1530 – Vencedor do Prêmio BDMG de 2021, Pedro Gomes faz apresentação única em Sampa

#MPB #MúsicaInstrumental #PrêmioBDMGInstrumental #BeloHorizonte #MinasGerais #CulturaPopular

Um dos músicos mais atuantes na nova safra de instrumentistas mineiros, vencedor do Prêmio BDMG Instrumental 2021 na categoria contrabaixo, fará apresentação única na cidade de São Paulo na terça-feira, 10 de maio, como atração do projeto Instrumental Sesc Brasil. O concerto, com entrada franca, está programado para começar às 19 horas no Teatro Anchieta da unidade Consolação do Sesc paulistano, que está localizado à Rua Doutor Vila Nova, 245, Vila Buarque, a menos de 1.000 metros da estação República da Linha 3 Vermelha do Metrô.

Continuar lendo

1290 – Pedro Rhuas (CE/RN) lança música para divulgar com lançamento conjunto do seu primeiro livro

Cantor, poeta, compositor, filho de um palhaço e de uma professora, artista nascido no Ceará , hoje residente em Natal, viveu em Portugal , na Espanha e no Marrocos e neste pais africano deu os primeiros passos rumo ao sonho da música.* Com Franco Mathson, da Frika Records

Trilhas sonoras com canções originais fazem parte da história do cinema. Mas quando se trata de livros, a prática já não é tão comum. Querendo desmistificar essa ideia, o cantor e escritor Pedro Rhuas lançou na quinta-feira, 19 de março, Enquanto eu não te encontro, single disponível nas plataformas digitais. A música é o carro-chefe das divulgações do romance homônimo de Rhuas, Enquanto eu não te encontro, também publicado ontem.

Com produção de Vikos, que assina o beat e guitarra, Enquanto eu não te encontro é de autoria do próprio Rhuas, que a descreve como uma mescla de “pop, upbeat e até country”. Inspirada em Colbie Cailatt e Taylor Swift, o cantor conta que o objetivo por trás da faixa foi personificar a essência de uma trilha cinematográfica. “Sempre fui apaixonado pelo poder da música no audiovisual. Quando terminei de escrever meu livro, sabia que queria criar algo que amparasse esses dois formatos: a música e a literatura. O resultado foi essa balada que poderia muito bem estar nas telonas e que dialoga bastante com o que o leitor vai encontrar na narrativa”, afirmou Pedro Rhuas, cujo primeiro lançamento musical, Cilada (Mssida), fora em parceria com três rappers do Marrocos.

Trabalho voluntário

Sobre Pedro Rhuas há um perfil disponível na plataforma canal de streaming Palco, no qual há  clipes de Enquanto… e Cilada e que traz a informação de que ele é filho de palhaço poeta e bailarina professora. Nascido em Icapuí, pequena cidade no litoral do Ceará, cresceu envolto em arte e mar e morou em mais de 12 cidades, conheceu o Nordeste com o teatro de rua, apaixonou-se por literatura, escrita e, mais tarde, composição.

Sempre em metamorfose, assinou como blogueiro literário, atuou como e DJ e até drag queen. Em 2018, cursando Jornalismo na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), ganhou uma bolsa de estudos que o levou a morar um ano em Portugal. Depois da experiência, decidiu fazer trabalho voluntário no Marrocos e na Espanha. Foi na terra das 1.001 noites onde pôde dar os primeiros passos rumo ao sonho da música. No alto de uma montanha na cidade azul de Chefchaouen, conheceu, ao acaso, o produtor do que viria a ser seu primeiro experimento musical, a canção Cilada, em colaboração com três rappers marroquinos! De volta ao Brasil, prepara o seu primeiro álbum de estúdio.

“Os livros sempre foram o meu refúgio. E me sonhar escritor, desde que me lembro, meu maior sonho. Hoje, após quatro anos de idas e vindas, eu divido cheio de alegria com vocês a capa do meu primeiro livro”, escreveu Pedro Rhuas no perfil que mantém no Facebook. “É a minha estreia na literatura e o faço com uma obra que muito diz sobre mim e sobre o que eu luto enquanto sujeito-político: Enquanto eu não te encontro é um romance LGBTQIA+ ambientado em Natal; uma narrativa engraçada, cheia de representatividade e nordestina em essência, que conta as aventuras de um seridoense gay que vai estudar na capital e se descobre buscando entender a complexidade de sua identidade”, prosseguiuEu nem sei explicar quão emocionado estou e só posso pedir o apoio de vocês pra divulgar essa história, de modo a fazê-lo voar como merece! Muito, muito obrigado a todo mundo que contribuiu nessa jornada. É só o começo!”

