Barulho d'Água Música

Veículo de divulgação de cantores, duplas, grupos, compositores, projetos, produtores culturais e apresentadores de música independente e de qualidade dos gêneros popular e de raiz. Colabore com nossas atividades: leia, compartilhe e anuncie!


Deixe um comentário

1070 – Concertos em São José dos Campos e em Araraquara lançam volume I do álbum “Viola Paulista”

Selo Sesc mapeou violeiros que moram no Estado de São Paulo e contribuem para a divulgação, a afirmação e a conquista de público. Mostra com 19 músicos ligados ao instrumento integra o disco de estreia, apresentado por Ivan Vilela

Marcelino Lima

A unidade São José dos Campos do Sesc de São Paulo promoverá na sexta-feira, 8, a partir das 19h30, o concerto de estreia do volume 1 do álbum Viola Paulista, que reúne 19 músicos de influências múltiplas, violeiros de formação, que têm em comum a paixão pela história e pelo som do instrumento de 10 cordas. Nesta primeira apresentação, que terá entrada franca e será coordenada pelo violeiro de Botucatu, Osni Ribeiro, o palco será compartilhado por Jackson Ricarte, Rodrigo Nali e Rafael, Bob Vieira e Zé Marcio Kaipira Urbano-Aratara. Além da cidade do Vale do Paraíba, também no dia 8, a partir das 20 horas, o álbum estará sendo lançado na unidade de Araraquara — depois a turnê de lançamento percorrerá outros seis municípios, incluindo a Capital. Na Morada do Sol vão se apresentar os músicos Ivan Vilela, Bruno Sanches, Leandro de Abreu, Reinaldo Toledo e Ronaldo Sabino.

Continuar lendo

Anúncios


1 comentário

724 – Vinícius Alves, autor de Violas e Veredas, é atração do Viola & Café, projeto do Sesc Campinas (SP)

divulga_sesc

O Sesc Campinas receberá Vinícius Alves neste domingo, 15, a partir das 10 horas, em nova rodada do projeto Viola & Café. Considerado um virtuose da viola caipira por utilizar várias afinações enquanto toca, Vinícius Alves interpreta e compõe trazendo ao palco a bagagem e a alma do homem do Interior, características que já o premiaram em vários festivais. Em outubro, acompanhando a cantora e compositora Walgra Maria (São João da Boa Vista) ao programa Sr.Brasil, recebeu elogios de Rolando Boldrin e após as gravações entregou ao blogue um exemplar de Violas e Veredas, primoroso disco instrumental que gravou em 1998 e mereceu reedição em 2009. 

Atualmente, entre um show e outro pelo Brasil, Vinícius Alves coordena o Projeto Guri. Para a apresentação gratuita em Campinas com direito a café com sabor de roça acompanhado por bolo de milho, preparou repertório com músicas do disco, novas obras e clássicos da música caipira sempre pedidos pelo público.

vvv

Vinícius Alves em foto reproduzida do álbum Violas e Veredas

A Viola e o Sabiá, por Zé Jabur*

Se o sabiá é um sábio e natural sabedor da arte do “devorteio” do assoviar, ninguém melhor que ele para afirmar que a beleza repousa nas notas e acordes violados desse primeiro trabalho de Vinícius Alves. Explico: assim que botei o cd pra tocar, foi um tal de sabiás passando pela janela de meu quarto, pousando no flamboyanzinho em flor, como que pra saber que som seria aquele? Bom presságio, pensei! Passavam, faziam um duetinho e seguiam seu curso: uma canjinha na minha seleta audição!

Vinícius Alves é fruto da “terceira onda” de violeiros, pois a viola brasileira sofreu verdadeira revolução do século passado (ou seria milênio?) para cá. A “primeira onda” reuniu clássicos como Tião Carreiro, Renato Andrade, Badia Medeiros e outros desbravadores e reinventores desse instrumento português e mouro. Na “segunda onda” vemos uma revolução ainda maior capitaneada por Almir Sater, Roberto Corrêa, Ivan Vilela, Tavinho Moura, Braz da Viola, Paulo Freire e outros bambas que modernizaram a viola trazendo um fraseado mais refinado, misturando os acordes duetados e múltiplas afinações da tradição da viola a solfejos e acordes como o do violão clássico e popular. Os estilos mineiro e mato-grossense passaram a ter roupagem muito sofisticada a partir de então, fundidos às influências que vinham do flamengo, do violão clássico, do blues.

A “terceira onda” revela violeiros entre os quais há Fernando Deghi, Pereira da Viola e Chico Lobo integrando uma lista que parece não acabar mais e traz só uma conclusão: a viola cresce dentro cultura brasileira, diversifica-se e se enriquece, fundindo-se e recriando-se. O caboclo Vinícius Alves é figura de proa nesta cena.  Apresenta jeito reservado como caipira paulineiro que é, intransigente em seus princípios de arte e ética, com sua pureza artística e de coração. Em seu “imborná” cultural todas as influências ancestrais e contemporâneas estão presentes, tanto que no primeiro disco, reeditado em 2009, podemos ouvir multiplicidade de estilos: o violeiro passeia com tranquila autoridade, sem fazer força, fluindo como chalana no Rio Paraguai.

Os traços dos mestres de boa lavra como diria meu avô e seresteiro Zé Pifani enobrecem o álbum. Assim como Elis Regina, que tinha grande influência de Ângela Maria no início da carreira, em Violas e Veredas podemos perceber as fontes de onde Vinícius Alves bebeu de boa água, porém há algo muito particular no fraseado desse violeiro: a limpeza, a claridade, a verdade das coisas feitas com coração e arte, sem excesso de técnica, medida das mais difíceis de ser atingida (que o digam os grandes instrumentistas que criaram escola).

