1345 – Genival Lacerda deixa contribuição indelével à cultura popular do país, com irreverência e deboche

#MúsicaNordestina #MPB “ForróPédeSerra #Forró #CampinaGrande #CulturaPopular #GenivalLacerda

Paraibano que percorreu o Brasil e se tornou um ícone do forró sobe para o panteão que já reúne Gonzagão, Patativa do Assaré, Belchior, Dominguinhos, Zé Limeira, Chico Anysio e Cego Aderaldo, entre outros artistas nordestinos amados há várias gerações

A pandemia da Covid-19, em nova escalada mundo afora depois de uma leve, mas animadora queda na curva dos gráficos dos infectados pelo novo coronavírus e dos que perderam a vida para o agressivo nano-organismo, segue assustando muitos, embora outros em elevada monta não tenham compreendido, ainda, o poder de destruição da doença que em sua mais gravosa forma de manifestação ceifa preciosas vidasjá há um ano, pelo menos. Quando começamos a redigir esta atualização, apenas no Brasil contavam-se 7.961.673 casos confirmados, dos quais 7.096.631 recuperados, mas os mortos já eram 200.498, um contingente assustador de dimensões trágicas. Um dos que não resistiram, desencarnado na manhã de quinta-feira, 7, Genival Lacerda, o paraibano ícone da cultura nordestina, estava internado na Unidade de Terapia Intensiva de um hospital de Recife (PE) desde 30 de novembro.

Continue Lendo “1345 – Genival Lacerda deixa contribuição indelével à cultura popular do país, com irreverência e deboche”

1220 – Comitiva Brasil Poeira, orgulho de São Roque (SP), abrilhanta Festa Maior

Formada há dez anos, atualmente sob a regência do cantor e compositor Ricardo Anastácio, e com integrantes de variadas idades, orquestra de violeiros toca em eventos e festividades que valorizam a cultura caipira

O Barulho d’Água Música acompanhou na manhã de sábado, 10 de agosto, a apresentação da Orquestra de Violas da Comitiva Brasil Poeira, da Estância Turística de São Roque. O concerto é parte da agenda de atrações e de eventos religiosos culturais que o poder público local, apoiadores do comércio e de outras atividades e munícipes estão promovendo desde 4 de agosto, denominados Festa Maior, para comemoração dos 362 anos de fundação da cidade do Interior paulista situada a cerca de 60 quilômetros da Capital, situada na Região Metropolitana de Sorocaba, na Mesorregião Macro Metropolitana Paulista e na Microrregião de Sorocaba. São Roque, o padroeiro, é louvado em 16 de agosto, dia da fundação em 1657 pelo bandeirante Pedro Vaz de Barros – mais conhecido como Vaz-Guaçu, a partir de uma fazenda na qual ergueu uma capela. Atualmente, a Estância Turística está sob a administração de Cláudio José de Góes (PSDB).

Continue Lendo “1220 – Comitiva Brasil Poeira, orgulho de São Roque (SP), abrilhanta Festa Maior”

1104 – Música do Brasil perde Zé Béttio, comunicador popular que está na raiz e na alma deste blogue

Apresentador que fez fama acordando o país com bordões e personagens que estão na memória do povo morreu, ironicamente, dormindo, em São Paulo

Já há quase uma semana, na segunda-feira, 27 de agosto, foi-se embora para o Plano Celestial Zé Béttio,  que alguns grafam também como Zé Bettio, considerado por muitos “o maior comunicador popular de todos os tempos”. Se pode gerar dúvidas  o jeito como se deve escrever o nome do apresentador dos programas de rádio que marcaram a minha vida, ainda na tenra infância, e são responsáveis, hoje, por eu estar à frente deste blogue, o título entre aspas, com certeza, é mais do que merecido e indiscutível.

Vou ficar com a opção Zé Béttio, ao qual e à cuja família envio meu respeito e reverências e transmito meus votos de pesar, para recordar que minha paixão por modas de viola (primeira razão do Barulho d’água Música existir) começou e se desenvolveu ouvindo clássicos como Poeira, com Duo Glacial; Chitãozinho e Xororó e “Sessenta dias apaixonado”, com a dupla homônima; Velha Porteira, com Lourenço e Lourival; Saudades de Minha Terra, com Belmonte e Amaraí; Flor do Cafezal ou Índia, com Cascatinha e Inhana; vários dos pagodes de Tião Carreiro e Pardinho; Moça do carro de boi, com Carlos Cezar e Cristiano; As Andorinhas, com o Trio Parada Dura; Menino da Porteira, com Sérgio Reis; A Gaivota, com Léo Canhoto e Robertinho; Berrante de Ouro, com Duduca & Dalvan; Estrada da Vida, com Milionário e José Rico, entre tantas outras que ajudaram a formar meu gosto; “a música quando é boa, e não bandalheira, faz bem pra gente”, ele dizia, tocando exclusivamente música sertaneja de raiz.

