de trabalhar (o que é salutar e honrado!) para ter o mínimo de dignidade e conforto, sem, no entanto, nunca ficar completamente livre daqueles que usurpam nossos mais caros direitos fundamentais, aviltando-nos e nos esculachando, dai a necessidade do encorajamento.

Por meio de cada palavra e nota que um cantou e tocou ou cada traço que o outro desenhou, corajosos, teimosos, o violeiro e o artista gráfico acreditaram e nos fizeram ainda acreditar que, mesmo sofrendo revezes e amargando retrocessos, pela arte todos podemos encontrar um caminho para a plena redenção… inclusive desta triste sina que, para alguns, é ser, justamente, brasileiro! Em memória e em tributo a ambos, resgato um bordão que fez sucesso há alguns anos antes da pandemia da Covid-19: apesar de eles não estarem mais em campo, ao menos, fisicamente, que ninguém solte a mão de ninguém e quem soltou, reate o laço. Nossos sonhos ainda são possíveis, mas há muita luta pela frente, a começar por apear do Palácio do Planalto a súcia que lá se instalou e, no tempo certo, dentro dos rigores da lei, dar a cada um o troco que estão a merecer…

Feita a reza, acesa a vela, guardado o silêncio, um dos dois discos escolhidos para a audição é No Dizer do Sertão, que Ornelas lançou em 2016 para evocar tradições e hábitos do lugar onde o dia chega mais cedo e o céu quase nunca escurece, conforme ele mesmo observou. O outro disco é Líricas, ainda inédito: Joaci mantinha um canal no Youtube e, antes de virar Luz, registrou nesta plataforma as oito canções daquele que será seu terceiro disco autoral, realizado com recursos da Lei Aldir Blanc e com composições dele ou em parceria com Felipe Bedetti e Lima Júnior. A pedido de Joaci, o trabalho com participações de Lígia Jaques, Leopoldina e Bedetti (que lançou, recentemente, Afluentesdo qual vamos falar em breve aqui) deverá ser finalizado ainda em 2022 por amigos aos quais confiou o projeto.

Continuar lendo

1500 – Contribua para a gravação do novo álbum do “artivista” paraense Bené Fonteles

#MPB #ArtesPlásticas #Literatura #Poesia #BragançaPA

Artista plástico, jornalista, editor, escritor, poeta, cantor, compositor e xamã, entre outras formas de expressão que formam as várias facetas do incansável “artivista” que, conforme a própria definição, ele encarna, Bené Fonteles disparou campanha na internet para coletar contribuições entre amigos e tirar do papel o disco D’Alegria. Em formato físico e digital, D’Alegria será gravado no Sítio Arvoredo, em Pocinhos do Rio Verde, distrito de Caldas (MG) e onde fica o estúdio Venta Moinho “debaixo de um pé de jequitibá” do amigo, violeiro cantor e vizinho de porta João Arruda. O trabalho reforçará uma discografia que, fora a participação em outras gravações¹, inclui os autorais Benditos, coletânea de 2003 que mescla Benedito (1983), Silencioso (1987) e (1991); Silencioso tem apenas capa, já que sua proposta conceitual é a de que seja ouvido o silêncio.

Em 2019, em parceria com Lucina, Fonteles gravou Canções para Pescar Almas (Foto: Patrícia Ferraz)

Continuar lendo

1476 – João de Ana (MG) lança álbum de estreia pela Kuarup, com participação de Chico Lobo e Bárbara Barcelos

#MPB #ViolaCaipira #RockRural #ClubeDaEsquina #BandaPauECorda #Pernambuco #MinasGerais #ValeDoJequitinhona #PedraAzul #LagoaSanta #Kuarup

Inspirado no Vale do Jequitinhonha e no Clube da Esquina, Dignidade confirma o DNA musical que pulsa naquela região mineira e traz releitura de Banco de Feira, da Banda de Pau e Corda. Autor vai se apresentar em restaurante de Beagá no dia 27.

O álbum Dignidade é de uma riqueza sonora imensa. O disco de estreia do cantor e compositor João de Ana saiu pelo selo Lobo Kuarup, parceria do violeiro Chico Lobo com a gravadora e produtora Kuarup, e já está disponível nas plataformas digitais e no formato físico. Natural de Pedra Azul, no Vale do Jequitinhonha, nordeste de Minas Gerais, João de Ana transita com naturalidade pela música com as influências regionais, da MPB, da música mineira e pelo melhor do rock rural. São searas que lhe dão esse ar de cantar a aldeia, de levar a natureza e seus costumes e se conectar com a atualidade e os grandes centros urbanos. A amizade é um sentimento constante em sua música, tratada de forma primordial, com belas letras poéticas, criação que se espera de um artista que já nasce em uma terra tão especial e que não nega suas influências e suas heranças.

