1274 – Com Bruno Sanches e seu belo disco Do Barroco às Barrancas do Rio, abrimos os trabalhos em 2020

Solista inventivo, cantor e arranjador, violeiro recentemente vencedor do Prêmio Mimo é considerado pelo professor e pesquisador Ivan Vilela, seu mestre na USP, um músico completo, “aquele que pensa, toca, cria e recria”, elevando a viola um universo sonoro cada vez mais amplo. 

O Barulho d’água Música retoma os trabalhos após a passagem das festas do final de 2019 e nesta primeira atualização de 2020 apresenta aos amigos e seguidores o premiado violeiro paulista Bruno Sanches, nascido em Regente Feijó, “Cidade Pérola da Alta Sorocabana”, situada na região de Presidente Prudente, a cerca de 550 quilômetros a Oeste da Capital do Estado, a cidade de São Paulo. Compositor, cantor, pesquisador e arranjador que se dedica à música desde os 12 anos de idade, Sanches foi destaque em outubro de 2019 e em agosto de 2018 dos programas Sr.Brasil e Revoredo, na TV Cultura e na Rádio USP FM (de São Paulo e de Ribeirão Preto), respectivamente convidado por Rolando Boldrin e pelo maestro José Gustavo Julião de Camargo, e, em ambas as ocasiões, falou sobre a carreira, os projetos e o álbum Do Barroco às Barrancas do Rio. Com 11 faixas instrumentais que mesclam composições próprias com obras de Gaspar Sanz, J.S. Bach, Carreirinho, Dorival Caymmi, Paulo Cesar Pinheiro e Guinga e Augustin Barrios, o disco tem direção artística do professor, pesquisador e compositor violeiro Ivan Vilela, do qual Sanches foi aluno na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP).

Continue Lendo “1274 – Com Bruno Sanches e seu belo disco Do Barroco às Barrancas do Rio, abrimos os trabalhos em 2020”

1260 – Em casa dedicada à cultura caipira, Francis Rosa (SP) encerra roda de violeiros em São José dos Campos (SP)*

Imagem do álbum Caminhada (2007) (Foto: Leonil Júnior)

Apresentação será em primeiro espaço do Brasil dedicado à divulgação da cultura caipira e músico que compartilha nas canções a paixão pela Serra da Mantiqueira lançará Entre Serras e Águas, seu nono álbum

*Com Jefferson Bellodi

O cantor e compositor Francis Rosa será uma das atrações neste sábado, 23 de novembro, da roda de viola que será promovida com entrada gratuita na Casa de Cultura Caipira Zé Mira, situada em São José dos Campos, cidade paulista da porção conhecida por Vale do Paraíba a, aproximadamente, 95 quilômetros da Capital (veja mais detalhes na guia Serviços). Acompanhado por sua banda, Rosa deverá assumir o palco por volta das 22 horas e, a partir de então, apresentará à plateia e aos amigos músicas de sua carreira que já conta com nove álbuns – o mais recente, Entre Serras e Águas, lançado em 21 de maio, dia do aniversário do violeiro, e que ele vem mostrando em sua turnê homônima. O repertório na Casa Caipira Zé Mira, além das faixas deste novo trabalho, deverá reunir outras músicas de sua autoria e de artistas consagrados da música brasileira como Almir Sater, Tonico e Tinoco e Zé Geraldo, entre outros.

Continue Lendo “1260 – Em casa dedicada à cultura caipira, Francis Rosa (SP) encerra roda de violeiros em São José dos Campos (SP)*”

1258 – Chico Teixeira (SP) dedica sexto álbum a temas de diversos sotaques da música nacional

Ciranda De Destinos é o segundo disco que o cantor e compositor lança pela Kuarup e traz canções de domínio público resgatadas de três das cinco regiões do país, com capa do prestigiado artista plástico Elifas Andreato

O cantor, compositor e violonista Chico Teixeira está lançando Ciranda De Destinos, sexto álbum da carreira e o segundo pela Kuarup Produtora  — cujo exemplar que ouvimos no boteco do Barulho d’água Música nos foi gentilmente enviado pelo diretor artístico Rodolfo Zanke, ao qual agradecemos, estendendo os cumprimentos à equipe toda. Neste novo projeto, Chico Teixeira traz clássicos da música brasileira de diversos sotaques, bem como canções de domínio público resgatadas por grupos folclóricos das regiões Sul, Sudeste e Nordeste, contando desta forma, histórias de um povo unido por diferentes costumes e lutas. 