Eu era um garoto medroso, às vezes de madrugada ou no começo da manhã acordava assustado (até hoje não sei por que motivo!)  e para me acalmar me aboletava aos pés da cama de meus pais, Geraldo Caetano e Catarina Anjos de Lima, que ainda não haviam se levantado, mas estavam despertos, fazendo uma “horinha”.  O “velho”, sempre ligado a um rádio à pilhas Everedy (a do “gato” ou as “amarelinhas”) que mais chiava do que “proseava”, invariavelmente estava ouvindo o Zé Béttio, na Rádio Record de São Paulo (AM 1.000 KHz), apresentador que sempre “com seu carisma e alto astral” não apenas tocava músicas de um repertório valioso, como ainda divertia muita gente com bordões e quadros com personagens memoráveis (o Gordo, o Guerino, a Fortuna — a vaca que era corintiana, “preta da cara branca; a “Gatona”) que àquela  época todos curtiam, mas que hoje, como algumas coisas ficaram chatas,  poderiam até ser tachadas de “politicamente incorretos”, sem contar o “carnaval” que promovia com cucos, buzinas, campainhas  e sons os mais estridentes para acordar todo mundo, se fosse preciso “jogando água” e mais “água” nos “cabra da muléstia”.

Zé Bettio partiu aos 92 anos. Curiosamente — para quem tirava da cama “o maridão que pensa estar com  o burro na sombra” e nossos pais e avós fazendo tanto barulho  ao ponto de, entre outros títulos, colecionar também o de “despertador do Brasil” –, morreu enquanto dormia, em casa, no bairro Horto Florestal, na Zona Norte da Capital paulista.

Era funcionário da Rádio Difusora de Guarulhos quando, ao assumir o microfone para ler um texto publicitário, acabou se tornando locutor por acaso, pois o titular do horário havia faltado. O jeito de ele transmitir o “reclame”  não passou despercebido pela direção da emissora, que acabou o efetivando, valorizando seu modo irreverente e simples de dar os recados na “latinha” .

Zé Béttio (ao volante) entre amigos, em uma rara imagem pública, às portas da Rádio Cometa, em São Paulo

Da Difusora,  Zé Béttio se transferiu para a Rádio Cometa, mas sua enorme popularidade, entretanto, ganhou corpo na Rádio Record, na década dos anos 1970, estúdio no qual seus bordões ficaram eternizados na memória de seus ouvintes e lançou diversos artistas que se tornaram consagrados, como a dupla Milionário e José Rico; ele fez parte, ainda, dos quadros da Rádio Capital.  A revista Vejinha, no dia se sua morte, observou que Zé Béttio fora  “uma espécie de Silvio Santos do rádio”, um comunicador respeitado e imitado que, com sua simplicidade, cativava a todos.

Sapateiro e jogador de futebol

Zé Béttio se aposentou apenas em 2009, encerrando a carreira na Rádio Record, aos 81 anos. Há pouco mais de dois anos sofreu um acidente vascular cerebral (AVC), do qual se recuperou bem, mas vinha vivendo desde então com algumas limitações e recluso, entre a casa do Horto Florestal e fazendas que possuía em Garça e  Rinópolis, ambas no  estado de São Paulo, organizando memórias para lançar um livro que, quiçá, apareçam  editoras interessadas em publicar; é notório, ainda, que era avesso à mídia e à aparições públicas, dizem que por ter sofrido uma doença rara, a qual teria deixado marcas em sua face.

Zé Béttio era natural de Promissão, onde veio à luz em 2 de janeiro de 1926. Antes de abraçar a música, foi sapateiro e até jogou futebol no Clube Atlético Linense. Em sua carreira percorreu o interior de São Paulo e do Paraná com o trio Sertanejos Alegres (junto com Antonio Moraes e Afonso) e, após o término do grupo, passou a tocar sanfona em um concurso de calouros da Rádio Tupi, quando conheceu alguns outros músicos e formou o Zé Béttio e seu Conjunto, que se apresentou algumas vezes na Rádio Cometa e gravou seu primeiro disco, em 1958.

Leia também no Barulho d’água Música:

1086 – Brasil dá adeus a Amaraí, eternizado por “Saudade de Minha Terra”
Música de raiz perde Goiano, parceiro de Paranaense

 

767 – Guilherme Argentão, músico do Grupo Violado (SP), comemora hoje mais um aniversário!

11147160_1022547897836917_3226393814697774254_n
Guilherme Argentão (de camisa azul) e os parceiros com os quais gravou o segundo álbum do Grupo Violado: Fernando Tal (de gravata), Bruno Paparoti (de chapéu) e Filipe Rozinelli (Foto: Divulgação Grupo Violado)

A folhinha do Barulho d’água Música registra que hoje é aniversário do produtor cultural Guilherme Argentão, músico de Santa Barbara d’Oeste (SP) que integra o Grupo Violado de Música Raiz, no qual toca bateria e percussão. Guilherme e os amigos Fernando Tal (vocais e violão), Bruno Paparoti (viola caipira, violão e vocais) e Filipe Rozinelli (baixolão e violão) compõem a formação que no começo deste ano gravou uma autêntica viagem ao universo caipira por meio das faixas de Viola Enfeitiçada, segundo álbum o Grupo Violado cujo repertório de treze composições traz seis autorais e participações especiais de Rodrigo Zanc (violeiro de São Carlos, autor em parceria com Isaías Andrade da faixa título) do cantor Milionário (Sonho de um Caminhoneiro), do acordeonista Gerson Douglas (Chão Pantaneiro) e de Os Favoritos da Catira (Gato de Três Cores). 