Um exemplar de Dignidade foi gentilmente enviado ao Solar do Barulho pelo diretor artístico da Kuarup. Rodolfo Zanke, ao qual e á sua equipe agradecemos pelo apoio.

Leia mais sobre álbuns da Kuarup ou conteúdos relacionados à produtora e gravadora ao visitar os linques abaixo:

https://barulhodeagua.com/tag/rodolfo-zanke/

Continuar lendo

1407 – O pulsar da força da América Latina está no novo disco de Nádia Campos (MG), Luz Peregrina*

*Com Simone Gallo

Com canções autorais e parcerias inéditas, a artista mineira lançou o álbum hoje nas plataformas digitais juntamente com um minidocumentário sobre o processo de criação do recente trabalho.

 O disco Luz Peregrina, da compositora mineira Nádia Campos, disponível a partir de hoje, 29 de junho, nas plataformas digitais, nasceu a partir de suas vivências culturais pelos lugares por onde passou e das trocas com as pessoas com as quais encontrou em seu caminho. As 14 faixas trazem os valores ancestrais da cantadeira e promovem um encontro lusófono com influência moura, africana e indígena. O pulsar das culturas, instrumentos e melodias da América Latina se misturam nas veias de Nádia em busca da sua própria identidade. Como resultado desta peregrinação, ela comentou: “Quando se caminha em um território, em uma paisagem, também existe um movimento interno da consciência e do espírito que manifesta de forma atemporal o que somos”.

Continuar lendo

1403 – Carlinhos Ferreira (MG) lança Fragmentos e Trilhas, álbum concebido em retiro espiritual no Caparaó capixaba

#MúsicaInstrumental #MúsicaBrasileira #CulturaPopular #Caparaó #ParqueNacionaldoCaparaó 

Disco que sai pela Quae Música é o quarto da carreira do compositor e percussionista e foi produzido durante seu recolhimento em uma das regiões mais marcantes do Brasil, entre o ES e MG 

O percussionista e compositor mineiro Carlinhos Ferreira acaba de disponibilizar neste domingo, 20, em todas as plataformas digitais, Fragmentos e Trilhas, seu quarto álbum de carreira e o segundo solo, pela Quae Música. As nove faixas, todas instrumentais, foram geradas aproveitando os rigores da pandemia da Covid-19 durante retiro espiritual e artístico de cinco meses do músico na porção capixaba da Serra do Caparaó — uma extensão da Mata Atlântica cercada por belezas naturais e que abriga o Parque Nacional do Caparaó, área que se tornou famosa no final da década dos anos 1960 por concentrar atividades de um dos primeiros grupos guerrilheiros de enfrentamento ao nefasto regime militar que se manteve no país até 1985. A utilização nos arranjos de diversos instrumentos musicais presentes no Brasil e em outros países (de cordas, de sopro e de percussão, alguns artesanais, por exemplo) que buscaram captar esta atmosfera mágica, de resistência e de transcendência resultou em um álbum definido pela cantora, escritora e compositora Consuelo Maryákoré de Paula como um “grito de vida”, um trabalho em tempos de isolamento e de pandemia “pra se ouvir com urgência”.

Continuar lendo

1267- Amauri Falabella (SP) recebe Pereira da Viola (MG) em “Cantos de bendizer”, no Sesc de Guarulhos

Autor de quatro álbuns, violeiro paulistano canta temas nos quais acredita e da maneira que gosta, de autoria própria ou em parceria com nomes como Elomar, Xangai, Vidal França, Dércio Marques, Katya Teixeira, Consuelo de Paula, Chico Branco e Lula Barbosa

O cantor e compositor paulista Amauri Falabella será atração na quinta-feira, 19/12, da unidade Guarulhos do Sesc do estado de São Paulo, em cujo palco apresentará a partir das 20 horas, Cantos de bendizer, espetáculo durante o qual deverá apresentar composições inéditas e sucessos da carreira, tanto os de autoria própria, quanto assinados em comunhão com Elomar, Xangai, Vidal França, Dércio Marques, Katya Teixeira, Consuelo de Paula, Chico Branco e Lula Barbosa, entre outros nomes do cancioneiro de resistência brasileiro. Um destes parceiros, Pereira da Viola, violeiro e compositor mineiro, pesquisador da cultura popular que ocorre no Vale do Jequitinhonha, aceitou o convite de Falabella e abrilhantará a cantoria que terá entrada franca.