Continue Lendo “1258 – Chico Teixeira (SP) dedica sexto álbum a temas de diversos sotaques da música nacional”

1161 – Último disco gravado por Tavito, do selo Kuarup, traz releituras de clássicos como Rua Ramalhete e Casa no campo

Cantor e compositor nascido em Beagá, ex-integrante do Clube da Esquina e do Som Imaginário, gravou clássicos do rock rural com Guarabyra, Tuia, Ricardo Vignini e Zé Geraldo em álbum lançado no Sesc Pinheiros

Dez dias antes de Tavito partir cumprindo o ciclo natural de toda a vida, mas deixar no peito de familiares, amigos, parceiros e fãs o buraco que a saudade sempre provoca — e, no caso dele, um vazio que não tem como ser preenchido no universo da cultura, em um período no qual, sobretudo no segmento da música, grassam porcarias –, a unidade Pinheiros do Sesc, em São Paulo, promoveu na noite de 17 de fevereiro o lançamento de Nós do Rock Rural – Encontro de Gerações. O álbum gravado pela Kuarup e lançado há dias no palco do Teatro Paulo Autran é resultado de outra apresentação, ao vivo,  que fora captada um ano antes. Naquela ocasião, Tavito, Guarabyra, Zé Geraldo, Tuia e Ricardo Vignini protagonizavam mais um show do projeto homônimo que, para a noite de festa no Sesc Pinheiros, já infelizmente sem ele, contou ainda com a participação do guitarrista Fábio Santini.

Continue Lendo “1161 – Último disco gravado por Tavito, do selo Kuarup, traz releituras de clássicos como Rua Ramalhete e Casa no campo”

1153- Rainha do Mar, Iemanjá é festejada em várias cidades do país; ouça músicas que a homenageiam*

*Com Camila Moraes  (da surcusal brasileira do portal El País) e blogues SignificadoConexão Planeta e iQuilibrio

Odoyá!

Hoje, 2 de fevereiro, cidades como Salvador (BA), Recife (PE), Rio de Janeiro (RJ) e Rio Grande (RS), entre outras, celebram cultos e promovem festas, entre outras iniciativas de louvor, a Iemanjá, orixá feminino de origem africana e presente nas religiões Candomblé e Umbanda. Por sincretismo, entre os católicos é tratada por Nossa Senhora da Conceição — em São Paulo — das Candeias (celebrada, também em 8/12) — na Bahia –, e dos Navegantes — no Rio Grande do Sul. Em Belém, capital do Pará, e São Paulo, devotos organizam procissões e cultos em 8 dezembro, o que demonstra a popularidade desta divindade cujo nome também ocorre iniciado pela letra Y: YemanjáNa África,o nome tem origem nos termos do idioma Yorubá “Yèyé Omo Ejáque significa “Mãe dos filhos-peixe”. 

Continue Lendo “1153- Rainha do Mar, Iemanjá é festejada em várias cidades do país; ouça músicas que a homenageiam*”

1092 – Danilo Gonzaga Moura lança primeiro álbum solo no acolhedor terraço do Museu da Casa Brasileira (SP)

Músico do Trio José e Sampaio’70 receberá amigos e subirá ao palco acompanhado pela argentina Paola Albano para apresentar repertório autoral influenciado  pela MPB e pela canção latino-americana
Marcelino Lima

O cantor e compositor Danilo Gonzaga Moura é o convidado do projeto Música no MCB (Museu da Casa Brasileira) que a instituição vinculada à Secretaria  de Cultura do Estado de São Paulo promoverá no domingo, 12 de agosto, a partir das 11 horas, com entrada franca.  Moura estará comemorando o lançamento do primeiro álbum  solo, Alta Velocidade Parada, que apresenta repertório marcado pela MPB e por influências latino-americanas, produzido por ele próprio Danilo e pela cantora e musicista argentina Paola Albano,  companheira do músico e que fará participação especial durante a apresentação.  Moura também estará  acompanhado por Pedro Macedo (contrabaixo acústico), Gabriel Deodato (violão 7 cordas) e Luis Felipe Gama (piano).

Continue Lendo “1092 – Danilo Gonzaga Moura lança primeiro álbum solo no acolhedor terraço do Museu da Casa Brasileira (SP)”

1049 – Aniversário de Sérgio Sampaio (ES) será comemorado com show tributo no Espaço 91 (SP)

Nesta sexta-feira, 13 de abril, o Espaço 91 receberá os músicos Danilo Moura, Victor Mendes, André Rass e Pedro Macedo, integrantes do Sampaio 70, grupo que presta tributo à obra do cantor e compositor capixaba Sérgio Sampaio. A apresentação de cerca de 1h20 está programada para começar às 20h30 na casa de espetáculos situada no bairro da zona Oeste paulistana Pompeia. Moura (voz) e Mendes (voz, violões e guitarra), que integram também o Trio José, começaram em 2013 a protagonizar homenagens ao autor da consagrada música Eu Quero É Botar Meu Bloco Na Rua, sempre nos meses de abril, quando Sampaio nasceu em Cachoeiro do Itapemirim (ES) justamente em 13 de abril, de 1947, um domingo. O projeto da dupla ganhou reforços no ano passado com a entrada de Macedo (contrabaixo) e Rass (percussão). O mesmo show será atração no sábado, 14, para o o público que frequenta o Parque da Cidade Roberto Burle Marx, em São José dos Campos (SP), cidade do Vale do Paraíba.

