1022 – Acervo do Barulho d’água Música recebe os álbuns do são-roquense Edson D’áisa

A redação e o cafofo do Barulho d’água Música estão sendo embalados nestes dias entre outras novidades pelos álbuns Todos os Cantos do Vale e Tua Obra, teu Pão, ambos do cantor e compositor Edson D’aísa.  Natural de São Roque (cidade distante 62 km de São Paulo), D’aísa despertou o interesse por música ainda na adolescência, influenciado na década dos anos 1980 por festivais estudantis, nos quais conseguiu várias conquistas. Como “minhoca da terra”, ele busca sempre em suas composições transmitir a essência das histórias e dos personagens que desenvolveram o seu lugar — dedicação e compromisso reconhecidos em 2006 quando o ProAc o contemplou pelo projeto Darcy Penteado na Canção. Já no ano seguinte, D’aisa gravou Todos os Cantos do Vale, seu primeiro álbum.

Continue Lendo “1022 – Acervo do Barulho d’água Música recebe os álbuns do são-roquense Edson D’áisa”

Anúncios

1017 – Débora Leite reverencia Clara Nunes no Centro Cultural Cine São José, em São Roque (SP)*

* Com matéria publicada na revista Retrospectiva 2017 do jornal O Democrata

Clara Nunes, uma das mais consagradas cantoras e intérpretes da música brasileira de todos os tempos, será homenageada pela cantora Débora Leite  na noite de 27 de janeiro, a partir das 20h30, no palco do Centro Cultural Cine São José, situado em São Roque, aprazível cidade do Interior paulista a menos de 60 quilômetros da Capital. Clara Guerreira, que partiu bem antes do combinado, com 41 anos incompletos e no auge do sucesso, deixou para o público que a estimava uma obra composta por ritmos como afoxés e sambas, com fartas referências aos orixás e aos elementos da natureza, além de tributos à Portela, de compositores do naipe de Paulo César Pinheiro, João Bosco, Aldir Blanc e Chico Buarque, entre outros “bambas”. Deste cativante repertório, Débora escolheu canções como Conto de Areia e Canto das Três Raças, que apresentará acompanhada por Rodrigo Ferreira, ao violão, e o percussionista Manu Neto.

Continue Lendo “1017 – Débora Leite reverencia Clara Nunes no Centro Cultural Cine São José, em São Roque (SP)*”

1012- Título de melhor rabequeiro do Brasil é pouco para reconhecer a contribuição de Zé Gomes (RS) à música do país

Desde a mudança da redação do Solar da Lageado, em Sampa, para o Parque Miraflores, em Itapevi, a maior parte dos álbuns do acervo de discos do Barulho d’água Música estava encaixotada pela falta de espaço. Com a chegada a São Roque, enfim, começamos a organizá-los e a fazer um inventário: colocamos todos no piso da sala e assim acabamos encontrando — mais do que uma tarefa burocrática —  perolas que nem mais nos lembrávamos que existiam no baú do tesouro. Resolvemos que poríamos alguns para tocar (antes de prosseguir fique publicamente registrado: o primeiro a ser tocado na nova residência foi Casa, por muitas e simbólicas razões além do nosso amor e admiração por Consuelo de Paula!), escolhendo, em ordem alfabética, pelo menos um de cada cantor, dupla ou grupo brasileiros. O mais lógico éramos seguir o sentido A-Z, mas invertemos a mão, pois no final da fila se destacavam dois instrumentais raros, de um autor dos mais criativos que a nossa música de qualidade independente já teve: o compositor, arranjador, luthier, maestro e pesquisador gaúcho José Bonifácio Kruel Gomes, internacionalmente conhecido por Zé Gomes.

Continue Lendo “1012- Título de melhor rabequeiro do Brasil é pouco para reconhecer a contribuição de Zé Gomes (RS) à música do país”

1008 – Grupo de São Roque (SP) grava álbum de serestas e serenatas para comemorar cinco anos de atividades