Continuar lendo

1247 – 6º Prêmio Grão de Música será entregue na galeria do Centro Cultural Olido, em São Paulo

Idealizado por Socorro Lira (PB) como coletânea anual para destacar quinze artistas nacionais, cada um dos escolhidos recebe uma estatueta de 30 cm, em bronze, criada pelo artista visual Elifas Andreato.

Um dos mais importantes troféus do cenário musical da atualidade, o Prêmio Grão de Música (PGM) será entregue em 19 de outubro no Centro Cultural Olido, onde fica a Sala Olido, no antigo Cine Olido, situado na cidade de São Paulo. Já em sua sexta edição continua desde 2014, o PGM neste ano contemplará cantores e compositores de dez estados brasileiros em cerimônia prevista para começar às 17 horas, com entrada franqueada ao público mediante retirada de senhas. O PGM teve início em Salvador (BA), idealizado pela cantora, compositora, escritora e produtora cultural Socorro Lira (PB) como coletânea anual para destacar quinze artistas. Cada um dos escolhidos recebe uma estatueta de 30 centímetros de altura, em bronze, criada pelo artista visual Elifas Andreato. Além da cerimônia de entrega, o evento oferece a #MostraPGM, um concerto com três artistas dentre os premiados do ano. 

Continuar lendo

1240 – Galba e Victor Batista lançam “28 Cordas ao Vivo” para celebrar uma década de parceria

Dupla mineira vai tocar em dois espaços paulistanos dedicados à música independente, o Bar do Frango e o Instituto Juca de Cultura, nas noites de sábado e de domingo

Os cantores e compositores Galba e Victor Batista acabaram de lançar o álbum instrumental 28 cordas ao Vivo e vão apresentá-lo como atração em dois tradicionais espaços paulistanos dedicados à música independente, o Bar do Frango, na noite de sábado, 5 de outubro, e do domingo, 6, no Instituto Juca de Cultura, o IJC (ver a guia Serviços no final desta atualização). O disco registra em nove faixas os mais de dez anos da parceria formada pela dupla e traz releituras de clássicos da música popular brasileira como Brejeiro (Ernesto Nazaré), Rosa (Pixinguinha), Rasta Pé (Waldir Azevedo) e Saudades de Minha Terra (Goiá e Belmonte); Galba, que toca violino, bandolim e violão traz de sua autoria Xote, enquanto o violeiro Batista entra com o arranjo para Instrumental Brasileiro.

O violeiro autodidata e arte educador Victor Batista é mineiro de Belo Horizonte radicado em Pirenópolis (GO) e autor dos álbuns Coração Caminhador (2018), Manchete do Tico-Tico (2013) álbum que resultou em indicação ao troféu de Melhor Cantor Regional do 25º Prêmio Brasileiro da Música, em 2014 — En’cantando com a Biodiversidade (2011) —  em parceria com a World Wildlife Fund (WWF) como complementação de cartilha de educação ambiental para crianças e jovens do estado de Goiás — e Além da Serra do Curral (2004). Além de Galba, já formatou bem sucedidas parcerias com Rubinho do Vale, Chico Lobo, Carlinhos Ferreira, Tatá Sympa, Marcelo Pereira, Pedro Munhoz, Manoelito Xavier, Bilora Violeiro, Levi Ramiro, Negrinho Martins, Carlinhos Ferreira, Lucas Telles, Isabella Rovo, Ronaldo Melo e dona Elcely Batista, mãe de Victor, e os integrantes do Minadouro, grupo que ele ajudou a formar, já extinto. 

Quando residia na Capital de São Paulo, aproximou-se de movimentos estudantis e populares. Após se destacar no Encontro Nacional de Violeiros, promovido em Ribeirão Preto, recebeu de Paulo Munhoz convite para dirigir a gravação de Cantares da Educação do Campo e Terra e Arte, álbuns produzidos pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MTST).  Já com o grupo Camerata Caipira, ao lado de Isabella Rovo, Nelson Latiff e Bosco Oliveira, gravou o álbum homônimo e excursionou em turnê por países como Nova Zelândia e Austrália.

É Membro da Associação dos Violeiros do Brasil, ex-integrante dos grupos parafolclóricos Congá e Saradeiros (ambos da Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG), da Orquestra Mineira de Violas e do Minadouro. Victor Batista é finalista do 5º Prêmio Profissionais da Música e concorre ao troféu Parada da Música, que será entregue ao vencedor na noite de 3 de novembro, em Brasília (DF), na categoria Artistas e Intérpretes Violas e Violeiros, da modalidade Criação.

Antonio João Galba promove um lírico trabalho composto de diferentes estilos musicais com influências africanas, asiáticas, mouriscas e nordestinas que executa com maestria ao som de violinos, rabecas, bandolins, violas e violões e tem outro parceiro de estrada, Braú Mendonça, com quem forma também, ao lado de Sandrinho Silva e Gilson Bizerra, o Cabedal Quarteto.