ESCUTE A MÚSICA:  https://sl.onerpm.com/6636801798
LINK DA PRÉ-VENDA DO LIVRO: https://url.gratis/C0iir  

Leia mais sobre músicos do Rio Grande do Norte ou conteúdos a eles relacionados visitando o linque abaixo.

Música no RN 

Fabiana Cozza canta Paulinho da Viola, Nei Lopes e Sivuca no palco do Sr. Brasil

 

Cozzaunnamed

Daniel Franciscão é atração de mais uma edição do Dia a Dia Rural, no canal Terra Viva

Daniel Franciscão, violeiro e regente da Orquestra Terra da Uva, é de Jundiaí e autor do álbum “Violeiro de Profissão” (Foto: Marcelino Lima)

O violeiro e regente da Orquestra Terra da Uva Daniel Franciscão, de Jundiaí (SP), é o convidado do apresentador Tavinho Ceschi para participar ao vivo nesta sexta-feira, 31 de outubro, do quadro Diversão e Arte do programa Dia Dia Rural, levado ao ar todos os dias pelo canal de agronegócios Terra Viva. Franciscão cantará músicas do seu recente álbum ” Violeiro de Profissão”* a partir das 12h30, acompanhado por Marina Ebbecke (violão).

O Terra Viva, emissora vinculada ao Grupo Bandeirantes, transmite a programação para todo o país. O canal pode ser sintonizado, em São Paulo e cidades próximas, na posição 49 (sistema analógico) ou 158, para assinantes de televisão à cabo. Outra opção é abrir o endereço virtual http://www.tvdirecto.tv/tv/livre/terraviva-ao-vivo.htm.

* Violeiro de Profissão (2013) tem participações de Renato Teixeira, Wilson Teixeira, Ricardo Vignini, Zé Paulo Medeiros  e Cláudio Lacerda

 

Wilson Teixeira canta em Itamonte (MG) e, em primeira mão, informa nome do novo disco ao blog

Imagem que fará parte do novo álbum de Wilson Teixeira, Casa Aberta, que ele pretende lançar em março de 2015 (Foto: Rita Araújo)

Imagem que fará parte de Casa Aberta, que Wilson Teixeira pretende lançar em março/15 (Foto: Rita Araújo)

O cantor e compositor Wilson Teixeira está entre as atrações que irão se apresentar neste sábado, 18, em Itamonte, cidade sul mineira, durante evento beneficente no Clube Social e Recreativo Itamontense que inclui lançamentos de discos e de livros e sarau de poesias. Os shows começarão às 19 horas, com entrada estipulada em R$10. A renda será revertida para os acolhidos pelo Centro de Atenção ao Idoso Itamontense.

Continuar lendo

Alessandra Leão prepara trilogia de EP e lança o primeiro capítulo, Pedra de Sal, na Casa de Francisca

unnamed

A Casa de Francisca estará aberta nos dias 15 e 16 de outubro para o pré-lançamento de Pedra de Sal, primeiro capítulo do novo ciclo criativo de Alessandra Leão, batizado de Língua, que ela completará com mais dois (Aço e Língua), todos em formato EP. Pedra de Sal terá as participações de Caçapa, Rafa Barreto, Missionário José e Mestre Nico e, no dia 15, de Kiko Dinucci, Juçara Marçal e Sandra Ximenez . Alessandra assina a direção artística e a produção musical é de Caçapa. O disco sairá pela Garganta Records em parceria com a YB Music. Para conferir a atração a partir das 21h30, em ambas as datas, é necessário fazer reserva com antecedência pela página eletrônica http://www.casadefrancisca.art.br

 

http://http://vimeo.com/108772241

Almir Sater toca e canta em Vilhena, Ji Paraná, Ariquemes, em RO, e Cascavel (PR)

O cantor e compositor Almir Sater levará seus principais sucessos para brindar neste mês o público de cidades dos estados de Rondônia e Paraná. Veja abaixo mais detalhes e se você mora em um dos municípios que ele visitará, reserve seu ingresso e convide os amigos!