Então, para os afortunados que tiveram acesso a esse trabalho, só resta degustar a mestiça seleção de repertório bem brasileiro, com pagode de viola, guarânia, valsa, folk-blues, chamamé e outros mais… e aguardar o segundo disco que já está no forno. Bom proveito!!!

*Médico-psiquiatra, violeiro aprendiz, poeta nas horas febris e fotógrafo de cultura popular

vv w

10363943_759080060778933_6979754950039543813_n


Deixe um comentário

706 – Walgra Maria e Diana Pequeno: não perca o Sr.Brasil do primeiro domingo de novembro!

wm

Neste domingo, 1º de novembro, o programa Sr. Brasil será compromisso obrigatório para quem curte boa música: Rolando Boldrin receberá as cantoras Walgra Maria e Diana Pequeno, a partir das 10 horas, e também declamará o causo A Italianinha. As gravações serão reprisadas às 2 horas da quarta-feira, 4.

Walgra Maria é de São João da Boa Vista (SP) e estava acompanhada no dia da gravação no teatro do Sesc Pompeia por Renata Melo (voz), Vinícius Alves (viola) e Mauro César (cajón). Walgra cantou duas belas modas dos artistas daquela cidade Edvina e Fábio Noronha em disco que ela gravou, dedicado a ambos, e que deixaram Boldrin encantado por serem “simplesinhas”.  Ela doou ao final das gravações um exemplar do álbum para o acervo do Barulho d’água Música, junto com Caminho da Fé, que tem a participação do saudoso Dércio Marques. Vinícius Alves disponibilizou o álbum  instrumental Violas e Veredas.

Já Diana Pequeno (Salvador/BA) foi recebida com Mauro Peroni (violão), Ney Marques (bandolim) e Cássio Poletto (violino) e relembrou entre tantos sucessos que a consagraram Cantiga de Amigo (Elomar), Diverdade (Chico Maranhão) e Trem do Pantanal (Geraldo Roca e Paulo Simões).

dp

Sobre Edvina e Fábio Noronha

edivina

Foto de Edivina Noronha extraída do álbum gravado por Walgra Maria

Alegre e dinâmica, Edvina Noronha (1893-1985) nasceu e viveu sempre em São João da Boa Vista. Ainda criança manifestou veia artística aprendendo piano com o pai, instrumento considerado nobre no início do século XX. Mas a menina gostava mesmo era do violão, este apontado como supostamente vulgar para época e só tocado em botequins, o que não ficava bem para uma mocinha.

Ignorando as convenções, Edvina fez do violão o instrumento de sua paixão e teve participação ativa na vida cultural da cidade organizando musicais, saraus e peças teatrais apresentados no Teatro Municipal. Foi titulada membro honorário da Academia de Letras de São João da Boa Vista e compôs cerca de 500 músicas, todas para violão, a maioria ligada à vida simples do campo, ao folclore são-joanense e à exaltação patriota. As músicas Cateretê e Bolinho de Fubá tornaram-se nacionalmente conhecidas ao serem gravadas por Inezita Barroso.

Office Lens_20151030_120139_processed

Retrato de Fábio Noronha pintado por Ronaldo Noronha

Fábio Noronha (1918-1991), também são-joanense, aprendeu as primeiras letras no Grupo Escolar Coronel Joaquim José. Portador de um grave e raro defeito físico, ainda criança, examinado por especialistas, acabou desenganado pelos médicos, mas não se abateu. Atuou como jornalista, radialista, cronista, músico, poeta e escultor e desde jovem afirmou-se como um dos expoentes da intelectualidade local.  Trabalhou na Rádio Difusora, depois, como filial da Rádio Piratininga de São Paulo, tornou-se diretor- gerente.

Escritor dotado de fina sensibilidade, em 1971, Fábio Noronha foi um dos fundadores da Academia de Letras de São João da Boa Vista, instituição na qual ocupou a cadeira 17.  Como músico dominava cinco instrumentos. É coautor do hino Oficial de São João da Boa Vista ao lado da professora Lucila Martarello Astolfo e deixou valioso acervo de trabalhos literários.


Deixe um comentário

Cantora, compositora e folclorista Walgra Maria, de São João da Boa Vista, é a aniversariante deste dia 22

Walgra Dércio

Walgra, de azul, durante show de lançamento do álbum Caminho da Fé, que contou com a participação de Dércio Marques (de branco), Braz da Viola, Toninho Ferragutti  e Vinícius Alves

Hoje, 22, é aniversário de Walgra Maria, cantora, compositora e percussionista — e, entre outras atividades e iniciativas, dedicada à musicalização infantil, trabalho pelo qual desenvolve sessões terapêuticas com portadoras de necessidades especiais, a quem o Barulho d’água Música transmite votos de parabéns e de sucesso!

Natural de Pindamonhangaba, mas atualmente residindo em São João da Boa Vista, ambas em São Paulo, Walgra começou a delinear a carreira aos  11 anos, quando iniciou estudos de canto popular e violão no Conservatório de Poços de Caldas (MG). É uma das colaboradoras de Katya Teixeira no projeto Dandô-Circuito de Música Dércio Marques e ao exercer sua grande paixão, a música, já participou de vários festivais estudantis e regionais, entre eles o Viola de Todos os Cantos, da EPTV. Com o reconhecimento que obteve, viajou duas vezes à França para shows com os irmãos Waldette de Carvalho (pianista) e Wulmar de Carvalho (cantor e compositor).

Continuar lendo