Natural de Guarda-Mor, atualmente Galba vive em São Paulo. É irmão do violeiro Pedro Antônio, com o qual mais os amigos Márcio PereiraWellington de Faria Walter Mateus fundou a banda Mina das Minas. O grupo gravou dois discos e na década dos anos 1990 excursionou pela Europa.

Durante a infância em Guarda-Mor, situada a 551 quilômetros de Belo Horizonte no noroeste mineiro, Galba já manifestava dons musicais. Sempre que ia campear o gado, o garoto saía cantando pelas invernadas entre os morros da fazenda, atento ao canto dos pássaros e aos sons da natureza. Disposto a se afirmar no braço do violão, Galba se mudou para Belo Horizonte.Na capital das Alterosas, iniciou a trajetória profissional participando de programas de calouros e compôs a primeira música da carreira. Ao ver o anúncio de um festival em Nova Lima compôs em seu quarto a canção e fez a inscrição, recebendo boa acolhida por parte do público.

A recepção o encorajou a seguir de vez na estrada da música e a se deslocar para São Paulo. Galba estuda partituras e teorias musicais, mas é autodidata que compõe, canta e toca por intuição. Esta capacidade de tocar vários instrumentos “de ouvido” o credenciou a acompanhar artistas que seguem os mais diferentes estilos musicais, permitindo apresentações ao lado de  Zé GeraldoSilvio BritoJorge MautnerPaulo SimõesJair Rodrigues e João Bá, João ArrudaEsther AlvesDanilo BáNanah Correia e Levi Ramiro,Daniela Lasalvia, Katya Teixeira e Cláudio Lacerda. É autor de Caçador de Luas e Tribuzana.

Serviço
Lançamento do álbum 28 Cordas ao Vivo
Galba e Victor Batista


Bar do Frango
Sábado, 5 de outubro, 21h30
Avenida São Lucas, 479, Parque São Lucas, São Paulo
Reservas (11) 2345-8688

Instituto Juca de Cultura

Domingo, 6 de outubro, 18 horas
Rua Cristiano Vianna, 1142, Sumaré,  próximo à estação Sumaré da Linha 2/Verde do Metrô, São Paulo

1227 – Grazi Nervegna recebe convidados para lançamento do disco de estreia, na Unibes Cultural (SP)

Anambé’, nome do álbum, é palavra de origem tupi-guarani que significa “aqueles que caminham em parceria e permanecem unidos” e será apresentado com as presenças de Consuelo de Paula, Katya Teixeira, João Arruda, Carlinhos Ferreira, Francisco Prandi e Grupo EntreLatinos

Em 31 de agosto, sábado, a cantora e compositora Grazi Nervegna realizará no palco da Unibes Cultural concerto de lançamento de seu primeiro disco, intitulado Anambé, em cantoria que deverá transcorrer entres 20 e 22 horas e que contará com as participações de Consuelo de Paula, Katya Teixeira, do grupo EntreLatinos e dos músicos João Arruda, Francisco Prandi e Carlinhos Ferreira. Um marco na carreira de Nervegna, Anambé é palavra de origem tupi-guarani que significa “aqueles que caminham em parceria e permanecem unidos” e foi gravado após campanha de financiamento coletivo. “É um voo que a voz de Grazi Nervegna faz ao som da viola e das flautas feitas com tubos rústicos. Um voo ora rasante e rascante, ora amplo e lírico”, afirmou Consuelo de Paula, que também é diretora artística do disco gravado no estúdio VentaMoinho, de João Arruda, em Campinas.

Continuar lendo

1205 – Viola de Feira está de volta em Beagá (MG) e começa com Chico Lobo, Pereira da Viola e Wilson Dias

Nesta segunda temporada do projeto da Picuá Produções a capital mineira terá quatro rodadas até setembro, sempre com entrada franca e novamente promovidas no estratégico Centro Cultural Padre Eustáquio

Os cantores e compositores Chico Lobo, Pereira da Viola e Wilson Dias, três dos mais respeitados expoentes da atual cena da viola de Minas Gerais, estão confirmados pela Picuá Produções como atrações e vão se apresentar conjuntamente na abertura do segundo ano do projeto Viola de Feira neste domingo, 7 de julho, A cantoria está marcada para começar ás 11 horas no Centro Cultural Padre Eustáquio, em Belo Horizonte, mesmo local das rodadas promovidas em 2018. Com entrada franca, Chico Lobo, Pereira da Viola e Wilson Dias serão protagonistas do show Violas de Minas.

Continuar lendo