O Grupo Violado está na estrada desde 2006 e, em 2009, lançou o primeiro álbum independente em disco e em vídeo, ao vivo. O trabalho batizado como Espetáculo de Viola reúne clássicos da moda de viola raiz e na ocasião o time atuava com Antônio Amaral Freire (violão e segunda voz) e João Paulo Froner (viola caipira), além de Guilherme Argentão, Fernando Tal e Filipe Rozinelli; o atual violeiro, Bruno Paparoti, é regente da Orquestra de Violas de Americana, cidade vizinha à Santa Bárbara d’Oeste. Espetáculo da Vida projetou o Grupo Violado no cenário da autêntica música de raiz e chegaram os reiterados convites para apresentações nos circuitos do Sesc São Paulo, teatros, festas de cidades e Virada Cultural Paulista, entre outros palcos, sempre acompanhadas por lotações plenas dos auditórios e numeroso público. O Grupo Violado também tem no currículo gravações em programas de televisão como Caminhos da Roça, de Mazinho Quevedo; Arena do Som, na TV Século XXI, e Terra da Padroeira na TV Aparecida.

O Barulho d’água tem o primeiro disco em seu acervo e o DVD correspondente gravado no Teatro Municipal Manoel Lyra, em Santa Bárbara d’Oeste, autografado por  Filipe e Guilherme. Volta e meia o álbum rola no Solar da Lageado, pois recria a oportunidade e o prazer de ouvir, por exemplo, clássicos de raiz  como A Volta do boiadeiro, de Sulino e Marrueiro, — toada já gravada por Lourenço e Lourival e Sérgio Reis com a qual este blogueiro se reencontrou assistindo justamente ao vídeo, removendo-a do esquecimento de um escaninho qualquer da minha memória.

barro branco

A canção destacada é a #3 de 17 do repertório que relembra ainda Teddy Vieira e Luizinho, Moacyr dos Santos, Raul Torres, Tinoco, João Mulato, Dino Franco, Jacozinho e os parada-duras Creone e Barrerito (o terceiro era o Mangabinha), entre outros nomes consagrados do gênero que integram uma lista dourada complementada por vários pagodes do mestre Tião Carreiro e uma releitura  de Vide, Vida Marvada, de Rolando Boldrin; para quem tem mais de 50 aninhos, como eu, esta seleção atiça uma gostosa saudade! Sempre volto aos quintais da infância, revisito tempos distantes e já meio esmaecidos que, na verdade, não passaram e estão marcados por experiências e brincadeiras aparentemente pouco significativas, mas que moldam o caráter e definem os valores que abraçamos para o resto da vida — tais como subir em goiabeiras, beber leite ordenhado na hora, pisar em merda recém cagada de boi ou  de vaca, ouvir moda de sanfona e de viola aos pés da cama dos pais, rezar em novenas ou em vias sacras, marcar horas pelo canto de uma seriema, assustar-se com o pio de uma coruja.

sítio paraíso

As memórias se manifestam assim para todos; jamais morrem, ficam apenas quietinhas dentro da gente. O maior mérito que trabalhos como os discos do Guilherme Argentão e dos seus amigos é justamente este: impedem que morram ou fiquem relegadas nossas tradições, abrem a porteira que as aprisiona para que corram a galope, levando-nos a passear de canoa, a pescar na beira de um córrego, tomar café coado recém socado em pilão, a admirar a bunda de uma aranha com reverência ao inseto, na varanda do sítio das nossas Tias Marias, onde escutamos tanta história de mulas sem cabeças, de assombração de tudo que é jeito esquisito. Ah, então, vamos deixar de prosa e parafraseando Paulo Freire … vai ouvindo, vai ouvindo (e assistindo) e não se contenha se, de uma hora para outra, a garganta apertar em um nó, os joelhos tremelicarem, o peito sufocar!

Feliz aniversário, Guilherme Argentão, e sucesso sempre!

Repertório do álbum Viola Enfeitiçada

Para quem ainda não os possui, os dois álbuns e o DVD mencionados neste texto podem ser encomendados diretamente com os músicos que, assim como o Grupo Violado, mantêm perfis em mídias sociais.

ATR21908-500x500

1 -Viola Enfeitiçada (Participação especial Rodrigo Zanc)
2- Pego Pesado
3- Sonho De Um Caminhoneiro (Participação especial Milionário)
4- Caçador
5- Ponto Fraco
6- Amor e Saudade
7- Não Fale Mal Da Viola
8- Malandro Da Barra Funda
9- Gato De Três Cores (Participação especial Os Favoritos Da Catira)

10-Chão Pantaneiro (Instrumental)
11-Difícil Encontrar
12-Liguei Pra Dizer Que Te Amo
13-Peça Meu Mundo

anuncio papai noel