Almir Garaww

  

Para mais informações sobre a agenda oficial de Almir Sater consulte

Blog Loira do Bem: https://www.facebook.com/LoiraDobem?fref=ts

Claudete Faria – Escritório Almir Sater
e- mail: claudetefaria@uol.com.br 
55 (11) 4485.1539 | (11) 4485.3049 | (11) 97546.3850 | 

Almir Sater volta a São Paulo para apresentação em Carapicuíba

Almir 3

Almir Sater é autor de clássicos da música popular e regional, além de instrumentais de viola, como “Trem do Pantanal” e “Doma” (Foto: Marcelino Lima, junho de 2013)

 Almir Sater será a atração do jantar e do show que será promovido no Rancho da Hípica, situado em Carapicuíba, cidade da Região Metropolitana de Osasco. A apresentação do autor de “Trem do Pantanal” entre outros sucessos da carreira que o coloca entre os melhores violeiros do país será restrita a maiores de 18 anos e ocorrerá a partir das 19 horas no restaurante da casa promotora, cujo endereço é avenida Deputado Emílio Carlos, 1001, Centro. Para reservas de mesas e mais informações há o telefone (11) 4181-6831.

A publicação deste texto é um oferecimento da Pousada das Palmeiras, de Ubatuba, cidade do litoral Sul paulista que está entre os destinos mais procurados por turistas em todo o Estado. Quando for até o município, em viagem de férias, ou de negócios, não faça reservas para se hospedar sem antes conhecer os serviços da Pousada das Palmeiras.

RPPPw

 

Às margens do Ipiranga, a viola plácida de Levi Ramiro

Puxe a cadeira, estique as pernas, acomode-se: quando Levi Ramiro toca ele é orgânico, os sentidos se aguçam. É possível ouvir o correr sereno de um regato, traz o cheiro do mato nas cordas da viola e se sente na pele o arrepio do vento cortando invernadas.

Levi Ramiro, SESC Ipiranga,  Roberto Correa, Ricardo Vignini e Zé Helder,Orquestra Paulistana de Viola Caipira, Wilson Dias, Paulo Freire, João Arruda, Luciano Queiróz e Katya Teixeira.

Sepultura e Iron Maiden com sotaques caipira

Vignini e Zé Helder durante a apresentação no SESC Osasco

Vignini e Zé Helder durante a apresentação no SESC Osasco

O SESC Osasco trouxe a dupla Ricardo Vignini e Zé Helder na quinta-feira, 5 de junho, para a abertura do projeto “Caldo com Sons Brasileiros”. Ambos os violeiros integram o “Matuto Moderno”, banda reconhecida pela fusão da sonoridade da música caipira com clássicos do rock e se juntaram para tocar no Deck da Cafeteria faixas do premiado álbum “Moda de Rock – Viola Extrema”, gravado em 2011. O show começou com “Aces High“, do Iron Maiden. Depois o público curtiu momentos de raro virtuosismo com ambos dedilhando nas 10 cordas entre outros conjuntos cultuados pelos roqueiros de todas as idades Sepultura, Led Zeppelin e Pink Floyd, da qual emendaram magistralmente “In the flash“, do “The Wall”, com “Saudades de Matão“, composta em 1904 por Jorge Galati, maestro da banda brasileira Italo-Araraquara.

Ricardo Vignini

Ricardo Vignini

Vignini e Zé Helder, professores de viola, ainda tocaram Tião Carreiro, Índio Cachoeira e Gedeão da Viola. The Rolling Stones e “Matuto Moderno” também foram lembrados. Da segunda banda, que já tem 15 anos de estrada a música escolhida, “Topada”, é parceria de Vignini com  André Abujamra, ex-“Os Mulheres Negras”. O encerramento homenageou amantes da música clássica com a execução da Nona Sinfonia de Bethoven. Desta, brotou “Aqualung”, do Jethro Tull. O bis rolou com “Norwegian Wood”, de “Rubber Soul” (1965), um dos mais famosos trabalhos do The Beatles. Esta foi a primeira música que George Harrison utilizou sua cítara.

Quem perdeu a apresentação não precisa se lamentar. Os violeiros Ricardo Vignini e Zé Helder estarão de volta ao mesmo palco em 26 de julho, a partir das 19 horas, em mais uma ediçãodo projeto “Viola com Sons Brasileiros”.

Zé Helder

Zé Helder