Continue Lendo “1049 – Aniversário de Sérgio Sampaio (ES) será comemorado com show tributo no Espaço 91 (SP)”

1042 – MCB (SP) terá Hermeto Paschoal e Bixiga 70 durante festival de arte e gastronomia

Shows, palestras, exposição audiovisual, espaço para crianças e cenografia especial integram dia de programação cultural gratuita para toda a família 

Marcelino Lima, com assessoria de imprensa do Museu da Casa Brasileira

Museu da Casa Brasileira  (MCB) promoverá neste sábado, 7 de abril,  em parceria com o Ministério da Cultura do Governo Federal e a Marolo Produções, com patrocínio da Comgás, o 1º Festival Comgás Transforma, que oferecerá entre 10 horas e 20 horas atividades  que incluem feira de gastronomia, palestras, oficinas, apresentações musicais e documentários, todas com entrada gratuita para públicos diversos. As primeiras atrações serão voltadas às crianças, que poderão participar de oficinas infantis de escultura de balão, pintura artística facial e de desenho. A programação prosseguirá com feira de gastronomia, ao longo de todo o dia, coordenadas por chefes renomados. Os shows possibilitarão aos frequentadores e presentes ouvir a Pequena Orquestra Interativa, o Lov.Trio, o DJ Dre Guazzelli, o grupo Bixiga 70 e, cereja do bolo,  Hermeto Pascoal.

Continue Lendo “1042 – MCB (SP) terá Hermeto Paschoal e Bixiga 70 durante festival de arte e gastronomia”

1002 – Culto à Padroeira do Brasil, consagrada em “Romaria”, remonta à pescaria milagrosa no Vale do Paraíba (SP)

PadroePapel
Origami de Emilson Santos (www.coisasdepapel.com.br)

A estupidez e a intolerância religiosa já a tornaram entre outros episódios condenáveis vítima de ensandecidos pontapés, ao vivo, desferidos pelo pastor da Igreja Universal do Reino de Deus Sergio Von Helde em uma emissora de televisão, em 12 de outubro de 1995. A devoção e a fé nos prodígios e bênçãos dela, entretanto, em grandeza exponencialmente inversa àquele ódio, transformam-na em amuleto e em amparo nos quais há séculos se apegam, entre outros, inúmeros artistas populares como a confraria quase completa de violeiros. Em suas cantorias, eles costumam entoar seu amor, suas súplicas, seus agradecimentos e, ainda, pedem proteção e iluminação à Santa que por decreto oficial do Papa Pio XI, desde 16 de junho de 1930, é a Padroeira do Brasil. Juntamente com o Dia das Crianças, é à Nossa Senhora (da Conceição) Aparecida que se dedica o feriado desta quinta-feira, 12 de outubro, que deverá atrair à Basílica de Nossa Senhora Aparecida milhares de peregrinos de diversas partes do território nacional e do exterior.

Continue Lendo “1002 – Culto à Padroeira do Brasil, consagrada em “Romaria”, remonta à pescaria milagrosa no Vale do Paraíba (SP)”

971 – Gaita, violão de nylon e viola: confira em Sampa como Betto Ponciano (RJ) explora nuances entre rock rural e folk

O cantor, compositor e instrumentista Betto Ponciano (RJ) será atração na quinta-feira, 13, da casa situada na rua Rua Clélia 285, localizada na Lapa, bairro da zona Oeste paulistana.  A partir das 21 horas, Ponciano protagonizará Do Folk ao Caipira, acompanhado pelo percursionista Valmir Quinto, apresentação no qual mescla música caipira de raiz com textos autorais cujos temas versam sobre ecologia, relação do ser humano com a Natureza e as consequências desta interação, repercutindo sonoridades marcantes que ocorrem no Vale do Paraíba (SP), canções de trabalho da Zona da Mata (MG), nuances de folk music e de rock rural, estilo regional consagrado por expoentes como o trio que reunia Sá, Rodrix e Guarabyra, e Zé Geraldo.

Músico independente e autodidata em viola, violão de naylon e gaita com mais de 25 anos de estrada, Betto Ponciano é carioca criado no Morro do Pé Sujo, comunidade situada na cidade serrana fluminense de Petrópolis, caminho para as Minas Gerais cujas características e belezas muito o influenciaram. Manifestações populares como romarias e costumes observados durante o vaivém de viajantes por estas trilhas, por exemplo, também moldaram o repertório que já faz parte de um álbum e traz um convite para embarcar em agradável passeio pelo interior da nossa terra, abraçando valores e gente que se harmonizam com um entorno de matas e de cachoeiras.