O Barulho d’água Música acompanhou na noite de sexta-feira, 8 de dezembro, o lançamento do registro livre musical do Grupo de Choro, Seresta e Serenata de São Roque, cidade do Interior de São Paulo. O evento transcorreu no Restaurante Kim onde os onze músicos tocaram e cantaram sob a coordenação da maestrina Mari Dineri [Moraes de Camargo] canções consagradas de autores como Lupícinio Rodrigues; Paulo VanzoliniLuiz Ayrão; Noel Rosa; Cartola; Vinícius de Moraes, Garoto e Chico Buarque; Dominguinhos e Nando Cordel,e Waldir Azevedo, entre outros. A maioria parte das músicas consta entre as 15 faixas do álbum que destaca ainda três composições de Pixinguinha — entre as quais Carinhoso, que, neste ano, completa um século; Jacob do Bandolim (Doce de Coco); Pedro de Sá Pereira e Ary Pavão (Chuá Chuá); Lúcio Cardim (Matriz ou Filial); Canção de Amor (Elizete Cardoso). O Grupo deu início à apresentação com Seresta (Newton Teixeira, Alvarenga e Ranchinho) e, em seguida, Edson D’aisa interpretou, dele, São Roque em Noite de Seresta. O público também foi brindado com Nervos de Aço, de Lupicínio, e Eu Sonhei que Estavas tão Linda, de Lamartine Babo e Francisco Matoso, interpretada por Zé do Nino. Jorge Maciel, convidado que veio de São Vicente (SP), relembrou entre outros, Sentimental Demais (Altemar Dutra). 

Continue Lendo “1008 – Grupo de São Roque (SP) grava álbum de serestas e serenatas para comemorar cinco anos de atividades”

928 – Mário de Almeida, documentarista do ViolaNa Tela, faz aniversário hoje!

O vídeo-documentarista, diretor, produtor e editor da empresa ViolaNa Tela, Mário de Almeida, faz aniversário hoje, 3 de abril, e de nossa redação — hoje excepcionalmente instalada em São Roque/SP — enviamos um forte abraço e votos de sucesso, muita paz e saúde ao brilhante amigo, de quem já estamos com saudades de levar um papo mais junto ao peito! Mário de Almeida mora, atualmente, em Bragança Paulista, mas nasceu em Guarulhos, ambas cidades do Estado bandeirante. A viola é uma de suas paixões e tema de ótimos documentários (entre os quais Reis: Os violeiros de Palmital, selecionado para festivais e encontros no Brasil e no mundo) que registram a produção de artistas e de grupos de violeiros de vários recantos do país, ajudando desta forma não apenas a preservar tradicionais manifestações da arte e da cultura populares, como ainda a formar novos públicos.

Imagem dos primórdios da Companhia de Reis de Palmital, uma das mais antigas em atividade no país e protagonista da maior festa do gênero, no interior paulista 

O precioso trabalho de Mário Almeida rendeu o convite para ele ministrar no Centro de Formação e Pesquisa do Sesc a palestra A Folia de Reis, sua origem e sua trajetória no Brasil, durante a qual abordará as diversas manifestações deste folguedo, seus aspectos típicos brasileiros e suas formas específicas na cultura caipira, com ênfase na realização da maior Festa de Santos Reis do Brasil, realizada em Palmital, no Interior de São Paulo. O documentarista contará com apoio de integrantes da Companhia de Santos Reis Água das Anhumas de Palmital (ativa há mais de 80 anos) e audiovisuais entre 10h30 e 17h30 deste sábado, 8 de abril. As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade, com valores que variam entre R$ 9,00 (credencial plena: trabalhador do comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes), R$ 15,00 (idosos com ou maiores de 60 anos, pessoa com deficiência, estudante e professor da rede pública com comprovante) e R$ 30,00 (inteira).  Após esse período, caso ainda haja vagas, será possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não haverá inscrição.

896 – Diogo Oliveira e Cesar Pereira preparam álbum clássico com obras autorais e de compositores brasileiros como Liduíno Pitombeira

O Barulho d’água Música apresenta aos amigos e seguidores o jovem violonista Diogo Oliveira, fluminense nascido em 1987 no município de Barra Mansa e atualmente residente em São José dos Campos (SP).  Em parceria com o flautista Cesar Augusto Pereira da Silva, de São Roque (SP), Diogo Oliveira está trabalhando para lançar ao final deste ano o primeiro álbum, ainda sem título, mas com um belo repertório já definido no qual ambos gravarão obras autorais mescladas a dos compositores brasileiros Heitor Villa-Lobos, Radamés Gnattali, Sérgio Assad e Liduíno Pitombeira. A paixão pelo instrumento despertou em Oliveira ainda durante a adolescência e quem disparou a “flecha” certeira foi a mãe, que no Natal de 2001 presentou o filho com um violão.

Continue Lendo “896 – Diogo Oliveira e Cesar Pereira preparam álbum clássico com obras autorais e de compositores brasileiros como Liduíno Pitombeira”